s
Iscas Intelectuais
Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 759 – Karl Popper e os negacionistas
Café Brasil 759 – Karl Popper e os negacionistas
Não devemos aceitar verdades universais a partir de ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Café Brasil 757 – O dono da firma
Café Brasil 757 – O dono da firma
Vamos então a mais um programa que fala do empreendedor ...

Ver mais

Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Usar a internet de forma responsável, é isso que trata ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

A guerra dos pelados
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
De 1912 a 1916 o Estado de Santa Catarina sofreu a Guerra do Contestado, conflito armado que opôs, de um lado, posseiros e pequenos produtores rurais, e de outro militares federais e estaduais. ...

Ver mais

A americanização do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O imperialismo sedutor     “Chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor Eu fui à  Penha, fui pedir à Padroeira para me ajudar Salve o Morro do Vintém, pendura a saia que eu quero ...

Ver mais

Economia da desigualdade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia da desigualdade “Os valores que conferem ao capitalismo sua legitimidade são prosperidade e liberdade para todos. […[ Se você concentra poder e renda em um pequeno grupo, o ...

Ver mais

Autonomia do Banco Central
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Caminhando rumo à autonomia do Banco Central ˜O desejo parece ser o de que a política econômica saia de uma vez por todas da alçada dos presidentes da república. […]. Delega-se para a diretoria ...

Ver mais

Cafezinho 365 – (IN)segurança Nacional
Cafezinho 365 – (IN)segurança Nacional
Nem precisa prender o Danilo Gentili, a simples ameaça ...

Ver mais

Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
O viés de confirmação leva ao isolacionismo ...

Ver mais

Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
No Chapeuzinho Vermelho 4.0, tá cheio de lobo se ...

Ver mais

Cafezinho 362 – Na bala!
Cafezinho 362 – Na bala!
Se a constituição brasileira não proíbe que o deputado ...

Ver mais

Revisionismos e intolerância

Revisionismos e intolerância

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Revisionismos e intolerância

“Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar uma revolução; faz-se a revolução para estabelecer a ditadura. O objetivo da perseguição é a perseguição. O objetivo da tortura é a tortura. O objetivo do poder é o poder.“

George Orwell

Recentemente me perguntaram quais os livros que mais influenciaram meu gosto pela leitura. Não precisei pensar muito para responder: Capitães da Areia, de Jorge Amado, foi o que despertou meu interesse pela leitura; mais tarde, 1984, de George Orwell, exerceu e exerce ainda hoje grande impacto em minha forma de pensar e enxergar o mundo.

Assim, não é difícil entender a razão pela qual o livro de Orwell, um dos maiores sucessos da literatura universal, traduzido em 65 países, veio à minha memória tantas vezes nas últimas semanas, marcadas por episódios como a derrubada de estátuas de Cristóvão Colombo e dos generais confederados Edward Lee e Jefferson Davis em vários estados dos Estados Unidos e em Bristol, na Inglaterra, onde a estátua de Edward Colston foi arrancada de seu pedestal e jogada em um rio. Colston foi alto funcionário da Royal African Company no final do século XVII, empresa que enviou centenas de milhares de pessoas da África Ocidental à escravidão na América do Norte e Caribe. Também ocorreram ameaças de destruição de outras estátuas noutras partes do mundo, em consequência do assassinato de George Floyd, um negro norte-americano, por policiais brancos no estado de Minneapolis. O fato desencadeou inúmeras manifestações contra o racismo, que se espalharam para outros países.

Em 1984, escrito em 1948 – o título é resultante de um jogo com os dois últimos algarismos do ano em que o texto foi concluído – Orwell, um ex-comunista arrependido, pretende fazer uma crítica ao totalitarismo representado pela concentração absoluta do poder pelo Grande Irmão, o líder supremo que, por meio da teletela, tudo ouve e tudo vê, mas que não é visto por ninguém.

O protagonista do romance é Winston Smith, funcionário do Departamento de Documentação do Ministério da Verdade, que trabalha como revisor da história, com a função de reescrever notícias do passado para adequá-las ao presente, perpetuando um regime político em que o controle social é exercido pela desinformação e vigilância constantes. Em seu trabalho, Smith alterava os registros históricos todas as vezes que estes não fossem do interesse do Grande Irmão. Dessa forma, fatos eram modificados, livros eram incinerados, nomes eram eliminados e substituídos por outros num processo de revisionismo que teve vários exemplos no mundo real, sendo talvez o mais conhecido o da Rússia dos tempos de Stalin.

Embora imaginasse estar descrevendo um futuro extremamente remoto, quase tudo que foi descrito por Orwell tornou-se realidade em muito menos tempo do que ele supunha. Em 1984, a BBC produziu um documentário a esse respeito, reproduzido no Brasil pela Rede Manchete. De lá para cá, com a espantosa evolução da tecnologia, as possibilidades de controle da informação se expandiram muito mais, dando origem, de tempos em tempos, a diferentes tipos de tentativas de revisar o passado, descontextualizando os acontecimentos e desconsiderando as transformações da história. Tais tentativas costumam deixar – independentemente dos fatos que lhes dão origem – um saldo negativo e perigoso, no qual uma palavra se sobressai: intolerância.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

AMADO, Jorge. Capitães da Areia. Rio de Janeiro: Record, 1993.

ORWELL, George. 1984. Tradução de Heloisa Jahn e Alexandre Hubner. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado