s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Sentimentos opostos

Sentimentos opostos

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Sentimentos opostos

 

 

Ronald Coase e o Congresso Brasileiro de Economia

 

 

“Se você torturar os dados suficientemente,

eles irão confessar”.

Ronald Coase

 

Nos primeiros dias de setembro passei por dois momentos que me provocaram sentimentos opostos, um de tristeza e um de intensa alegria.

 

A tristeza ficou por conta da noticia do falecimento, no dia 2 de setembro, de um dos mais importantes economistas da segunda metade do século XX. Aos 102 anos, morreu Ronald Coase, ganhador do Prêmio Nobel de Economia de 1991, “por sua descoberta e esclarecimentos quanto à significância dos custos de transação e direitos de propriedade para a estrutura institucional e o funcionamento da economia”.

 

Coase estudou na London School of Economics and Political Science, onde formou-se em comércio. Seu trabalho mais reconhecido foi The Nature of the Firm (A Natureza da Firma), publicado em 1960. Ao emigrar para os Estados Unidos, trabalhou nas universidades de Buffalo, da Virgínia e, desde 1964, de Chicago. Foi também editor da revista Law and Economics.

 

Lamentavelmente, a exemplo do que ocorre com outros economistas não pertencentes Às correntes predominantes nos círculos acadêmicos brasileiros – neoclássicos e keynesianos ou pós-keynesianos – as relevantes contribuições de Ronald Coase têm sido completamente desprezadas pelos professores dos cursos de graduação, o que faz com que a esmagadora maioria dos jovens economistas saia da faculdade ignorando suas relevantes contribuições para a teoria econômica e a evolução do pensamento econômico.

 

No caso de Ronald Coase, em particular, destaco como suas maiores contribuições: numa perspectiva mais ampla, a abordagem enfatizando a estreita relação entre economia e direito, especialmente no tocante ao direito de propriedade; numa perspectiva mais pontual, o enfoque nos custos de transação e nas externalidades. O maior número de referências a ele deve-se, no entanto, ao Teorema de Coase, descrito da seguinte forma no Dicionário de economia do século XXI de Paulo Sandroni:

 

TEOREMA DE COASE. Esse teorema sustenta que as externalidades não provocam a alocação imperfeita de recursos, desde que os custos de transação (para a elaboração de contratos e negociações de acordos) sejam nulos, e os direitos de propriedade, bem definidos e respeitados. Nesse caso, as partes – o produtor e o consumidor da externalidade – teriam um incentivo de mercado para negociar um acordo em benefício mútuo, de tal forma que a externalidade (economias externas) fosse “internalizada”. O teorema estabelece que o resultado desse processo de troca seria o mesmo, qualquer que fosse – o produtor ou o consumidor de externalidade – aquele que possuísse poder de veto ou direito de propriedade de usar ou não o recurso.

 

A alegria ficou por conta do sucesso de XX Congresso Brasileiro de Economia, ocorrido em Manaus. Nele passei por uma das grandes emoções de minha vida, ao ser demoradamente aplaudido por centenas de economistas ao final do minicurso que ministrei sobre Criatividade e Economia Criativa.

 

A par deste momento, o Congresso, que teve por tema geral Economia Verde, Desenvolvimento e Mudanças Econômicas Globais, conseguiu atender plenamente às expectativas de quase aproximadamente mil participantes, com depoimentos brilhantes de grandes pensadores do Brasil e do exterior.

 

Encerro o artigo reproduzindo as principais recomendações contidas na Carta de Manaus, aprovada na Plenária final do Congresso.

 

1- A necessidade de se ter métodos e métricas adequadas para medir o peso material da economia sobre o ambiente, bem como, para mensurar os ativos naturais e suas depreciações;

 

2- A urgência em se ter políticas que estimulem dinâmicas econômicas fundamentadas em insumos renováveis e que estejam em consonância com as iniciativas de grande escala apoiadas ou conduzidas pelas agências multilaterais;

 

3- A imperiosidade das empresas tomarem em conta, como oportunidade estratégica, as demandas por produtos e processos mais sustentáveis continuamente reiterados pela sociedade, formada, cada vez mais, por consumidores conscientes e articulados;

 

4- A demanda por atenção para setores potenciais geradores de riqueza mas também de efeitos nocivos para o ambiente, como soem ser o mineral e o energético, a fim de que a sociedade continue a contar com suas possibilidades produtivas, devidamente fundamentadas em modos de produção mais sustentáveis;

 

5- A necessidade das autoridades públicas brasileiras terem em conta as grandes oportunidades que a economia nacional experimenta, com cenários oportunos para tornar-se desenvolvida e mais justa, porém permeadas de obstáculos como aqueles advindos da insuficiente infraestrutura, da carência educacional em níveis qualificados, da complexidade jurídica para advento e manutenção de empreendimentos privados, do continuo desgaste das representações políticas e outros;

 

6- A urgência de políticas públicas capazes de diminuir as grandes desigualdades entre as regiões, tendo em vista a necessidade de melhorar as condições de vida dos habitantes das mais carentes, como Norte e Nordeste. Nesse sentido, torna-se imperioso fortalecer e aperfeiçoar as dinâmicas econômicas centrais dos estados dessas regiões, como o Polo Industrial de Manaus, o qual, ademais, tem destacado papel na conservação ambiental na Amazônia Ocidental;

 

7- A relevância de se fortalecer e ampliar o papel estratégico do empreendedorismo de todas as formas, especialmente, aquelas focadas em negócios ambientais e tecnológicos, bem como, os que decorrem da chamada economia criativa.

 

Tais questões, distantes de representarem retórica subjetiva de finais de congresso, expressam demandas que requerem consideração em qualquer formulação de rumos estratégicos para o desenvolvimento econômico de base mais sustentável, há muito reclamado pela sociedade brasileira.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto.

 

Referências e indicações bibliográficas

 

COASE, Ronald. The Nature of the Firm: origins, evolution, and development. Edited by Oliver E. Williamson and Sidney G. Winter. New York/Oxford: Oxford University Press, 1993.

 

SANDRONI, Paulo. Dicionário de economia do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2005.

 

Referências e indicações webgráficas

 

CASSIDY, John. Ronald Coase and the misuse of economics. Disponível emhttp://www.newyorker.com/online/blogs/johncassidy/2013/09/ronald-coase-and-the-misuse-of-economics.html.

 

CASTANHO, Manoel. Faleceu o economista Ronald Coase, ganhador do Nobel de 1991. Disponível em http://www.cofecon.org.br/destaques/205-outros-destaques/2773-faleceu-o-economista-ronald-coase-ganhador-do-nobel-de-1991.

 

RONALD H. Coase – Biographical. Disponível em http://www.nobelprize.org/nobel_prizes/economic-sciences/laureates/1991/coase-bio.html.

 

SILVEIRA, Stefano. Ronald Coase: o adeus a um mestre. Disponível emhttp://www.baguete.com.br/artigos/1000/stefano-silveira/12/09/2013/ronald-coase-o-adeus-a-um-mestre.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado