s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
A Bianca Oliveira é jornalista, apresentadora de ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O turismo e a economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O turismo e a economia A indústria do turismo passou certamente pelo maior desafio das últimas décadas, mas é forte o bastante para superar. Esteja atento às possibilidades tecnológicas e agregue ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Cafezinho 319 – A cizânia
Cafezinho 319 – A cizânia
Fique de olho nos Tullius Detritus que infestam sua vida.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Rua Augusta

Rua Augusta

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Rua Augusta

 Quem te viu, quem te vê

epois de meses trabalhando em home office, compareci ao Espaço Democrático. Dos vários corredores que levam à região central – Rebouças/Consolação, Augusta, Nove de Julho, Brigadeiro Luiz Antonio, 23 de Maio –, optei pelo trajeto que se configura como um grande retão, que se inicia logo depois da ponte da Cidade Jardim e chega até o Centro. A partir da Rua Estados Unidos, esse retão responde pelo nome de Rua Augusta.

A melancolia foi inevitável. Na minha juventude, a Rua Augusta era a mais elegante e charmosa de São Paulo. Concentrava as melhores lojas, bons cinemas, restaurantes, cafés e lanchonetes, atraindo visitantes de vários bairros da capital e de outras cidades que lá encontravam produtos exclusivos num comércio de primeira categoria.

Fazer compras ou simplesmente passear pela Rua Augusta era sinal de status. Ronnie Cord, um dos integrantes da Jovem Guarda, deu o nome da rua a seu maior hit, na fase em que o grande ídolo Roberto Carlos enaltecia carros, carangos, calhambeques, estradas e velocidade.

Em 1970, era para lá que a população se dirigia para comemorar as vitórias da seleção brasileira na Copa do México, na qual a Seleção Brasileira conquistou o tricampeonato mundial.  No Natal de 1973, a Rua Augusta chegou a ter seu trecho mais badalado acarpetado, a exemplo do que acontecia em famosas ruas londrinas.

Com a chegada dos shopping centers, surgiu uma concorrência cada vez mais ameaçadora, à medida que o crescimento desordenado da cidade trazia consigo problemas de violência e engarrafamentos de trânsito.

Com o tempo, o cenário foi se alterando, e o glamour da velha Rua Augusta foi transferido, num dos seus trechos, às suas alamedas, como a Oscar Freire, que se tornou a rua de comércio mais chique da cidade. Outro trecho, conhecido como Baixo Augusta, transformou-se num dos lugares preferidos por um público alternativo, frequentador de bares, boates, cineclubes e casas de música ao vivo que ali se multiplicavam.

Quem observasse atentamente, percebia certa deterioração, mas, aos trancos e barrancos, o movimento se mantinha. Mas faltava à Rua Augusta uma identidade própria, uma vez que o comércio elegante transferiu-se para os shoppings e o popular concentrou-se em regiões como a da 25 de Março, do Brás e do Bom Retiro.

A pandemia do coronavírus, porém, escancarou a decadência. Em boa parte da extensão da Rua Augusta, uma sequência infindável de portas fechadas domina o cenário em que antes se viam lojas, bares, restaurantes, lanchonetes e galerias.

Torço para que a deterioração não atinja o nível de degradação a que chegaram outras regiões da cidade, que percorreram trajeto semelhante. Passando pela Rua Augusta e imaginando um eventual projeto de recuperação, lembrei de outro hit, este de Chico Buarque, cujo refrão dizia:

Quem te viu, quem te vê
Quem não a conhece não pode mais ver pra crer
Quem jamais a esquece não pode reconhecer.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências musicais

Quem te viu, quem te vê. Letra e música de Chico Buarque. Disponível em https://www.vagalume.com.br/chico-buarque/quem-te-viu-quem-te-ve.html.

Rua Augusta. Letra e música de Ronnie Cord. Disponível em https://www.vagalume.com.br/chico-buarque/quem-te-viu-quem-te-ve.html.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado