Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Respire fundo e aguarde

Respire fundo e aguarde

Jota Fagner - Origens do Brasil -

O pior ainda está por vir

Todo mundo já percebeu o quanto está difícil manter um diálogo saudável nas redes sociais. Invariavelmente somos alvos de alguma militância raivosa defendendo ideias ou figuras controversas. Excluí meu perfil no Facebook por causa disso. Antes da campanha eleitoral começar oficialmente eu tive a sensação de que o ambiente ficaria insuportável. Preferi manter distância.

Twitter não está muito diferente. Normalmente, entro querendo acompanhar os principais temas em debate, mas atualmente o assunto se resume às disputas entre este e aquele candidato. Muito triste. Em momentos como esse fico sem esperança no desenvolvimento do meu país. O Whatsapp, única ferramenta de comunicação digital que uso diariamente, está dando nos nervos. A quantidade de correntes e notícias falsas que recebo diariamente é assustadora. Difícil é manter a sanidade mental frente a tantos grupos ensandecidos.

O que mais me impressiona em tudo isso é a segurança com a qual algumas pessoas afirmam os maiores disparates. Eles se acham extremamente instruídos e bem informados. Se acham detentores de alguma verdade secreta que só eles têm acesso. Se você passou os últimos vinte anos da sua vida estudando história política, pouco importa. Afinal, você é apenas um alienado que não consegue enxergar a verdade.

Relutei muito em publicar o texto sobre o Júlio de Mesquita e a contrarrevolução cultural. Era óbvio que ninguém leria até o final (se você leu, é óbvio que está habituado a esse tipo de conteúdo. Não é a sua orelha que quero puxar), como era óbvio que, aqueles que tentassem, desistiriam no meio do caminho por acharem chato demais, por não entenderem o propósito daquilo, por considerarem uma tremenda perda de tempo. Então, por que eu publiquei? Simples. Queria demonstrar o quanto a pesquisa histórica é chata, o quanto exige esforço, o quanto essas pessoas não estão preparadas para um conteúdo um pouco mais denso, o quanto a história não pode ser resumida a chavões. Inclusive, são esses chavões que os pseudo intelectuais tanto gostam de repetir.

Catar duas ou três frases de efeito com o guru X ou Y é fácil. Repetir exaustivamente cada uma dessas frases, com pequenas variações, pode até te dar ares de muito instruído perante os incautos. A vida, no entanto, sempre será mais complexa. Não existem heróis que possam – sozinhos – resolver o problema nacional. Não existe fórmula mágica que garanta a resolução de todos os males. E não adianta gritar com quem discorda de você. A tentativa de impor uma suposta verdade por meio da força só prova o quanto seu pensamento é ditatorial.

A situação do Brasil é preocupante. As opções que provavelmente teremos no segundo turno não são as ideais. O comportamento de nossos patrícios passa longe de ser saudável.

Se você faz parte de uma dessas militâncias, realize uma autoanálise. Assuma suas limitações, reconheça que não sabe tudo. Permita-se compreender que o seu ódio não ajuda em nada neste conflito. Democracia pressupõe aceitar a decisão da maioria, principalmente quando ela vai contra a nossa. É preciso lembrar que o governo reflete os valores daqueles que o elegeram.

Faça a sua parte de modo consciente. Vote, não brigue, não ofenda, não perca amizades. Estamos todos no mesmo barco e sofreremos juntos as consequências do que quer que seja.

Quando chegar a hora de começarmos a reconstruir nossa nação, será preciso agirmos como um só povo.

Seja qual for o resultado da próxima eleição, as consequências não serão as melhores.

Aguardemos.

José Fagner Alves Santos

Ver Todos os artigos de Jota Fagner