s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Sensibilidade histórica

Sensibilidade histórica

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

“Aqueles que não conseguem se lembrar dos erros do passado estão condenados a repeti-los.”
George Santayana

 

Ponte entre passado, presente e futuro

“Aqueles que não conseguem
se lembrar dos erros do passado
estão condenados a repeti-los.”

George Santayana

A convite da aluna de Relações Internacionais da FAAP, Karina Calandrin, ministrei palestra, juntamente com o senador Eduardo Suplicy, na abertura do Simulado para o Ensino Médio (SiEM 2013), um modelo de simulação voltado a estudantes de ensino médio baseado em acontecimentos históricos.

Refletindo sobre o que falar na abertura, acabei optando por um paralelo entre a História e a minha própria história.

Assim, iniciei contando aos presentes que eu odiava a disciplina História no primário, no ginásio e no colegial, denominações que prevaleciam na minha época.

E por que isso?

Porque a História era pessimamente ensinada. Todas as professoras que tive nessas ocasiões obrigavam os alunos a decorarem nomes, datas e fatos relevantes, sem maior preocupação com a análise das relações de causa e efeito existentes entre eles.

Nesse contexto, só circunstancialmente conseguia me interessar pela matéria. Uma dessas vezes ocorreu quando fui disputar o campeonato mundial de basquete mirim, defendendo a seleção brasileira, em Porto Rico. Fizemos escala, na ida e na volta, na Venezuela, sendo que na volta permanecemos no país por alguns dias, fazendo três jogos contra a seleção local e tendo a oportunidade de visitar alguns pontos turísticos e localidades históricas. Entre elas, a cidade de San Juan de los Morros, a capital do estado de Guárico e, praticamente, a porta de entrada para a zona central do país, onde nos foi narrada a história da independência da Venezuela com destaque para os feitos de Simón Bolívar. No retorno desta viagem, fui obrigado a fazer diversas provas que haviam sido adiadas por conta da ida ao exterior. Em História, estudávamos a independência dos países sul-americanos e na minha prova havia uma pergunta sobre a da Venezuela. Ainda com a memória fresca, dissertei longamente sobre o tema, provocando surpresa na própria professora, que acabou me atribuindo a pontuação máxima na questão.

Depois disso, só passei a me interessar pela disciplina na Faculdade de Economia, quando tive um excelente professor de História Econômica, que me fez compreender o real sentido da História e a extraordinária importância que ela pode ter na nossa própria vida e no entendimento das coisas que acontecem à nossa volta.

Quando, mais tarde, abracei a carreira de professor, concentrei-me nas disciplinas do núcleo histórico do curso de Ciências Econômicas: História Econômica Geral, História do Pensamento Econômico e Formação Econômica do Brasil.

Passei então a enxergar a História como ela deve efetivamente ser entendida, ou seja, como uma ferramenta excepcional para estabelecer conexões entre o passado e o presente e, a partir daí, com as limitações naturais de qualquer previsão, o desenho de cenários futuros. Em outras palavras, uma ponte entre passado, presente e futuro. Uma ponte, porém, repleta de surpresas e de atipicidades.

Isso vale para qualquer área do conhecimento, assim como para a nossa própria vida.

Exatamente por isso é que sou extremamente grato ao esporte, por ter me propiciado oportunidades incríveis de conhecer diversos países numa época em que viajar para o exterior era extremamente difícil, privilégio apenas de pessoas de elevado nível socioeconômico, muito superior ao de minha própria família.

Não tenho a menor dúvida de que, parte de tudo o que alcancei na vida, tanto no plano pessoal como no profissional, deveu-se ao aprendizado obtido nas viagens desse período da minha vida, em que tive a chance de conhecer países então muito pouco conhecidos, tais como Iugoslávia, União Soviética, Finlândia e Suécia, ou mesmo, mais  perto do Brasil, Panamá, Peru e Equador.

O tempo foi passando e o acompanhamento da evolução histórica desses e de outros países que visitei foi extremamente facilitado pelas observações e pelos conhecimentos adquiridos quando neles estive.

No desempenho de minhas funções como professor, tenho procurado sempre que possível lançar mão de textos ou filmes que permitam aos alunos o estabelecimento de relações de causalidade entre acontecimentos de diferentes períodos históricos, mais ou menos extensos.

Ainda no semestre passado, ofereci um curso intitulado O cinema e a redemocratização do Brasil e da América do Sul, preocupado com a desinformação cada vez maior dos alunos sobre acontecimentos relativamente recentes da nossa realidade, mas não vividos diretamente por nenhum deles. Interessante observar que isto ocorreu algumas semanas antes dos movimentos que tiveram lugar nas ruas de diversas partes do Brasil a partir do mês de junho.

Para minha satisfação, recebi diversas mensagens de participantes deste curso, chamando minha atenção para algumas semelhanças entre o que foi visto nos diversos filmes utilizados no curso e as reivindicações dos grupos de manifestantes.

São situações como essas que tornam tão gratificante a vida de um professor. Tenho certeza que ministrando cursos como este ou tendo a oportunidade de falar para estudantes que sacrificam parte de suas férias para participar de uma simulação histórica, estou contribuindo para a formação de futuras lideranças que poderão fazer do Brasil um país muito melhor do que esse que temos hoje.

Uma das lições que se aprende na História é que a evolução não ocorre de forma linear, Sendo assim, não basta saber o que aconteceu de certo e de errado no passado para se ter certeza do que ocorrerá no presente ou no futuro. Seria muito cômodo se fosse assim. Mas, também, absolutamente monótono.

Portanto, deixo como recomendação final a todos que procurem conhecer a História e fazer desse conhecimento uma ferramenta importante para a análise das coisas e das mudanças que acontecem à nossa volta, com velocidades e intensidades muitas vezes surpreendentes.

Se alguém tiver alguma dúvida, sugiro que observe o que aconteceu com a popularidade da presidente da República, e de vários governadores, prefeitos, senadores, deputados e vereadores ao longo dessas últimas semanas.

Faltou – e continua faltando – a muitos deles aquilo que é citado por Galbraith em A era da incerteza como o fator que para Marx distingue os bons dos maus economistas: sensibilidade histórica.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

GALBRAITH, John Kenneth. A era da incerteza. Tradução de F. R. Nickelsen Pellegrini. 6ª ed. São Paulo: Pioneira, 1984.

Referências e indicações webgráficas

MACHADO, Luiz Alberto. O cinema e a redemocratização do Brasil e da América do Sul (curso). Disponível em http://www.faap.br/nucleocultura/cinema_redemocratizacao.html.

SiEM 2013. Disponível em http://www.siemsp.com.br/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado