s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Sorte? Jura?

Sorte? Jura?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Chamam a atenção frases do tipo… “Não me inveje, trabalhe!”. Costuma enfeitar vidros traseiros e para-choques de caminhão. E o motivo é simples: Pode não decorar um luxuosíssimo Bugatti Veyron ou um Rolls Royce, mas demonstra o orgulho que o dono do veículo sente, por conseguir comprá-lo com o suor do seu rosto. Ou seja, a merecida alegria de vencer pelo esforço próprio.

Luis Fernando Verissimo não concorda. Para ele, não existe esforço pessoal. Tudo, em sua visão de esquerdista neófito (virou socialista de carteirinha após o regime militar), decorre apenas e tão somente de um elemento, digamos, metafísico: A sorte.

Seu artigo foi publicado semana passada: http://noblat.oglobo.globo.com/cronicas/noticia/2017/09/paroquialismo.html

Vamos analisar o bagulho: se deu pra entender, é crítica tosca aos países ricos e uma ode à tal “sorte”, que ele prega ser um mecanismo proativo independente de sucesso, seja pessoal ou coletivo; quer dizer que, segundo a óptica vitimista-coitadista-politicamente correta, quem nasceu em país rico tem apenas “sorte” – e quem nasceu num país pobre sofreria apenas de “azar”?

Dirão os apressadinhos de sempre que esse não é o único assunto do texto; é verdade, mas é a pedra angular do raciocínio que ele denomina de paroquialismo; mais um nome vitimista, pelo qual a esquerda tacanha determina que quem venceu através de seu trabalho tem a obrigação de dividir com algum “oprimido” o fruto desse esforço pessoal. Alegarão também que é simplismo negar essa teoria. Não, não é.

Os venezuelanos, em geral, não têm culpa da ditadura ali reinante Em geral, claro; afinal, caíram – de novo, meu Jesus – no canto das sereias stalinistas e começaram elegendo aquela corja imunda. Deu no que deu, e aqui não foi muito diferente. Ao menos acordamos mais rápido desse pesadelo recorrente. E isso, por acaso, nos obriga a acolher centenas de milhares de refugiados de lá? Não, e não tem conversinha mole que explique esse raciocínio ridículo. O povo venezuelano deve resolver suas pinimbas e colocar Nicolás Maduro na cadeia, em lugar de nos tratar como rota e destino de fuga, enquanto ignoram seu subsolo absolutamente riquíssimo que o destino lhes presenteou, esse sim, por pura sorte.

O mesmo vale para outros refugiados, sejam asiáticos ou africanos: É simplesmente impossível transferir milhões deles para a Europa, vestindo-os, alimentado-os, fornecendo emprego, moradia, transporte e sei lá mais o quê que esse autor chama de justiça, pregando o fim do tal “paroquialismo”. Tenha dó.

Ou seja: Os sírios estão em guerra civil, fruto de uma ditadura sanguinária apoiada pelos russos, e os suecos têm de pagar o pato? Essa é a “lógica” do texto e dos discursos vitimistas-coitadistas?

A Líbia (igualmente riquíssima em petróleo, também por sorte, e não por esforço) transformou-se em terra de ninguém, e os espanhóis e italianos têm “obrigação” de acolher milhões de refugiados? Isso é ridículo. Dividir a riqueza dessa forma empobrece a todos; tanto os que a construíram quanto os que dela desfrutam sem contribuir com um único centavo – fora a injustiça explícita no caso. A solução é criar novas riquezas autóctones, e isso não é tão difícil, desde que o povo “oprimido” faça sua parte – e aí ninguém gosta muito da ideia de pegar no pesado e lutar pelos seus direitos. É mais fácil “exigir seus direitos” dos noruegueses ou canadenses, botando neles a culpa pela exploração dos povos ou outra ladainha qualquer que mantenha vivo o coitadismo esquerdista.

Novamente aos nervosinhos: Ninguém está culpando imigrantes honestos ou refugiados que tiveram sua vida destruída pelo terror dos massacres e bombardeios, mas sim dessa posição convenientemente cafajeste de impor aos ocidentais a culpa pelas desgraças do mundo.

Engraçado: Países que apoiam ditaduras (ou estas próprias) também jogam nas costas dos americanos-alemães-ingleses e demais “culpados” toda a conta da desgraça humana, embora os próprios muçulmanos, que abominam cristãos, adorem fugir justamente para países que abraçam o cristianismo, podres, decadentes e cheios de pecado. Uma sugestão é a Arábia Saudita: Riquíssima, muçulmana e com muito espaço. Boa viagem, e que Alá os acompanhe. Caso prefiram algo mais mundano, Rússia e China estão (ou deveriam estar) às ordens, de braços abertos, camaradas.

Pra quem discorda, sempre há destinos mais gloriosos, cheios de ternura, paz, liberdade, fartura e muita alegria: Cuba ou Coreia do Norte. Seus admiradores as definem como o paraíso na Terra. Mas não; os tais refugiados, sempre muito bobos, preferem a miséria, a fome e os pecados de Paris. Vá entender. Estranhamente, nossa esquerda também, e quanto mais radical, mais adora o vil dinheiro.

Ironias à parte, a pobreza do mundo só diminuirá significativamente quando o coitadismo esquerdista neurótico desaparecer, banindo de vez esse discurso cretino de “imperialismo”, “exploração dos ricos pelos pobres” e outras asneiras criadas por gente que acredita ser a economia mundial um jogo de soma zero, no qual um país só enriquece se roubar de outro, mais fraco. É de uma burrice incomportável. Basta lembrar que a maior latifundiária do Brasil é a Funai, enquanto os pobres índios morrem desnutridos. É o fim do mundo.

Veríssimo não se emenda, e não se emendará nunca; uma semana depois desse texto, escreveu outro, dizendo que o Brasil passa por um tal “neonazismo”, explicitado em recentes manifestações de grupos conservadores que desaprovam a pedofilia. Muito interessante, até pitoresco, chamar isso de “neonazismo”.

Bom lembrar que quem ajudou (e muito) a fortalecer o nazismo foi o comunismo soviético, sócio e aliado de Hitler no período 1939/1941, através do pacto Ribbentrop-Molotov. Metade da desgraça nazista, ou “neo”, é obra dos comunistas que transferem a culpa aos inocentes honestos que ralam pra botar comida na mesa sem nenhuma boquinha em estatal ou sindicato.

É por isso que qualquer caminhoneiro adepto da frase “Não me inveje, trabalhe!”, vale duzentas vezes mais que um sujeito que não faz nada pelo próximo, mas escreve que alguém tem de fazer.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes