s
Iscas Intelectuais
Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Como se proteger da manipulação das mídias
Como se proteger da manipulação das mídias
Descubra o passo a passo para se proteger das mentiras, ...

Ver mais

Café Brasil 774 – Adversário x Inimigo
Café Brasil 774 – Adversário x Inimigo
Publiquei um post em minha página do Facebook, dizendo ...

Ver mais

Café Brasil 773 – Falando sobre nação – Revisitado
Café Brasil 773 – Falando sobre nação – Revisitado
O Brasil é um grande país, que precisa de um povo unido ...

Ver mais

Café Brasil 772 – ComunicaAgro – Live com Tejon
Café Brasil 772 – ComunicaAgro – Live com Tejon
Um dia, descobri que grande parte dos ouvintes do ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Entulho? Só quando convém
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Nestes tempos estranhos, algumas expressões da moda são muito ridículas, reverberadas principalmente pelas redes sociais; as politicamente corretas geralmente são as piores. Mas há outras, como o ...

Ver mais

Conhecendo a história do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Conhecendo a história do Brasil… por meio dos que contaram a história “A história é a justiça imparcial, mas tem a mania de chegar tarde.” Roberto Campos[1] Em artigo intitulado Livros para ...

Ver mais

Tributo a Jaime Lerner
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Tributo a Jaime Lerner Recebi, com enorme tristeza, a notícia do falecimento de Jaime Lerner, ocorrido em Curitiba, dia 27 de maio. Seu trabalho como urbanista é merecedor de reconhecimento tanto ...

Ver mais

Macrotendências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Macrotendências: mudanças em curso  “As mortes totais causadas pelo terrorismo em todo o mundo despencaram 59% desde seu pico em 2014. No Ocidente, a ameaça presente é menos da violência islâmica ...

Ver mais

Cafezinho 395 – Ervas daninhas
Cafezinho 395 – Ervas daninhas
Afinal, em que tipo de solo você acha que brota a ...

Ver mais

Cafezinho 394 – Seu trabalho não nos interessa
Cafezinho 394 – Seu trabalho não nos interessa
Isso é o que eu chamo de “celebrar o fracasso”: ...

Ver mais

Cafezinho 393 – Velhos Ranzinzas
Cafezinho 393 – Velhos Ranzinzas
Se no reino animal é a degeneração física que torna os ...

Ver mais

Cafezinho 392 – Eu vou matar a rainha
Cafezinho 392 – Eu vou matar a rainha
Tem tanta mentira em volta da gente, que acabamos ...

Ver mais

Rua Augusta

Rua Augusta

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Rua Augusta

 Quem te viu, quem te vê

epois de meses trabalhando em home office, compareci ao Espaço Democrático. Dos vários corredores que levam à região central – Rebouças/Consolação, Augusta, Nove de Julho, Brigadeiro Luiz Antonio, 23 de Maio –, optei pelo trajeto que se configura como um grande retão, que se inicia logo depois da ponte da Cidade Jardim e chega até o Centro. A partir da Rua Estados Unidos, esse retão responde pelo nome de Rua Augusta.

A melancolia foi inevitável. Na minha juventude, a Rua Augusta era a mais elegante e charmosa de São Paulo. Concentrava as melhores lojas, bons cinemas, restaurantes, cafés e lanchonetes, atraindo visitantes de vários bairros da capital e de outras cidades que lá encontravam produtos exclusivos num comércio de primeira categoria.

Fazer compras ou simplesmente passear pela Rua Augusta era sinal de status. Ronnie Cord, um dos integrantes da Jovem Guarda, deu o nome da rua a seu maior hit, na fase em que o grande ídolo Roberto Carlos enaltecia carros, carangos, calhambeques, estradas e velocidade.

Em 1970, era para lá que a população se dirigia para comemorar as vitórias da seleção brasileira na Copa do México, na qual a Seleção Brasileira conquistou o tricampeonato mundial.  No Natal de 1973, a Rua Augusta chegou a ter seu trecho mais badalado acarpetado, a exemplo do que acontecia em famosas ruas londrinas.

Com a chegada dos shopping centers, surgiu uma concorrência cada vez mais ameaçadora, à medida que o crescimento desordenado da cidade trazia consigo problemas de violência e engarrafamentos de trânsito.

Com o tempo, o cenário foi se alterando, e o glamour da velha Rua Augusta foi transferido, num dos seus trechos, às suas alamedas, como a Oscar Freire, que se tornou a rua de comércio mais chique da cidade. Outro trecho, conhecido como Baixo Augusta, transformou-se num dos lugares preferidos por um público alternativo, frequentador de bares, boates, cineclubes e casas de música ao vivo que ali se multiplicavam.

Quem observasse atentamente, percebia certa deterioração, mas, aos trancos e barrancos, o movimento se mantinha. Mas faltava à Rua Augusta uma identidade própria, uma vez que o comércio elegante transferiu-se para os shoppings e o popular concentrou-se em regiões como a da 25 de Março, do Brás e do Bom Retiro.

A pandemia do coronavírus, porém, escancarou a decadência. Em boa parte da extensão da Rua Augusta, uma sequência infindável de portas fechadas domina o cenário em que antes se viam lojas, bares, restaurantes, lanchonetes e galerias.

Torço para que a deterioração não atinja o nível de degradação a que chegaram outras regiões da cidade, que percorreram trajeto semelhante. Passando pela Rua Augusta e imaginando um eventual projeto de recuperação, lembrei de outro hit, este de Chico Buarque, cujo refrão dizia:

Quem te viu, quem te vê
Quem não a conhece não pode mais ver pra crer
Quem jamais a esquece não pode reconhecer.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências musicais

Quem te viu, quem te vê. Letra e música de Chico Buarque. Disponível em https://www.vagalume.com.br/chico-buarque/quem-te-viu-quem-te-ve.html.

Rua Augusta. Letra e música de Ronnie Cord. Disponível em https://www.vagalume.com.br/chico-buarque/quem-te-viu-quem-te-ve.html.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado