s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Todas mesmo?

Todas mesmo?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Levado pelos ventos da modinha do movimento americano Me too, nascido da hipocrisia e do revanchismo de gente (genta, Dilma?) que não admite seu passado arrivista e joga para a plateia enquanto conta seus milhões no banco, o extremo-feminismo desembarcou no Brasil com tudo, encontrando terreno fértil em cabeças que pouco raciocinam – no máximos repetem frases feitas como “ninguém larga a mão de ninguém” ou “mexeu com uma mexeu com todas”. Então tá.

O mais engraçado nesse feminazismo de gentas que só berram é que frases repercutidas valem só como grito de guerra e de ocasião, jamais como lema a ser seguido; se o fosse, muito mais gentos apoiariam as gentas feministas. O Dilmês não é sensacional?

O grande problema das feminazi espalhadas por aí (não confundir com as verdadeiras feministas, por favor) é que elas estão irremediavelmente, umbilicalmente ligadas à esquerda radical, esse tumor quase incurável. O resultado dessa união malévola só poderia ser o mesmo de tantos outros movimentos de ocasião, que não protegem ninguém, a não ser seus seguidores cegos, e não visam a nada, a não ser lacrar nas redes e promover o socialismo. Exemplos? Peraí, exemplos não; provas:

Petra Costa, a maior Pinóquia do cinema, alardeou seu “documentário” de mentira, sendo obviamente descascada por qualquer pessoa que tenha um QI acima do número de seu sapato; as feminazi responderam com a eterna cantilena do “machismo”, “sexismo”, sem apresentar um único argumento que não fosse o berro. Petra não foi criticada por ser mulher, mas por ser produtora de ficção, uma militante lulista cega disfarçada de documentarista.

Há poucos dias, uma repórter da Folha de São Paulo foi tratada com uma falta de educação inacreditável pelo 02, 01, 03, sei lá qual filho maluco do Bolsonaro, e por um dos depoentes na CPI das fake news. As feminazi, com razão, botaram a boca no mundo. Os jornais, então, trataram o caso, uma imundície que não deveria passar disso, como a queima na fogueira da última Joana D’Arc do jornalismo brasileiro. Não fosse o exagero da reação, estariam certíssimos. Ninguém deve ser alvo de comentários degradantes, seja homem, mulher, uma das 43 alegadas identidades de gênero ou um diabo da tasmânia.

Porém, como lembra sempre o comediante Danilo Gentili, o que importa para as feminazi, mera massa de manobra da esquerda, não é O QUE é dito, mas sim QUEM diz. Trocando em miúdos, elas só defendem quem faz parte do clubinho oportunista. Quem não faz, pode ser apedrejada à vontade… principalmente se for mulher “inimiga”. Aí não é mulher – nunca! Nem mesmo um prosaico ser humano.

Tome-se o exemplo de uma das mais odiadas pelas feminazi: A ministra Damares Alves. Riram dela, com toques de sadismo e piadinhas imundas, quando admitiu ter sido abusada sexualmente quando criança. Um horror, uma tragédia para qualquer mulher; menos para ela. Para as feminazi, foi bem feito; afinal, ela é “fascista”, e fascista não é gente. Que se dane. Não por acaso, era exatamente o lema (seguido fielmente), por Josef Stalin, um dos maiores genocidas da História.

Idem quanto ao caso de Regina Duarte: O “crime” dela foi dizer, em 2002, que tinha medo da vitória do partido de Lula. O tempo, esse inexorável senhor, mostrou que ela tinha razão no que disse. Mas ali nasceu o ódio da lulada sobre ela, esse ódio cego, doentio, que os lulistas praticam, mas debitam a todos que não são como eles.

Pois bem: Ao aceitar (ao menos até agora) o comando da Secretaria de Cultura do governo Bolsonaro, Regina passou a ser tratada como um demônio a ser agredido fortemente. Ela não disse nada errado, não cometeu nenhuma asneira, não destratou ninguém. Apenas aceitou o convite. Foi o bastante para que uma chuva de detritos digitais/midiáticos caísse sobre ela, xingando-a, pedindo sua morte, linchamento, etc. Isso tudo vindo da “amorosa” esquerda radical brasileira… aquela que prega a união de todos, a paz e o entendimento. Aham.

Abre para os comentários simplesmente asquerosos que José de Abreu, o cuspidor, péssimo ator que não tem nenhum respeito pelo próximo (nem pelo distante), teceu sobre Regina Duarte: Entre outras coisas imundas, alegou (!?) que o fato de ter vagina não faz dela uma mulher. Portanto, não “sendo” ela uma mulher, contra ela pode tudo. Aduziu que fascista (na visão dele, todo mundo é fascista se não beijar, todas as noites, um santinho de Lula) tem de ser tratado no cuspe, entre outras barbaridades. Novamente, nenhum pio das ditas feministas, nem as mais suaves. Zero. Nada. Um silêncio ensurdecedor. Apenas mais uma prova, entre outras centenas.

E a comediante Dani Calabresa, que denunciou (entre outras) os assédios sexuais do colega Marcius Melhem? Nenhuma Marquezine, nenhuma Linzmeyer, nenhuma Manuela D’Ávila para defendê-la? Cadê o lema do “mexeu com todas”?

Ou seja: Gentili tem razão no que diz. Não só a desonestidade ideológica, mas a falsidade de intenções e o puro oportunismo reinam soberanos por trás do disfarce dessas “defensoras” das mulheres. Mudando a famosa frase atribuída a Martin Luther King, não sei se me assusto mais com o grito dos maus ou com o silêncio dos oportunistas.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes