s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Revisionismos e intolerância

Revisionismos e intolerância

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Revisionismos e intolerância

“Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar uma revolução; faz-se a revolução para estabelecer a ditadura. O objetivo da perseguição é a perseguição. O objetivo da tortura é a tortura. O objetivo do poder é o poder.“

George Orwell

Recentemente me perguntaram quais os livros que mais influenciaram meu gosto pela leitura. Não precisei pensar muito para responder: Capitães da Areia, de Jorge Amado, foi o que despertou meu interesse pela leitura; mais tarde, 1984, de George Orwell, exerceu e exerce ainda hoje grande impacto em minha forma de pensar e enxergar o mundo.

Assim, não é difícil entender a razão pela qual o livro de Orwell, um dos maiores sucessos da literatura universal, traduzido em 65 países, veio à minha memória tantas vezes nas últimas semanas, marcadas por episódios como a derrubada de estátuas de Cristóvão Colombo e dos generais confederados Edward Lee e Jefferson Davis em vários estados dos Estados Unidos e em Bristol, na Inglaterra, onde a estátua de Edward Colston foi arrancada de seu pedestal e jogada em um rio. Colston foi alto funcionário da Royal African Company no final do século XVII, empresa que enviou centenas de milhares de pessoas da África Ocidental à escravidão na América do Norte e Caribe. Também ocorreram ameaças de destruição de outras estátuas noutras partes do mundo, em consequência do assassinato de George Floyd, um negro norte-americano, por policiais brancos no estado de Minneapolis. O fato desencadeou inúmeras manifestações contra o racismo, que se espalharam para outros países.

Em 1984, escrito em 1948 – o título é resultante de um jogo com os dois últimos algarismos do ano em que o texto foi concluído – Orwell, um ex-comunista arrependido, pretende fazer uma crítica ao totalitarismo representado pela concentração absoluta do poder pelo Grande Irmão, o líder supremo que, por meio da teletela, tudo ouve e tudo vê, mas que não é visto por ninguém.

O protagonista do romance é Winston Smith, funcionário do Departamento de Documentação do Ministério da Verdade, que trabalha como revisor da história, com a função de reescrever notícias do passado para adequá-las ao presente, perpetuando um regime político em que o controle social é exercido pela desinformação e vigilância constantes. Em seu trabalho, Smith alterava os registros históricos todas as vezes que estes não fossem do interesse do Grande Irmão. Dessa forma, fatos eram modificados, livros eram incinerados, nomes eram eliminados e substituídos por outros num processo de revisionismo que teve vários exemplos no mundo real, sendo talvez o mais conhecido o da Rússia dos tempos de Stalin.

Embora imaginasse estar descrevendo um futuro extremamente remoto, quase tudo que foi descrito por Orwell tornou-se realidade em muito menos tempo do que ele supunha. Em 1984, a BBC produziu um documentário a esse respeito, reproduzido no Brasil pela Rede Manchete. De lá para cá, com a espantosa evolução da tecnologia, as possibilidades de controle da informação se expandiram muito mais, dando origem, de tempos em tempos, a diferentes tipos de tentativas de revisar o passado, descontextualizando os acontecimentos e desconsiderando as transformações da história. Tais tentativas costumam deixar – independentemente dos fatos que lhes dão origem – um saldo negativo e perigoso, no qual uma palavra se sobressai: intolerância.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

AMADO, Jorge. Capitães da Areia. Rio de Janeiro: Record, 1993.

ORWELL, George. 1984. Tradução de Heloisa Jahn e Alexandre Hubner. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado