s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Sobre as desavenças do liberalismo

Sobre as desavenças do liberalismo

Jota Fagner - Origens do Brasil -

O atual liberalismo é a redescoberta tardia de um projeto de tolerância surgido no século XVI, no continente europeu.

 

Na última segunda-feira, dia 17 de abril de 2017, foram lançados dois livros sobre o economista e diplomata, Roberto Campos. Ele estaria, se vivo ainda fosse, comemorando 100 anos de idade. Roberto Campos foi um dos maiores expoentes do liberalismo do País.

A primeira dessas obras, Lanterna na proa, foi organizado por Paulo Rabelo e Ives Gandra da Silva Martins; o segundo, O homem que pensou o Brasil, teve como organizador Paulo Roberto de Almeida. Os dois livros se complementam e são leitura indispensável para quem quer entender o desenvolvimento das ideias no Brasil no último século.

Roberto Campos era contra o estatismo, o protecionismo e o populismo. É dele a frase: “A primeira coisa a fazer no Brasil é abandonar a chupeta das utopias em favor da bigorna do realismo”.

Aproveito a oportunidade para fazer algumas observações sobre o liberalismo. Os amigos mais próximos sabem que sempre defendi alguns valores liberais, como a economia de mercado e a tolerância na convivência. Não que a ideia de tolerância tenha começado com o liberalismo. Na Índia budista, na antiga Alexandria, entre os otomanos e os mouros, na antiga sociedade romana, religiões diferentes coexistiram por longos períodos de paz. No entanto, o ideal de uma vida comum que não está baseada em crenças comuns é uma herança liberal.

De qualquer modo, não defendo o liberalismo como ideia perfeita, longe disso. Tenho plena consciência de que, também aqui, existem os fanáticos empunhando certas ideias com ardor religioso. Além do mais, todo idealismo tem um toque dogmático. Mas existem divergências dentro da própria corrente.

O liberalismo sempre teve duas faces. De um lado, a busca por uma forma de vida ideal, travestida de tolerância. Na outra vertente, a tentativa de encontrar modos de viver em paz no meio de diferentes modos de vida. Não sei se você percebeu, mas são ideias antagônicas. E essa não é a única contradição. Grosso modo, o liberalismo pode ser dividido em dois grupos:

  • O primeiro deles busca a melhor forma para a aplicação de princípios universais, uma receita para um regime universal. Seus principais representantes seriam John Locke, Immanuel Kant, John Rawls e, em certa medida, Friedrich A. Hayek.
  • O segundo procura meios para a coexistência pacífica, um projeto de coexistência. Seus principais representantes seriam Thomas Hobbes, David Hume, Isaiah Berlim, Michael Oakeshott.

No caso de existir um modelo universal que possa ser aplicado, a própria ideia de tolerância estaria ameaçada. E é preciso lembrar que as sociedades atuais são profundamente mais complexas, mais diferenciadas do que aquelas em que o liberalismo nasceu. Além do mais, a experiência nos mostra que os conflitos pessoais e sociais não podem ser evitados, já que os seres humanos sempre terão razão para viver diferenciadamente.

Tomemos dois casos práticos como exemplo:

  • Locke compreendia a tolerância como um modo de levar as pessoas para a única religião que ele acreditava ser verdadeira. Mas essa mesma tolerância, dentro daquilo que ele compreendia, não poderia ser estendida aos ateus ou aos católicos, porque ele não tinha certeza de que a simples persuasão os guiaria para aquele credo;
  • Hobbes, por sua vez, via a tolerância como um projeto de entendimento. Ele não se importava com a crença que o indivíduo pudesse ter, apenas via a tolerância como uma ferramenta para manter a paz. A finalidade da tolerância, desse ponto de vista, seria a coexistência e não o consenso.

Ficou claro? A realidade é muito mais complexa do que supõe algumas ideologias. As pessoas sempre terão motivos válidos para viver de formas diferenciadas. Nem sempre é possível chegar a um consenso. Respostas simples com apelo populista estão muito mais próximas de esquemas religiosos do que da ciência em si.

De qualquer forma, recomendo os dois livros sobre o Roberto Campos. Conhecimento nunca é demais.

 

José Fagner Alves Santos

Ver Todos os artigos de Jota Fagner