s
Iscas Intelectuais
Ensaio sobre Palestras e Palestrantes
Ensaio sobre Palestras e Palestrantes
Depois de realizar mais de 1000 palestras no Brasil e ...

Ver mais

Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Senna foi o típico exemplo de que para saber algo, só ...

Ver mais

5o. Sarau Café Brasil
5o. Sarau Café Brasil
Depois da Pandemia, está de volta o #Sarau Café Brasil, ...

Ver mais

Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Coisas que só acontecem quando somos autênticos, quando ...

Ver mais

Café Brasil 822 – Café ao Quadrado
Café Brasil 822 – Café ao Quadrado
Convidei o Christian Gurtner, criador e apresentador do ...

Ver mais

Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
A Pandemia causou prejuízos em todas as esferas de ...

Ver mais

Café Brasil 820 – My Generations
Café Brasil 820 – My Generations
O conflito de gerações está presente desde o princípio ...

Ver mais

Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
E aí? Como é que você tá, hein? Apanhando da vida? Ela ...

Ver mais

LíderCast 235 – Gilberto Lopes
LíderCast 235 – Gilberto Lopes
Hoje a conversa é com Gilberto Lopes, o Giba, que é CEO ...

Ver mais

LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
Hoje o convidado é o Danilo Cavalcante, que se diz ...

Ver mais

LíderCast 233 – Flavia Zülzke
LíderCast 233 – Flavia Zülzke
Flavia Zülzke é Head de Marketing, Branding, ...

Ver mais

LíderCast 232 – Giovanna Mel
LíderCast 232 – Giovanna Mel
Hoje a convidada é Giovanna Mel, comunicadora e ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 7 – Silogismo Simples (parte 1)
Alexandre Gomes
Como mencionado na lição anterior, vamos agora tratar de silogismo – que é o raciocínio mais associado à lógica.   Definição: O silogismo é um ATO DE RACIOCÍNIO pelo qual a mente ...

Ver mais

Ser ou não ser criativo: eis a questão
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ser ou não ser criativo? Eis a questão  “Criatividade é a inteligência se divertindo.” Albert Einstein Nos eventos voltados ao lançamento do livro Economia + Criatividade = Economia Criativa, ...

Ver mais

Diferentes gerações, diferentes traumas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Inflação e crescimento: diferentes gerações, diferentes traumas “Vejo o Brasil como um país que viveria os ideais do crescimento sustentável. É o lugar mais bonito do mundo e integrar o mundo ...

Ver mais

Segura o Tchan
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O Carnaval de 1996 coroou o sucesso da banda de axé É o Tchan/Gera Samba, liderada por Compadre Washington, com a música-chiclete Segura o Tchan. Além da letra – digamos – exótica, a dançarina ...

Ver mais

Cafezinho 491 – Os malabaristas eleitorais
Cafezinho 491 – Os malabaristas eleitorais
Observando a corrida eleitoral, com os malabarismos que ...

Ver mais

Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
A única certeza que podemos ter é que nas questões ...

Ver mais

Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Há muito tempo compreendi que as pessoas apreendem ...

Ver mais

Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Parece que estamos sob um surto psicótico planetário, ...

Ver mais

Segura o Tchan

Segura o Tchan

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O Carnaval de 1996 coroou o sucesso da banda de axé É o Tchan/Gera Samba, liderada por Compadre Washington, com a música-chiclete Segura o Tchan. Além da letra – digamos – exótica, a dançarina Carla Perez chamava a atenção pelos seus – também digamos – atributos coreográficos. O grupo começou despretensiosamente e caiu na graça de todo o Brasil. Mas havia críticas, muitas críticas, que se tornaram pesadas com o passar do tempo.

Acusaram Carla Perez de abusar do erotismo nas coreografias e influenciar negativamente crianças que a imitavam em sua dança, de alegado mau gosto, e seus comentários pouco inteligentes. Tacharam-na de vulgar, ignorante, culpada de usar o corpo (pouco coberto) para ganhar fama e fortuna. Clichê, tornou-se o protótipo da “loura burra”. A elite cultural debochava dela, quando não a agrediam por seu estilo, expondo o corpo de forma exagerada em shows e TV. Paralelamente ao sucesso, a pecha de burra e vulgar marcou-a de forma indelével, merecidamente ou não. Seu “crime” principal seria, em poucas palavras, denegrir a imagem da mulher brasileira, rebolando lascivamente com a bunda de fora. As elites, principalmente as ditas intelectuais, nutriam por ela um misto de desprezo e deboche. Ela representaria a tal “mulher objeto” e, ainda por cima, estúpida.

Como nas fábulas, o tempo passou. E, incrível, a régua moral/intelectual da tal elite também! Atualmente, rebolar seminua de forma exagerada em rede mundial, simulando sexo com vários homens, ao som de uma música péssima, atuando em clip musical de pobreza técnica e mau gosto extremos é – ora vejam só – sucesso completo, razão de aplausos, de elogios rasgados pela atitude de “orgulho feminino” e um emocionado reconhecimento pelo “magnífico” trabalho, pela coragem épica. O ícone dessa nova “visão” das bundas balançantes é Anitta, rica e famosa – e bota rica e famosa nisso. Vista como exemplo vitorioso em todos os sentidos, comparativamente, Anitta faz Carla Perez ostentar um recato digno de freira enclausurada e a cultura de uma literata merecedora de Prêmio Nobel. A jovem carioca abusa sem nenhum limite da exposição do corpo e dá opiniões sobre tudo, de economia a política, com uma ignorância desassombrada. Paradoxalmente, se orgulha de sua própria falta de conhecimento, dizendo bobagens inacreditáveis. Posta vídeos escancarando sua intimidade, a ponto de expor explicitamente a sessão de tatuagem em seus aconchegos mais ocultos, orgulhosa da frase ali estampada (spit first); mas segue inabalável em sua trajetória meteórica, tanto na área musical quanto na financeira. Seu sucesso é tamanho que foi convidada a compor o conselho administrativo do banco do banco digital Nubank em 2021, além de ser atentamente ouvida em uma palestra na universidade de Harvard em 2018, Sim, palestra na premiada universidade. Aplaudida em pé. Anitta é um sucesso absoluto, indiscutível, apesar dos pesares.

Engraçado. Em 1996 não havia o “politicamente correto”, mas subir num palco, seminua, para balançar a bunda por dinheiro, era visto como um ato absolutamente desprezível pelas mesmas pessoas que hoje pretendem erigir uma estátua a Anitta, que faz a mesma coisa um quarto de século depois e é descrita como nada menos do que “fenômeno”, aliada ao império da hipocrisia politicamente-corretista nas mídias. O que foi que mudou? Ou melhor, quem mudou? Quem decidiu que o errado viraria certo e vice-versa?

O filósofo e professor Luís Felipe Pondé tem uma boa explicação para isso em seus livros, sobre uma espécie de personagem sócio-cultural que ele denomina “o inteligentinho”, caricatura do malandraço modernoso hipster que se julga superior aos demais, em toda a abrangência moral e intelectual. Esse tipo se espalha em progressão geométrica pela mídia, sempre utilizando um vocabulário ridículo que inclui “todes”, “empoderamento”, “ressignificação”, “lugar de fala”, “ancestralidade”, “verbalização”, “estado democrático de direito”, “republicano” e outras bobagens pretensamente sofisticadas, sempre com muita “empatia”. Taspariu.

De qualquer forma, seria mais justo esse pessoal pedir desculpas a Carla Peres, que apenas segurava o Tchan. E no quesito rebolância, era imbatível. O que é justo, é justo, mano.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes