s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Shawshank

Shawshank

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

​​​Um Sonho de Liberdade (The Shawshank Redemption, 1994) é um grande filme. Numa de suas antológicas cenas, o preso antigo (personagem de Morgan Freeman) pergunta ao recém-chegado qual foi o crime que ele cometeu; o novato na cadeia (Tim Robbins) diz ser inocente, e que tudo foi uma armação para incriminá-lo. O veterano ri e afirma que então ele estava no lugar certo: Todos naquela prisão eram totalmente inocentes.
​​​Inocente. Essa palavra tem nuances sutis, tanto em inglês quanto em português; pode designar o sujeito que não é culpado pelo crime, como também aquele que não causa mal, que não tem malícia, ingênuo. E é isso que Dilma e seu bando nos garantem a cada minuto: Todos são absolutamente inocentes, em todos os sentidos. Desde o início do mundo, inventado por Lula em 1º de janeiro de 2003, tudo, absolutamente TUDO que aconteceu de bom no Brasil até hoje foi por mérito absoluto dele e de sua fantocha, hoje atuando solo no palco, interpretando a virgem no bordel. E tudo de ruim ocorrido de lá pra cá (ou antes, ou até futuramente), foi, é e será sempre fruto da maldade das elites brancas paulistas de olhos azuis que têm raiva de pobre viajando de avião. Palavras de Lula, sem tirar nem pôr. E olha que ele adora tirar.
​​​Aí aparecem uns episódios muito estranhos, todos ligados entre si, através dos quais bilhões (de R$ 6 bi a R$ 88 bi, dependendo do tipo de estimativa gatunística, modo estatístico genuinamente brasileiro) foram desviados dos cofres públicos para alimentar um plano louco poder eterno, comprando votos do povo nas urnas e dos parlamentares no Congresso. Do original mensalão ao atual petrolão, a serem ultrapassados pelo futuro eletrolão e o não distante BNDESsão, brotou o maior rede de corrupção da História humana. Nada, nenhum crime de espoliação de verbas públicas, desde a invenção do dinheiro (ou da propina, não importa) no século VII a. C., foi tão grande quanto o reinado de terror nas finanças nestes últimos 13 anos. É de fazer turco errar no troco e judeu dar desconto. Impressionante.
​​​Mas, como no filme, todos são inocentes. Nos dois sentidos.
​​​Em 2005, Lula já nos constrangira ao suceder Boris Yeltsin na honra de ser o mandatário mais cachaceiro do mundo, e inventou a frase lapidar de todos os que o rodeiam, apoiam, blindam e sucedem: “Eu não sabia”.
​​​Então tá: Ele não sabia de nada, Dilma não sabia de nada, ninguém daquele circo de horrores sabia de nada. São duplamente inocentes; não fizeram nadinha de errado e são ingênuos de dar dó. E jogam a culpa de sempre nos paulistas loiros e demais monstros impiedosos. Pela ótica de Lula e seu bando de inocentes, nascer em São Paulo já é praticamente um pecado original. Se a moda do coitadismo pegasse no mais rico e populoso estado da federação, ia ser muito engraçado acusar essa gente de racismo, preconceito e etc… como adoram acusar os paulistas; mas vamos em frente que isso é papo pra outro barril.
​​​Partindo do princípio e do silogismo mais calhorda da História da filosofia e da lógica, como Lula e Dilma são puros como um recém nascido, anjos de candura, então alguém deve ser culpado. Ou não? Enfim, parodiando Homer Simpson, aquela espécie de Macunaíma do Norte, “a culpa é minha e ponho em quem eu quiser”. Lula se finge de morto para tentar sodomizar o coveiro, mas Dilma não se aguenta. Está cada vez mais fora da casinha, arengando discursos lunáticos. Depois de barbaridades como a saudação à mandioca, a mulher sapiens e a meta que não deve existir, mas que se deve dobrar, ela encontrou sua antítese: A operação Lava Jato.
​​​Segundo a presidonta, numa reunião ministerial quinta passada, a Lava Jato derrubou o PIB do Brasil em 1 ponto. Segura na mão de Deus e segue: A sujeita quer dizer que toda a roubalheira protagonizada por essa gentinha podre, esse bando de salafrários arrivistas travestidos de defensores do povo, não tem a menor importância; o que pega mal mesmo é investigar. Se todos continuassem roubando, sem essa mania besta de respeitar a lei, tudo estaria ótimo. Mas não; uns e outros têm essa estranha mania de se indignar com a podridão e pedir cadeia para ladrões e corruptos. E a fulaninha tem o desplante de afirmar que roubar não faz mal, mas a investigação desse lixo todo prejudica o País. Merece uma surra de fio desencapado molhado na salmoura. E 93% da população concordam. 67% se habilitam a brandir o fio na lomba da ciclista-populista.
​​​Tá certo que um dos pilares do lulismo e da esquerda de butique é defender o crime e culpar as vítimas, e isso desde 1917, nua prática, e 1867, em teoria. Mas culpar o judiciário (incluindo o STF), a polícia federal, os procuradores de justiça e os advogados dos delatores de terem criado tudo isso pra lesar o Brasil não é só misto de burrice e desonestidade. É puro desespero. A casa tá caindo, dentuça. Se a Papuda encher, a gente arruma umas vagas em Shawshank. Afinal, você é inocente, né?

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes