s
Iscas Intelectuais
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Pronto. Chegou o dia de conversar com duas referências ...

Ver mais

Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Há quatro anos, uma amiga me relatou uma história ...

Ver mais

Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Um novo termo entrou em evidência: o cringe. A tradução ...

Ver mais

Café Brasil 777 – Polarização Política
Café Brasil 777 – Polarização Política
Se você não vive em Plutão, já sacou como a polarização ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Olímpica expectativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Olímpica expectativa “O esporte tem o poder de unificar, passar uma imagem de paz e resiliência, e nos dá esperança de seguir nossa jornada juntos.” Thomas Bach (Presidente do Comitê Olímpico ...

Ver mais

Economia do crime
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia do crime  O crime compensa?  “Na faculdade, fui atraído pelos problemas estudados por sociólogos e as técnicas analíticas utilizadas pelos economistas. Esses interesses começaram a se ...

Ver mais

Reprise
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Reprise  Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de ...

Ver mais

O infalível ministro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A piada é antiga. Dá pra contar, se a turma do politicamente correto ainda não inventou o crime de lusofobia: A famosa cena bíblica do apedrejamento da adúltera, quando o Mestre teria dito… ...

Ver mais

Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Preste muita atenção nos discursos dos educadores, dos ...

Ver mais

Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Trocar um apartamento por um automóvel? Como assim?

Ver mais

Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Eu escolhi participar ativamente, usando as armas que tenho.

Ver mais

Cafezinho 405 – O babaca
Cafezinho 405 – O babaca
Qual tipo de reação você acha que levo em consideração ...

Ver mais

Reprise

Reprise

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Reprise

 Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final

A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de manifestações em diversas partes do País pedindo o impeachment do presidente Jair Bolsonaro gera uma preocupação crescente – assumida ou não – dentro do alto escalão do governo quanto à possibilidade de conclusão do mandato prevista para dezembro de 2022.

Em consequência disso, percebe-se uma alteração de prioridades, com a preservação do mandato ocupando o primeiro lugar, ficando para segundo plano todos os demais assuntos.

Começa a ser reprisado, assim, um filme que os brasileiros tiveram possibilidade de assistir por mais de uma vez desde que a democracia e as eleições diretas para a Presidência da República foram restauradas na segunda metade da década de 1980.

A primeira vez foi com Fernando Collor. À medida que ganhavam força argumentos que poderiam conduzir ao afastamento do presidente, a manutenção do mandato foi se tornando cada vez mais prioritária, com a perda correspondente de importância dos outros projetos essenciais ao bom funcionamento da economia. Mesmo o bom gabinete formado nos meses finais do mandato de Collor pouco pôde fazer diante dessa inversão de prioridades. A situação foi se deteriorando, criando um quadro muito difícil para o vice-presidente Itamar Franco, quando assumiu após a renúncia desesperada de Fernando Collor.

A segunda vez ocorreu nos dois anos do segundo mandato de Dilma Rousseff. Medidas inconsequentes adotadas para garantir a reeleição fizeram com que o mandato já se iniciasse numa situação complicada. A apertada margem da vitória no segundo turno não garantiu a ela o capital político normalmente adquirido em disputas eleitorais. Com essa soma de fatores, Dilma Rousseff praticamente não fez outra coisa em seu segundo mandato a não ser tentar se manter no poder, enquanto multiplicavam-se as pressões pelo seu impeachment. Novamente, o cenário econômico agravou-se, deixando um difícil legado para o sucessor Michel Temer.

Este, por sua vez, também foi obrigado a pisar no freio depois do vazamento de sua conversa com Joesley Batista, que acendeu a fogueira dos opositores, ávidos por vingarem a presidente afastada. Com isso, algumas reformas que poderiam avançar foram postergadas, perdendo-se a oportunidade de legar ao novo governo um cenário mais favorável.

Temo que o mesmo filme se repita agora, com o governo empurrando os problemas com a barriga, mais preocupado em apenas se manter no poder. Nas vezes anteriores, não gostei do final desse filme.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado