s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Quando era criança

Quando era criança

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Você se lembra de sua infância? De como brincava e se divertia? Como era o mundo que lhe cercava? De que gostava de brincar?

Eu fui criança na década de 1970 na cidade de São Paulo. Pertenci a uma das últimas gerações que brincou na rua, em terreno baldio, que empinava pipa, que  pulava muro, que jogava taco (Bete), futebol com os amigos à tarde em campinho improvisado na calçada. Era de uma geração que fazia de tudo para brincar, de crianças irrequietas que se divertiam em parquinho, que achavam graça em gira-gira, em tobogã, que não necessitava de brinquedos sofisticados para se divertir.

Hoje vejo a geração de meu filho que perdeu a magia. Eles não sabem mais se divertir sem um computador, sem um tablete, sem um celular, ou sem a televisão .O brincar é mediado e decretado pelo eletrônico. A vida não tem graça em um quintal, na natureza, nas coisas simples. Para eles é uma provação, dói, quando lhes deixamos um dia sem seus eletrônicos. Pescar ou ir a uma chácara inadmissível, não tem internet.

Hoje não vemos nas ruas crianças brincando, às vezes um ou outro gato pingado o que é raro, que entre 02 e 6 anos observamos em parquinhos. Entre 06 e 13 eles não existem nas ruas. Estão em casa trancafiados em sua jaula eletrônica, presos da tecnologia, vivendo, comendo e vestindo o eletrônico.

O resultado claro disto é a dificuldade de prestar atenção, de ler, concentrar, de se envolver com a natureza, com as coisas mais simples do existir. Advém também dai o desrespeito, a dificuldade de socializar, de fazer amigos, namorar, de trabalhar e viver. Os menos viciados em eletrônica acabam sobrevivendo, os mais, sucumbindo, existindo apenas em um quarto, se tornando seres anti-sociais, sistematicamente violentos dentro de seu mundo. Tolerância para estes é uma palavra que não existe. Quando indagados o que querem da vida discorrem sobre o vazio, o nada: “não sei”. Este é seu mundo.

Dei um castigo a meu filho nestas férias: computador apenas por uma hora diária. Ele, com seus11 anos, me questionou: mas pai, o que vou fazer? Lhe disse: Brincar!

No começo foi um parto mas depois ele cedeu e como antigamente voltou a brincar.

Tenho visto hoje em dia vários pais com problemas com seus filhos entre 13 e 35 anos, pessoas fora da vida, sem trabalho, estudo, viciados em tecnologia. Como todo viciado raros querem se tratar não reconhecendo o problema em que existem. Mas até quando vão existir na jaula sem se incomodarem, ou sem gerar transtorno a seus familiares?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima