s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

Reprise

Reprise

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Reprise

 Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final

A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de manifestações em diversas partes do País pedindo o impeachment do presidente Jair Bolsonaro gera uma preocupação crescente – assumida ou não – dentro do alto escalão do governo quanto à possibilidade de conclusão do mandato prevista para dezembro de 2022.

Em consequência disso, percebe-se uma alteração de prioridades, com a preservação do mandato ocupando o primeiro lugar, ficando para segundo plano todos os demais assuntos.

Começa a ser reprisado, assim, um filme que os brasileiros tiveram possibilidade de assistir por mais de uma vez desde que a democracia e as eleições diretas para a Presidência da República foram restauradas na segunda metade da década de 1980.

A primeira vez foi com Fernando Collor. À medida que ganhavam força argumentos que poderiam conduzir ao afastamento do presidente, a manutenção do mandato foi se tornando cada vez mais prioritária, com a perda correspondente de importância dos outros projetos essenciais ao bom funcionamento da economia. Mesmo o bom gabinete formado nos meses finais do mandato de Collor pouco pôde fazer diante dessa inversão de prioridades. A situação foi se deteriorando, criando um quadro muito difícil para o vice-presidente Itamar Franco, quando assumiu após a renúncia desesperada de Fernando Collor.

A segunda vez ocorreu nos dois anos do segundo mandato de Dilma Rousseff. Medidas inconsequentes adotadas para garantir a reeleição fizeram com que o mandato já se iniciasse numa situação complicada. A apertada margem da vitória no segundo turno não garantiu a ela o capital político normalmente adquirido em disputas eleitorais. Com essa soma de fatores, Dilma Rousseff praticamente não fez outra coisa em seu segundo mandato a não ser tentar se manter no poder, enquanto multiplicavam-se as pressões pelo seu impeachment. Novamente, o cenário econômico agravou-se, deixando um difícil legado para o sucessor Michel Temer.

Este, por sua vez, também foi obrigado a pisar no freio depois do vazamento de sua conversa com Joesley Batista, que acendeu a fogueira dos opositores, ávidos por vingarem a presidente afastada. Com isso, algumas reformas que poderiam avançar foram postergadas, perdendo-se a oportunidade de legar ao novo governo um cenário mais favorável.

Temo que o mesmo filme se repita agora, com o governo empurrando os problemas com a barriga, mais preocupado em apenas se manter no poder. Nas vezes anteriores, não gostei do final desse filme.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado