Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Sentimentos opostos

Sentimentos opostos

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Sentimentos opostos

 

 

Ronald Coase e o Congresso Brasileiro de Economia

 

 

“Se você torturar os dados suficientemente,

eles irão confessar”.

Ronald Coase

 

Nos primeiros dias de setembro passei por dois momentos que me provocaram sentimentos opostos, um de tristeza e um de intensa alegria.

 

A tristeza ficou por conta da noticia do falecimento, no dia 2 de setembro, de um dos mais importantes economistas da segunda metade do século XX. Aos 102 anos, morreu Ronald Coase, ganhador do Prêmio Nobel de Economia de 1991, “por sua descoberta e esclarecimentos quanto à significância dos custos de transação e direitos de propriedade para a estrutura institucional e o funcionamento da economia”.

 

Coase estudou na London School of Economics and Political Science, onde formou-se em comércio. Seu trabalho mais reconhecido foi The Nature of the Firm (A Natureza da Firma), publicado em 1960. Ao emigrar para os Estados Unidos, trabalhou nas universidades de Buffalo, da Virgínia e, desde 1964, de Chicago. Foi também editor da revista Law and Economics.

 

Lamentavelmente, a exemplo do que ocorre com outros economistas não pertencentes Às correntes predominantes nos círculos acadêmicos brasileiros – neoclássicos e keynesianos ou pós-keynesianos – as relevantes contribuições de Ronald Coase têm sido completamente desprezadas pelos professores dos cursos de graduação, o que faz com que a esmagadora maioria dos jovens economistas saia da faculdade ignorando suas relevantes contribuições para a teoria econômica e a evolução do pensamento econômico.

 

No caso de Ronald Coase, em particular, destaco como suas maiores contribuições: numa perspectiva mais ampla, a abordagem enfatizando a estreita relação entre economia e direito, especialmente no tocante ao direito de propriedade; numa perspectiva mais pontual, o enfoque nos custos de transação e nas externalidades. O maior número de referências a ele deve-se, no entanto, ao Teorema de Coase, descrito da seguinte forma no Dicionário de economia do século XXI de Paulo Sandroni:

 

TEOREMA DE COASE. Esse teorema sustenta que as externalidades não provocam a alocação imperfeita de recursos, desde que os custos de transação (para a elaboração de contratos e negociações de acordos) sejam nulos, e os direitos de propriedade, bem definidos e respeitados. Nesse caso, as partes – o produtor e o consumidor da externalidade – teriam um incentivo de mercado para negociar um acordo em benefício mútuo, de tal forma que a externalidade (economias externas) fosse “internalizada”. O teorema estabelece que o resultado desse processo de troca seria o mesmo, qualquer que fosse – o produtor ou o consumidor de externalidade – aquele que possuísse poder de veto ou direito de propriedade de usar ou não o recurso.

 

A alegria ficou por conta do sucesso de XX Congresso Brasileiro de Economia, ocorrido em Manaus. Nele passei por uma das grandes emoções de minha vida, ao ser demoradamente aplaudido por centenas de economistas ao final do minicurso que ministrei sobre Criatividade e Economia Criativa.

 

A par deste momento, o Congresso, que teve por tema geral Economia Verde, Desenvolvimento e Mudanças Econômicas Globais, conseguiu atender plenamente às expectativas de quase aproximadamente mil participantes, com depoimentos brilhantes de grandes pensadores do Brasil e do exterior.

 

Encerro o artigo reproduzindo as principais recomendações contidas na Carta de Manaus, aprovada na Plenária final do Congresso.

 

1- A necessidade de se ter métodos e métricas adequadas para medir o peso material da economia sobre o ambiente, bem como, para mensurar os ativos naturais e suas depreciações;

 

2- A urgência em se ter políticas que estimulem dinâmicas econômicas fundamentadas em insumos renováveis e que estejam em consonância com as iniciativas de grande escala apoiadas ou conduzidas pelas agências multilaterais;

 

3- A imperiosidade das empresas tomarem em conta, como oportunidade estratégica, as demandas por produtos e processos mais sustentáveis continuamente reiterados pela sociedade, formada, cada vez mais, por consumidores conscientes e articulados;

 

4- A demanda por atenção para setores potenciais geradores de riqueza mas também de efeitos nocivos para o ambiente, como soem ser o mineral e o energético, a fim de que a sociedade continue a contar com suas possibilidades produtivas, devidamente fundamentadas em modos de produção mais sustentáveis;

 

5- A necessidade das autoridades públicas brasileiras terem em conta as grandes oportunidades que a economia nacional experimenta, com cenários oportunos para tornar-se desenvolvida e mais justa, porém permeadas de obstáculos como aqueles advindos da insuficiente infraestrutura, da carência educacional em níveis qualificados, da complexidade jurídica para advento e manutenção de empreendimentos privados, do continuo desgaste das representações políticas e outros;

 

6- A urgência de políticas públicas capazes de diminuir as grandes desigualdades entre as regiões, tendo em vista a necessidade de melhorar as condições de vida dos habitantes das mais carentes, como Norte e Nordeste. Nesse sentido, torna-se imperioso fortalecer e aperfeiçoar as dinâmicas econômicas centrais dos estados dessas regiões, como o Polo Industrial de Manaus, o qual, ademais, tem destacado papel na conservação ambiental na Amazônia Ocidental;

 

7- A relevância de se fortalecer e ampliar o papel estratégico do empreendedorismo de todas as formas, especialmente, aquelas focadas em negócios ambientais e tecnológicos, bem como, os que decorrem da chamada economia criativa.

 

Tais questões, distantes de representarem retórica subjetiva de finais de congresso, expressam demandas que requerem consideração em qualquer formulação de rumos estratégicos para o desenvolvimento econômico de base mais sustentável, há muito reclamado pela sociedade brasileira.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto.

 

Referências e indicações bibliográficas

 

COASE, Ronald. The Nature of the Firm: origins, evolution, and development. Edited by Oliver E. Williamson and Sidney G. Winter. New York/Oxford: Oxford University Press, 1993.

 

SANDRONI, Paulo. Dicionário de economia do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2005.

 

Referências e indicações webgráficas

 

CASSIDY, John. Ronald Coase and the misuse of economics. Disponível emhttp://www.newyorker.com/online/blogs/johncassidy/2013/09/ronald-coase-and-the-misuse-of-economics.html.

 

CASTANHO, Manoel. Faleceu o economista Ronald Coase, ganhador do Nobel de 1991. Disponível em http://www.cofecon.org.br/destaques/205-outros-destaques/2773-faleceu-o-economista-ronald-coase-ganhador-do-nobel-de-1991.

 

RONALD H. Coase – Biographical. Disponível em http://www.nobelprize.org/nobel_prizes/economic-sciences/laureates/1991/coase-bio.html.

 

SILVEIRA, Stefano. Ronald Coase: o adeus a um mestre. Disponível emhttp://www.baguete.com.br/artigos/1000/stefano-silveira/12/09/2013/ronald-coase-o-adeus-a-um-mestre.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado