s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Revolucionando o aprendizado

Revolucionando o aprendizado

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

 

Revolucionando o aprendizado 

Mais produtividade na relação entre ensino e aprendizagem

Jeannette Vos

 “O mais valioso de todos os capitais é aquele

investido em seres humanos”.

Alfred Marshall

 Logo que tive oportunidade de conhecer mais detalhadamente questões ligadas à relação entre ensino e aprendizagem, o que ocorreu a partir de 1996, quando participei pela primeira vez da conferência anual da International Alliance for Learning, tomei conhecimento de um livro que teve enorme influência em minha carreira. Seu título era Revolucionando o aprendizado, de autoria de Gordon Dryden e Jeannette Vos. Eu tinha tido a chance de conhecer a professora Jeannette Vos na referida conferência e sua palestra se incluía entre aquelas que considero – ainda hoje – inesquecíveis.

Revolucionando o aprendizado

Voltando a participar desta mesma conferência em outras edições, pude conhecer melhor o trabalho de Jeannette Vos e procurei incorporar muitos de seus ensinamentos e de suas recomendações ao meu repertório de professor.

A se tomar por base as avaliações sistemáticas dos meus alunos, os resultados foram plenamente satisfatórios, uma vez que meus cursos passaram a ser considerados cada vez melhores, ainda que eu ministrasse disciplinas que dificilmente estão no rol das preferidas dos estudantes de economia, que são as de seu núcleo histórico, constituído por História Econômica Geral, História do Pensamento Econômico, Formação Econômica do Brasil e Economia Brasileira Contemporânea.

Dos ensinamentos de Jeannette Vos (e de outras feras que participavam ou eram reverenciadas nas conferências do IAL como Bob Pike, Bobbi DePorter, Colin Rose, Dave Meier, Don Campbell, Georgi Lozanov, Howard Gardner, Nancy Margulies, Ned Herrmann, Peter Kline, Tony Buzan e Win Wenger), reputo da maior importância os conhecimentos envolvendo o uso integrado do cérebro, a utilização combinada de aspectos racionais, emocionais e espirituais, a exploração das múltiplas inteligências e dos diferentes estilos de aprendizagem, assim como o uso de ferramentas como a música e os mind maps (mapas mentais).

Com o tempo, e com a crescente percepção da relevância do tema da relação entre ensino e aprendizagem e outros afins, fui conhecendo também o trabalho de professores e pesquisadores que desenvolviam seus trabalhos no Brasil, como Celso Antunes, Cosette Ramos, Floriano Serra, Ruy Cézar do Espírito Santo, Suzana Herculano-Houzel e Victor Mirshawka.

Foi, sem dúvida, um período extremamente produtivo em minha trajetória profissional, graças aos desafios constantes representados pela incorporação de novas metodologias, dinâmicas e estratégias que tornavam as aulas mais atraentes, fugindo do padrão tradicional, descrito pelo Prof. Henrique Vailati Neto como modelo “arrotativo-regurgitatório”.

Desde então, jamais deixei de me debruçar sobre o tema e de tentar acompanhar as novidades. Poucos livros, no entanto, atraíram muito minha atenção, exceção feita ao livro de Doug Lemov, Aula nota 10, publicado em 2011 com o apoio da Fundação Lemann.

Aula nota 10

Nos últimos meses de 2014, porém, tive a sorte de ler alguns livros que me impactaram bastante e que recomendo vivamente aos colegas professores e a todos aqueles que se preocupam com o tema.

Os primeiros constituem a trilogia publicada por Pierluigi Piazzi, mais conhecido como Professor Pier, intitulados Aprendendo inteligência, Estimulando inteligência e Ensinando inteligência, e voltados respectivamente para estudantes, pais de estudantes e professores.

Aprendendo inteligência   Estimulando inteligência  Ensinando inteligência

Nesses livros, o autor faz um exame minucioso dos problemas que afetam o sistema educacional brasileiro sob dois prismas. No primeiro, o Prof. Pier faz uma crítica contundente à “pedagorreia” do Ministério da Educação, cuja fúria regulatória está longe de evitar que o País ocupe uma posição medíocre nos testes comparativos internacionais, dos quais o mais conhecido é chamado de Pisa (Programme for International Student Assessment).

No segundo, que é o mais importante, o autor condena a verdadeira farsa em que se transformou o nosso sistema educacional em que tanto estudantes quanto escolas confundem “estudar para passar” com “estudar para aprender”. Ao agirem dessa forma, os estudantes não são orientados para cumprirem as três etapas indispensáveis a uma efetiva aprendizagem: assistir às aulas para obter informação acerca de diferentes conteúdos (entender), estudar individualmente à tarde os conteúdos vistos nas aulas (compreender), e, dormir as horas necessárias para que o cérebro “salve” esses conteúdos, fixando-os de forma definitiva (por meio da reconfiguração das redes neurais, que permite que os conteúdos sejam gravados permanentemente).

O Prof. Pier afirma enfaticamente que não adianta estudar muitas horas esporadicamente, como fazem muitos dos estudantes brasileiros às vésperas das provas. Esse procedimento pode fazer até com que eles obtenham as notas necessárias para serem aprovados. Dessa maneira, no entanto, eles esquecerão logo em seguida. Em outras palavras, passaram, mas não aprenderam.

Portanto, o que vale é estudar individualmente todos os dias os conteúdos das aulas assistidas naquele mesmo dia, mesmo que não seja por muito tempo. E, à noite, dormir pelo tempo recomendável para uma vida saudável.

Obviamente, tudo ficará mais fácil se houver rigor e seriedade por parte das escolas, o que supõe uma boa direção, professores qualificados e respeitados e o acompanhamento ativo dos pais.

O outro livro que gostaria de comentar é produto de um trabalho de investigação de uma jornalista norte-americana da revista Time que, inconformada com o mau desempenho de estudantes dos Estados Unidos no Pisa, decidiu descobrir por que alguns países têm obtido, sistematicamente, notas superiores às da nação mais rica do mundo.

Na mesma semana, recebi duas recomendações para ler o livro. Numa reunião de diretores e vice-diretores na FAAP, o Prof. Luiz Felipe Pondé foi o primeiro a sugerir a leitura. Na mesma semana, em sua coluna da revista Veja, Lya Luft fez o seguinte comentário: “Raramente comento algum livro: estou do lado de cá do balcão, escrevo livros, não os estudo nem critico, isso deixo para especialistas ou colegas que o saibam fazer. Mas sugiro minha leitura destes dias: As crianças mais inteligentes do mundo, de Amanda Ripley. Uma experiente jornalista americana acompanhou por um bom tempo três alunos de 2º grau que foram estudar na Finlândia, Coreia do Sul e Polônia. Nesses países estavam os estudantes que mais se destacavam num critério estabelecido mundialmente, o chamado Pisa, que avalia o grau de excelência do ensino em várias nações. O resultado foi que nesses três lugares estavam os melhores alunos, o melhor ensino, os melhores professores, ganhando até de países mais ricos, como os Estados Unidos”.

As crianças mais inteligentes do mundo

Em As crianças mais inteligentes do mundo, Amanda Ripley mostra que há muitas diferenças nos modelos adotados por Finlândia, Coreia do Sul e Polônia, mas em todos eles a sociedade encara a educação com maior seriedade em comparação com os Estados Unidos. Constatou, ainda, que não se trata de volume de dinheiro aplicado ou de quantidade de recursos tecnológicos disponíveis, aspectos em que as escolas norte-americanas são, na maior parte das vezes, insuperáveis.

O que os livros do Prof. Pier e o de Amanda Ripley revelam em comum?

Que além da seriedade já mencionada, há dois fatores a serem destacados: 1º) o modelo pedagógico deve priorizar aspectos como saber raciocinar, aplicar os conhecimentos e resolver problemas, o que deve ser feito por meio de diferentes estratégias pedagógicas que combinem atividades individuais e em grupo, explorando, sempre que possível, as múltiplas inteligências; 2º) os estudantes devem ser tratados com respeito, mas devem ser cobrados rigorosamente no sentido de demonstrarem que efetivamente têm conhecimento dos conteúdos curriculares.

Lamentavelmente, um cenário bem diferente do que ainda prevalece no Brasil, onde, com as exceções de praxe, predominam escolas que adotam um ensino padronizado, atividades quase exclusivamente individuais, avaliações baseadas na memorização e baixíssimo nível de exigência.

Considerando o impacto econômico da educação e sua importância para o desenvolvimento das nações, não é difícil concluir que esta continua a ser o principal desafio para que o Brasil supere seus maiores gargalos.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

ANTUNES, Celso. A teoria das inteligências libertadoras. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

ARMSTRONG, Thomas. Multiple intelligences in the classroom. Alexandria, Virginia: ASCD, 1994.

ASIMOV, Isaac. O cérebro humano: suas capacidades e funções. Curitiba: Hemus, 2002.

BUZAN, Tony. Use both sides of your brain. Viking – Penguin – Plume.

__________. Make the most of your mind.  Simon & Schuster.

__________. How to Mind Map. London: Thorsons, 2002.

CAMPBELL, Don G. O efeito Mozart. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

DRYDEN, Gordon & VOS, Jeannette. Revolucionando o aprendizado. Tradução de Marisa do Nascimento Paro. Revisão técnica de Victor Mirshawka. São Paulo: Makron Books, 1996.

ESPÍRITO SANTO, Ruy Cézar do. Pedagogia da transgressão. Campinas, SP: Papirus, 1996.

__________. O renascimento do sagrado na educação. Campinas, SP: Papirus, 1998.

__________. Desafios na formação do educador. Campinas, SP: Papirus, 2002.

GUILLON, Antonio B.B. e MIRSHAWKA, Victor. Reeducação. São Paulo: Makron Books, 1994.

HERCULANO-HOUZEL, Suzana. O cérebro nosso de cada dia. Descobertas da neurociência sobre a vida cotidiana. Rio de Janeiro: Vieira & Lent, 2002.

HERMANN, Walther e BOVO, Viviani. Mapas mentais: enriquecendo inteligências: captação, seleção, organização, síntese, criação e gerenciamento de informação. Campinas, SP: Walther Hermann & Viviani Bovo, 2005.

HERRMANN, Ned. The creative brain. Lake Lure, NC: Brain Books, 1988.

JENSEN, Eric. The learning brain. San Diego, CA: Turning Point Publishing, 1995.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira .São Paulo: Perspectiva, 1982.

LEMOV, Doug. Aula nota 10: 49 técnicas para ser um professor campeão de audiência. Tradução de Leda Beck. Consultoria e revisão técnica de Guiomar Namo de Mello e Paula Louzano. São Paulo: Da Boa Prosa: Fundação Lemann, 2011.

MACHADO, Luiz Alberto. Aperfeiçoamento contínuo. Qualimetria, Número 132, agosto de 2002, pp. 54-57.

_______________ Como enfrentar os desafios da carreira profissional. São Paulo: Trevisan Editora, 2012.

MARGULIES, Nancy. Mapping inner space. Tucson, AZ: Zephyr Press, 1991.

MEIER, Dave. The accelerated learning handbook. New York, NY: McGraw-Hill, 2000.

MIRSHAWKA, Victor e MIRSHAWKA JR., V. O Boom da educação: o aprendizado online. São Paulo: DVS, 2002.

MORAES, Maria Cândida e DE LA TORRE, Saturnino. Sentipensar: fundamentos e estratégias para reencantar a educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

OSBORN, Alex F. O poder criador da mente – Princípios e processos do pensamento criador e do “brainstorming”. São Paulo: IBRASA, 1972.

___________. Applied imagination. Buffalo, NY: The Creative Education Foundation Press,  1993.

PIAZZI, Pierluigi. Aprendendo inteligência. São Paulo: Aleph, 2008.

_______________ Estimulando inteligência. São Paulo: Aleph, 2008.

_______________ Ensinando inteligência. São Paulo: Aleph, 2009.

PIKE, Robert W. Dreams. Edina, MN: Resources for Organizations, Inc., 1991.

RAMOS, Cosete. O despertar do gênio: aprendendo com o cérebro inteiro. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002.

RIPLEY, Amanda. As crianças mais inteligentes do mundo: e como elas chegaram lá. Tradução de Renato Marques. São Paulo: Três estrelas, 2014.

ROSE, Colin. Accelerated learning. New  York, NY: Dell, 1985.

RUSSELL, Lou. The accelerated learning fieldbook: making the instructional process fast, flexible, and fun. San Francisco, CA: Jossey-Bass/Pfeiffer, 1999.

SERRA, Floriano. E por que não? São Paulo: Editora Gente, 1992.

_________. A terceira inteligência. São Paulo: Butterfly, 2004.

Referência e indicação webgráfica 

LUFT, Lya. A nau avariada. Veja, 19 de novembro de 2014. Disponível em http://www.sinduscon-rio.com.br/sindusletter/sindusletter_191114/n12.htm.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado