Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Sou diferente qual é o problema?

Sou diferente qual é o problema?

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Palestra proferida em alusão ao dia internacional do portador de deficiência, no dia 03/12/2014 no CRER – Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo Goiânia GO

Inicio este pequeno texto questionando quem é normal? De que se constitui esta categoria que delimita as pessoas ditas normais? O que lhes legitima o direito, em pleno jogo social de subjulgar quem não pertence a seu grupo? O que destina valoração entre melhores ou piores?

Por qual motivo em nossa sociedade ocorre a visão de que em diferença existe sempre o pior? Isto estaria ligado a nossa realidade de país subdesenvolvido?

A estruturação da era moderna e durante toda revolução industrial atribuiu ao ser humano “ideal” os atributos de uma convencionalidade na qual o indivíduo foi posicionado como agente de produção, tema bem delimitado por Marx. O valor atribuído a capacidade produtiva em tempo e espaço determinado.

Você vale quanto produz. Toda era moderna traçou dentro da ideia de consumismo e mercado este ideal ligado a capacidade de produção. Os “normais” eram as pessoas que podiam viver nesta curva de normalidade pré determinada. Os que não se encaixam neste preceito… questionáveis.

Ser deficiente nesta empreita social é presentificar o estado de ser diferente com rupturas significativas de produção, estética, cognição, comunicação, locomoção. E isto é um fator complicador a proporção que em sociedade o deficiente é visto como alguém que vai poder ser ajustado aos padrões de convencionalidade, que raros compreendem como são desenvolvidos. Assim é normal pensar em ajustar, padronizar, tornar igual o que por natureza é diferente. Mas com qual finalidade? Os normais tem tanta graça assim? São mais felizes? Produzem mais e melhor que os outros normais de outro país?

Hoje temos no Brasil mais de 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, em sua maior parte com dificuldade para trabalho, educação, convívio social. As deficiências caracterizam o Brasil em condição de subdesenvolvimento. Mas qual foi a melhoria real conquistada e proposta para as pessoas com deficiência? O que o estado brasileiro fez nestas últimas décadas?

Enquanto se pensar no deficiente como pessoa ajustável aos subjetivos padrões de tédio de normalidade, vamos assistir a um genuíno caos em um sistema isento de funcionalidade. É necessário pensar em projetos de apropriação de capacidades dentro de um sistema  que valide diferenças. Porém isto não existe em nosso sistema educacional bancário, e menos ainda em nossa vida social. Por isto findo questionando: pra que mesmo necessitamos de mais pessoas normais?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima