s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Quem

Quem

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Quem?
29/11/2014 00:00:00

Ele entra em meu consultório reclamando da vida… que não tinha sorte no amor, que tinha poucos amigos, que sua vida social era escassa, que não via mais graça em seu trabalho. Sua voz era empastelada, mecânica, era uma pessoa de semblante e expressão melancólica, “O Cavaleiro da Triste Figura” nas entrelinhas de Cervantes. Sofria da sorte, do azar, era um portador de normalidade crônica em estágio agudo… caso grave de difícil tratamento.

Tais tipos são previsíveis ao extremo, chegam sempre pontualmente no horário, estressam com facilidade quando algo sai fora do lugar, odeiam imprevistos, têm hábitos e perpetuam a rotina, não se animam por qualquer bobagem, trocam lazer por trabalho, em raros momentos fazem algo diferente na vida. De temperamento estável, evidenciam personalidade controladora ao extremo, com pouca ou rara criatividade com forte tendência ao comodismo. Tem cura?

O padrão da normalidade prescrito em vários roteiros e rótulos na era pós moderna tem esta contra indicação. Kant em crise.  Pobre do ser que for adequado à normalidade. Será condenado à chatice, à alienação, ao isolamento pela massificação. Terá inúmeros problemas de convívio social afetivo no trabalho. Será mais um sem graça no meio da multidão. Talvez se adéque ao cargo de burocrata, a um cargo comissionado, um endividado sem desejo e sem destino. O excesso de racionalismo impregna a existência, e justificativas ocorrem para tudo e isto vira comodismo. Lamentavelmente há muitos de tal monta por aí. Sérios candidatos a viverem com intensa ansiedade, à depressão, ao alcoolismo, ou a um enfarto ou derrame aos 50 anos. Certa vez uma paciente me disse que não se suportava mais…”não aguento mais fazer tudo do mesmo jeito, da mesma forma”. “Todo dia ela faz tudo sempre igual me sacode as seis horas da manhã” dizia a letra  de Chico Buarque. O tédio parodiava a letra da música à vida da paciente: sobrava estresse e faltava alegria no existir e a consequência era crise de vida, de casamento, de identidade.

Na vida é importante que tenhamos hábitos e costumes, certa rotina e organização. Porém o excesso, a rigidez, a falta de criatividade, a ausência de rupturas no regime da vida tornam qualquer pessoa um chato, um ser insuportável. E ninguém faz história comportado, ao contrário. Os seres normais têm como sobrenome o tédio e as crises existenciais por falta de personalidade.

Hoje em dia lamentavelmente existem os que preconizam este sonho da vidinha do mesmo de sempre, para transformar a sua história em algo previsível como um roteiro de comercial de sucesso. Você toleraria ficar ao lado de alguém assim?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima