s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Revisionismos e intolerância

Revisionismos e intolerância

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Revisionismos e intolerância

“Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar uma revolução; faz-se a revolução para estabelecer a ditadura. O objetivo da perseguição é a perseguição. O objetivo da tortura é a tortura. O objetivo do poder é o poder.“

George Orwell

Recentemente me perguntaram quais os livros que mais influenciaram meu gosto pela leitura. Não precisei pensar muito para responder: Capitães da Areia, de Jorge Amado, foi o que despertou meu interesse pela leitura; mais tarde, 1984, de George Orwell, exerceu e exerce ainda hoje grande impacto em minha forma de pensar e enxergar o mundo.

Assim, não é difícil entender a razão pela qual o livro de Orwell, um dos maiores sucessos da literatura universal, traduzido em 65 países, veio à minha memória tantas vezes nas últimas semanas, marcadas por episódios como a derrubada de estátuas de Cristóvão Colombo e dos generais confederados Edward Lee e Jefferson Davis em vários estados dos Estados Unidos e em Bristol, na Inglaterra, onde a estátua de Edward Colston foi arrancada de seu pedestal e jogada em um rio. Colston foi alto funcionário da Royal African Company no final do século XVII, empresa que enviou centenas de milhares de pessoas da África Ocidental à escravidão na América do Norte e Caribe. Também ocorreram ameaças de destruição de outras estátuas noutras partes do mundo, em consequência do assassinato de George Floyd, um negro norte-americano, por policiais brancos no estado de Minneapolis. O fato desencadeou inúmeras manifestações contra o racismo, que se espalharam para outros países.

Em 1984, escrito em 1948 – o título é resultante de um jogo com os dois últimos algarismos do ano em que o texto foi concluído – Orwell, um ex-comunista arrependido, pretende fazer uma crítica ao totalitarismo representado pela concentração absoluta do poder pelo Grande Irmão, o líder supremo que, por meio da teletela, tudo ouve e tudo vê, mas que não é visto por ninguém.

O protagonista do romance é Winston Smith, funcionário do Departamento de Documentação do Ministério da Verdade, que trabalha como revisor da história, com a função de reescrever notícias do passado para adequá-las ao presente, perpetuando um regime político em que o controle social é exercido pela desinformação e vigilância constantes. Em seu trabalho, Smith alterava os registros históricos todas as vezes que estes não fossem do interesse do Grande Irmão. Dessa forma, fatos eram modificados, livros eram incinerados, nomes eram eliminados e substituídos por outros num processo de revisionismo que teve vários exemplos no mundo real, sendo talvez o mais conhecido o da Rússia dos tempos de Stalin.

Embora imaginasse estar descrevendo um futuro extremamente remoto, quase tudo que foi descrito por Orwell tornou-se realidade em muito menos tempo do que ele supunha. Em 1984, a BBC produziu um documentário a esse respeito, reproduzido no Brasil pela Rede Manchete. De lá para cá, com a espantosa evolução da tecnologia, as possibilidades de controle da informação se expandiram muito mais, dando origem, de tempos em tempos, a diferentes tipos de tentativas de revisar o passado, descontextualizando os acontecimentos e desconsiderando as transformações da história. Tais tentativas costumam deixar – independentemente dos fatos que lhes dão origem – um saldo negativo e perigoso, no qual uma palavra se sobressai: intolerância.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

AMADO, Jorge. Capitães da Areia. Rio de Janeiro: Record, 1993.

ORWELL, George. 1984. Tradução de Heloisa Jahn e Alexandre Hubner. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado