s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 753 – A sala dos professores
Café Brasil 753 – A sala dos professores
Professor...professor...professor... houve um tempo em ...

Ver mais

Café Brasil 752 – Jam Session
Café Brasil 752 – Jam Session
Uma das coisas mais fascinantes é a demonstração de ...

Ver mais

Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
A Perfetto é patrocinadora do Café Brasil e… sabe ...

Ver mais

Café Brasil 750 – The Rocket Man
Café Brasil 750 – The Rocket Man
Algumas obras de arte são tão perfeitas, mas tão ...

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
Empreendedores, criadores de uma franquia inovadora, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Ford, polarização e “capitalismo sem riscos”
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ford, polarização e “capitalismo sem riscos”  “A desindustrialização brasileira é resultado das intervenções equivocadas que fizemos. E o pior é que o setor empresarial, as lideranças do setor ...

Ver mais

Os economistas mais influentes da atualidade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Os economistas mais influentes da atualidade  “O que são as pessoas de carne e osso? Para os mais notórios economistas, números. Para os mais poderosos banqueiros, devedores. Para os mais ...

Ver mais

A sala de professores e a deseducação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Comecei a dar aulas no Ensino Médio em 1999, quando estava no segundo ano da graduação em Filosofia. Ou seja: há mais de vinte anos comecei a freqüentar a sala de professores. Nesse ambiente ...

Ver mais

Leituras, conexões e reminiscências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Leituras, conexões e reminiscências “Se você tiver uma maçã e eu tiver uma maçã e trocarmos nossas frutas, continuaremos com uma maçã cada. Mas, se você tiver uma ideia e eu tiver uma ideia e ...

Ver mais

Cafezinho 353 – Confie desconfiando
Cafezinho 353 – Confie desconfiando
Uma sociedade repleta de gente com excesso de confiança ...

Ver mais

Cafezinho 352 – O drama da esquina
Cafezinho 352 – O drama da esquina
Não espere os grandes dramas nacionais para agir.

Ver mais

Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
As pessoas perderam completamente o bom-senso e já há ...

Ver mais

Cafezinho 350 – Sob o domínio do medo
Cafezinho 350 – Sob o domínio do medo
No mundo de hoje, caótico, competitivo e apressado, ...

Ver mais

Respire fundo e aguarde

Respire fundo e aguarde

Jota Fagner - Origens do Brasil -

O pior ainda está por vir

Todo mundo já percebeu o quanto está difícil manter um diálogo saudável nas redes sociais. Invariavelmente somos alvos de alguma militância raivosa defendendo ideias ou figuras controversas. Excluí meu perfil no Facebook por causa disso. Antes da campanha eleitoral começar oficialmente eu tive a sensação de que o ambiente ficaria insuportável. Preferi manter distância.

Twitter não está muito diferente. Normalmente, entro querendo acompanhar os principais temas em debate, mas atualmente o assunto se resume às disputas entre este e aquele candidato. Muito triste. Em momentos como esse fico sem esperança no desenvolvimento do meu país. O Whatsapp, única ferramenta de comunicação digital que uso diariamente, está dando nos nervos. A quantidade de correntes e notícias falsas que recebo diariamente é assustadora. Difícil é manter a sanidade mental frente a tantos grupos ensandecidos.

O que mais me impressiona em tudo isso é a segurança com a qual algumas pessoas afirmam os maiores disparates. Eles se acham extremamente instruídos e bem informados. Se acham detentores de alguma verdade secreta que só eles têm acesso. Se você passou os últimos vinte anos da sua vida estudando história política, pouco importa. Afinal, você é apenas um alienado que não consegue enxergar a verdade.

Relutei muito em publicar o texto sobre o Júlio de Mesquita e a contrarrevolução cultural. Era óbvio que ninguém leria até o final (se você leu, é óbvio que está habituado a esse tipo de conteúdo. Não é a sua orelha que quero puxar), como era óbvio que, aqueles que tentassem, desistiriam no meio do caminho por acharem chato demais, por não entenderem o propósito daquilo, por considerarem uma tremenda perda de tempo. Então, por que eu publiquei? Simples. Queria demonstrar o quanto a pesquisa histórica é chata, o quanto exige esforço, o quanto essas pessoas não estão preparadas para um conteúdo um pouco mais denso, o quanto a história não pode ser resumida a chavões. Inclusive, são esses chavões que os pseudo intelectuais tanto gostam de repetir.

Catar duas ou três frases de efeito com o guru X ou Y é fácil. Repetir exaustivamente cada uma dessas frases, com pequenas variações, pode até te dar ares de muito instruído perante os incautos. A vida, no entanto, sempre será mais complexa. Não existem heróis que possam – sozinhos – resolver o problema nacional. Não existe fórmula mágica que garanta a resolução de todos os males. E não adianta gritar com quem discorda de você. A tentativa de impor uma suposta verdade por meio da força só prova o quanto seu pensamento é ditatorial.

A situação do Brasil é preocupante. As opções que provavelmente teremos no segundo turno não são as ideais. O comportamento de nossos patrícios passa longe de ser saudável.

Se você faz parte de uma dessas militâncias, realize uma autoanálise. Assuma suas limitações, reconheça que não sabe tudo. Permita-se compreender que o seu ódio não ajuda em nada neste conflito. Democracia pressupõe aceitar a decisão da maioria, principalmente quando ela vai contra a nossa. É preciso lembrar que o governo reflete os valores daqueles que o elegeram.

Faça a sua parte de modo consciente. Vote, não brigue, não ofenda, não perca amizades. Estamos todos no mesmo barco e sofreremos juntos as consequências do que quer que seja.

Quando chegar a hora de começarmos a reconstruir nossa nação, será preciso agirmos como um só povo.

Seja qual for o resultado da próxima eleição, as consequências não serão as melhores.

Aguardemos.

José Fagner Alves Santos

Ver Todos os artigos de Jota Fagner