s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin

Sempre, sempre Godwin

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os nazistas tende a 100%.”

                        Segundo as hostes vermelhas que infestam a internet, qualquer um que não siga Lula da Silva como seu mestre máximo, o messias demiurgo, o timoneiro do comunismo moreno, é automaticamente carimbado, rotulado, classificado, confirmado e sentenciado como nazista de carteirinha, sem direito a explicações ou recurso, este instrumento tão ao gosto do presidiário mais notório do país.

A coisa é tão simples quanto abrangente: Se o indivíduo votar em qualquer candidato que não seja bafejado por Lula (no bom sentido, pois no mau o cheiro de cachaça deve ser nauseante), é nazista dos mais sádicos. Ponto final. Não é fantástico? Se o candidato não for lulista… é nazista graduado na Gestapo ou nas SS.

Impressionante como a lulada abusa da Lei de Godwin de uma forma piorada; eles nem se dão ao trabalho de argumentar ou explicar como e porque chegaram a essa conclusão. É nazista e ponto. Não sabem definir nazismo ou situá-lo na História mundial, mas isso não significa nada para os impolutos donos da verdade lulista. Magister dixit, como se dizia em latim; o Mestre disse, e acabou; não são necessárias maiores explicações.

O comportamento infantil dessa turba na internet tem causas bastante simples: A primeira é que Hitler e sua gente são (ou foram, como queira), com toda razão, o demônio encarnado, e ninguém nega tais fatos. Some-se a isso o fato do anticomunismo ferrenho do líder nazista e está servido o prato pronto para a lulada. Não importa que a URSS do ídolo comunista Stalin foi sócia e aliada desses monstros de 1939 a 1941, quando dividiram a Polônia, entre outros países, destroçando populações inteiras conjuntamente, numa máquina de moer carne digna de Satã. Também não importa que o próprio Stalin, entre outros genocidas comunistas como Mao Tsé-Tung, Pol Pot, Fidel Castro, Nicolae Ceausescu tenham trucidado muito mais gente que qualquer guerra, cataclisma ou pandemia que tenha se abatido sobre a Humanidade. Afinal, segundo os camaradas, bandidos são os outros, numa releitura imbecil on line de Jean-Paul Sartre. A História foi (é) escrita e “ensinada” em grande parte por adeptos dessa seita de missa negra com tons vermelhos, e ai de quem discordar: É nazista na certa! Daí, temos que Hitler e sua turma são, corretamente, vistos como o horror e a lulada & satélites, automaticamente, anjos de candura. O raciocínio é tão raso que uma formiga atravessaria para o outro lado com água pelas canelas, como diria o grande anticomunista Nélson Rodrigues. Tudo é perdoável se feito em nome da vermelhidão, camaradas. Até matar Celso Daniel.

O lulismo elegeu um inexistente “nazismo” como seu inimigo capital não porque seja uma ideologia podre, completamente errada, assassina; serve sim como contrário, como antípoda, para fazer crer aos desavisados que Lula e sua gangue são santos puros e probos. O nazismo inexiste no Brasil, isso é fato, exceção feita a uma meia dúzia de idiotas que assim se intitulam. Embora se diga contra, a numerosa e gritona extrema esquerda opta por táticas cridas pelo ministro da propaganda do 3º Reich hitlerista, Paul Joseph Goebbels, tal como o golpezinho de repetir uma mentira mil vezes até que ela se torne uma “verdade”. Exemplos? Os delírios sobre Lula condenado sem provas ou sobre Bolsonaro matando todo mundo, ou a volta da ditadura.

O mesmo se dá com o vocábulo “fascista”; a lulada nem ao menos sabe o que é (assim agem crendo ser parte de seu monopólio da razão), onde se originou ou qual é seu nicho histórico, mas digita a palavra para ofender qualquer um que os contrarie minimamente. Agem como fascistas e acusam os outros exatamente disso. Incrível. Seguem pari passu o decálogo de Lenin, camaradas!

O mais hilariante nessa jecaria digital é chamarem Jair Bolsonaro de nazista. Seria o primeiro nazista do mundo a ter apoio entusiástico da nação mais antinazi do Universo: Israel, cujo povo contabiliza 6 milhões deles exterminados pelo nazismo. Os lulistas diriam, à guisa de justificativa calhorda, que Israel hoje é nazista – e ficaria mais uma vez confirmada a Lei de Godwin, por seu próprio enunciado, axiomaticamente.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes