s
Iscas Intelectuais
Por dentro das Big Techs
Por dentro das Big Techs
Alguma coisa está mudando na cultura do trabalho, e ...

Ver mais

Um pouquinho de história
Um pouquinho de história
Um pouquinho de história só para manter as coisas em ...

Ver mais

Não olhe para cima
Não olhe para cima
Não olhe para cima é uma comédia para ser levada a ...

Ver mais

Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Muito bem! No episódio passado, eu introduzi o conceito ...

Ver mais

Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
O termo Mass Formation Psychosis, psicose de formação ...

Ver mais

Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
E aí? Pronto pro ano novo? Tá complicado, é? Muita ...

Ver mais

Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Olhe pela janela... o que restará daqui a 100 anos, de ...

Ver mais

LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
No programa de hoje temos Leticia Zamperlini e Cristian ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Hoje bato um papo muito interessante com Leandro Bueno, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Predicáveis: Classificação e Números (parte 4)
Alexandre Gomes
Os PREDICÁVEIS representam a mais completa classificação das relações que podem ser afirmadas DE UM PREDICADO. em relação a um sujeito, TANTO QUANTO as categorias (do ser) são a mais completa ...

Ver mais

Expectativas em relação à China
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Expectativas em relação à China “Embora ainda seja prematuro especular sobre os delineamentos básicos de uma nova e inevitável ordem internacional, a evolução dos acontecimentos parece apontar ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Formas Proposicionais A E I O (parte 3)
Alexandre Gomes
As distinções apresentadas na lição anterior são as bases da CONCEITUAÇÃO e do MANEJO das proposições. Usando a qualidade, ou tanto a quantidade quanto a modalidade, como base, TODA PROPOSIÇÃO ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Características das Proposições (parte 2)
Alexandre Gomes
As PROPOSIÇÕES podem ser agrupadas por cinco características; e cada uma dessas se divide em duas classes. As cinco características são: a) referência à realidade, b) quantidade, c) qualidade, d) ...

Ver mais

Cafezinho 457 – Eu não sabia
Cafezinho 457 – Eu não sabia
O jornalista, crítico da mídia e filósofo amador ...

Ver mais

Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Quando você mistura ignorância com arrogância, pitadas ...

Ver mais

Cafezinho 455 – Para pensar direito
Cafezinho 455 – Para pensar direito
George Orwell escreveu: "Se as idéias corrompem a ...

Ver mais

Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
A vida é curta demais pra gente ficar esperando. Mas ...

Ver mais

Rua Augusta

Rua Augusta

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Rua Augusta

 Quem te viu, quem te vê

epois de meses trabalhando em home office, compareci ao Espaço Democrático. Dos vários corredores que levam à região central – Rebouças/Consolação, Augusta, Nove de Julho, Brigadeiro Luiz Antonio, 23 de Maio –, optei pelo trajeto que se configura como um grande retão, que se inicia logo depois da ponte da Cidade Jardim e chega até o Centro. A partir da Rua Estados Unidos, esse retão responde pelo nome de Rua Augusta.

A melancolia foi inevitável. Na minha juventude, a Rua Augusta era a mais elegante e charmosa de São Paulo. Concentrava as melhores lojas, bons cinemas, restaurantes, cafés e lanchonetes, atraindo visitantes de vários bairros da capital e de outras cidades que lá encontravam produtos exclusivos num comércio de primeira categoria.

Fazer compras ou simplesmente passear pela Rua Augusta era sinal de status. Ronnie Cord, um dos integrantes da Jovem Guarda, deu o nome da rua a seu maior hit, na fase em que o grande ídolo Roberto Carlos enaltecia carros, carangos, calhambeques, estradas e velocidade.

Em 1970, era para lá que a população se dirigia para comemorar as vitórias da seleção brasileira na Copa do México, na qual a Seleção Brasileira conquistou o tricampeonato mundial.  No Natal de 1973, a Rua Augusta chegou a ter seu trecho mais badalado acarpetado, a exemplo do que acontecia em famosas ruas londrinas.

Com a chegada dos shopping centers, surgiu uma concorrência cada vez mais ameaçadora, à medida que o crescimento desordenado da cidade trazia consigo problemas de violência e engarrafamentos de trânsito.

Com o tempo, o cenário foi se alterando, e o glamour da velha Rua Augusta foi transferido, num dos seus trechos, às suas alamedas, como a Oscar Freire, que se tornou a rua de comércio mais chique da cidade. Outro trecho, conhecido como Baixo Augusta, transformou-se num dos lugares preferidos por um público alternativo, frequentador de bares, boates, cineclubes e casas de música ao vivo que ali se multiplicavam.

Quem observasse atentamente, percebia certa deterioração, mas, aos trancos e barrancos, o movimento se mantinha. Mas faltava à Rua Augusta uma identidade própria, uma vez que o comércio elegante transferiu-se para os shoppings e o popular concentrou-se em regiões como a da 25 de Março, do Brás e do Bom Retiro.

A pandemia do coronavírus, porém, escancarou a decadência. Em boa parte da extensão da Rua Augusta, uma sequência infindável de portas fechadas domina o cenário em que antes se viam lojas, bares, restaurantes, lanchonetes e galerias.

Torço para que a deterioração não atinja o nível de degradação a que chegaram outras regiões da cidade, que percorreram trajeto semelhante. Passando pela Rua Augusta e imaginando um eventual projeto de recuperação, lembrei de outro hit, este de Chico Buarque, cujo refrão dizia:

Quem te viu, quem te vê
Quem não a conhece não pode mais ver pra crer
Quem jamais a esquece não pode reconhecer.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências musicais

Quem te viu, quem te vê. Letra e música de Chico Buarque. Disponível em https://www.vagalume.com.br/chico-buarque/quem-te-viu-quem-te-ve.html.

Rua Augusta. Letra e música de Ronnie Cord. Disponível em https://www.vagalume.com.br/chico-buarque/quem-te-viu-quem-te-ve.html.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado