Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Quando era criança

Quando era criança

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Você se lembra de sua infância? De como brincava e se divertia? Como era o mundo que lhe cercava? De que gostava de brincar?

Eu fui criança na década de 1970 na cidade de São Paulo. Pertenci a uma das últimas gerações que brincou na rua, em terreno baldio, que empinava pipa, que  pulava muro, que jogava taco (Bete), futebol com os amigos à tarde em campinho improvisado na calçada. Era de uma geração que fazia de tudo para brincar, de crianças irrequietas que se divertiam em parquinho, que achavam graça em gira-gira, em tobogã, que não necessitava de brinquedos sofisticados para se divertir.

Hoje vejo a geração de meu filho que perdeu a magia. Eles não sabem mais se divertir sem um computador, sem um tablete, sem um celular, ou sem a televisão .O brincar é mediado e decretado pelo eletrônico. A vida não tem graça em um quintal, na natureza, nas coisas simples. Para eles é uma provação, dói, quando lhes deixamos um dia sem seus eletrônicos. Pescar ou ir a uma chácara inadmissível, não tem internet.

Hoje não vemos nas ruas crianças brincando, às vezes um ou outro gato pingado o que é raro, que entre 02 e 6 anos observamos em parquinhos. Entre 06 e 13 eles não existem nas ruas. Estão em casa trancafiados em sua jaula eletrônica, presos da tecnologia, vivendo, comendo e vestindo o eletrônico.

O resultado claro disto é a dificuldade de prestar atenção, de ler, concentrar, de se envolver com a natureza, com as coisas mais simples do existir. Advém também dai o desrespeito, a dificuldade de socializar, de fazer amigos, namorar, de trabalhar e viver. Os menos viciados em eletrônica acabam sobrevivendo, os mais, sucumbindo, existindo apenas em um quarto, se tornando seres anti-sociais, sistematicamente violentos dentro de seu mundo. Tolerância para estes é uma palavra que não existe. Quando indagados o que querem da vida discorrem sobre o vazio, o nada: “não sei”. Este é seu mundo.

Dei um castigo a meu filho nestas férias: computador apenas por uma hora diária. Ele, com seus11 anos, me questionou: mas pai, o que vou fazer? Lhe disse: Brincar!

No começo foi um parto mas depois ele cedeu e como antigamente voltou a brincar.

Tenho visto hoje em dia vários pais com problemas com seus filhos entre 13 e 35 anos, pessoas fora da vida, sem trabalho, estudo, viciados em tecnologia. Como todo viciado raros querem se tratar não reconhecendo o problema em que existem. Mas até quando vão existir na jaula sem se incomodarem, ou sem gerar transtorno a seus familiares?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima