s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Todos iguais. SQN

Todos iguais. SQN

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A atual crise, com a delação dos famigerados irmãos Joesley e Wesley Batista, tem causado reações estranhas da nobre plateia; há mais fervura nas torcidas contra (e a favor do quanto-pior-melhor lulista) do que nos acusados. Mas qual a razão? Masoquismo?

Os lulistas, mortadelas crônicos, comemoram os tropeços de Temer e Aécio como se fosse uma vitória de seu time. E como se as delações dos donos (donos? Aham, sei) da JBS também não os atingisse mortalmente – se é que ainda há alguma vida político-partidária nessa gente. Não esqueçam que Guido Mantega, Antônio Palocci e outros foram delatados na mesma operação, homologada pelo STF. E outras partes da delação da dupla virão à tona nos próximos dias.

Há apenas 48 horas, a Rede Globo era golpista e aliada à zelite maldosa, impixi era górpi, delator não merecia crédito, presidente não podia ser grampeado, o STF trabalha para o imperialismo duzamericanu, a Lava Jato fora criada exclusivamente para prender Lula, e todas as delações eram forçadas, com torturas medievais, com esse único fim. Parecia historinha de bruxa má.

Pois é; o mundo gira, a lusitana roda, e hoje a Lava Jato é louvada pelos mortadelas, impixi é solução salomônica, delator é fonte de verdade incontestável, gravar presidente da República é tão normal quanto chupar um Chicabon, o STF é maravilhoso, e a lulada manda todo mundo assistir o Jornal Nacional como fonte fidedigna de informação. Coerência é isso aí. E dá-lhe rojão com o balança-mas-não-cai de Temer e o desespero de Aécio.

Sobre estes: Ninguém vai sair às ruas para defendê-los. Nenhum coxinha, nenhum dos que pediram a saída de Dilma, ninguém que espera ansiosamente a prisão de Lula, vai defender quem quer que seja. E o motivo é de uma simplicidade acaciana: Lugar de bandido é fora do governo e dentro da cadeia. Temer, Aécio, sua irmã Andréa, enfim… todo criminoso deve responder por seus atos. De preferência na cadeia.

Quando a casa de Dilma começou a cair, a lulada correu a aplicar uma de suas mais conhecidas manobras – leninismo puro: Polarizar a disputa, querendo fazer crer que quem não apoiava Wanda-Janete-Iolanda era automaticamente um demônio pró Eduardo Cunha e fã de Temer. Isso nunca aconteceu. Nenhum dos chamados coxinhas ou paneleiros (com muita honra, sim senhor) foi às ruas defender Temer ou Aécio. Foram às ruas exigir decência no trato da coisa pública, no comando do País. Todos (ao menos os que não são crédulos crônicos, nem enxergam em Lula um deus ex machina) desejavam honestidade. Os manifestantes de então não tinham bandido de estimação, como têm os manifestantes de agora, ungidos pela missa negra do lulismo. Esses querem Aécio crucificado, Temer esquartejado, e Lula num altar. É nojento, é inacreditável, é de deixar psiquiatra babando dentro de uma camisa de força.

Quem votou em Aécio para presidente quer o assunto esclarecido e, se for culpado, vá para a cadeia. Quem elegeu Temer foram os mesmos que elegeram Wanda-Janete-Iolanda-Dilma. Quem votou em Dilma não pede seu retorno à presidência, embora reafirmem o “golpismo” (oh!) no impeachment – até fanatismo tem limite, quem diria… Notem que quem grita “Fora Temer” não tem coragem de gritar “Volta Dilma”, tamanha a desgraça que esta pariu; mas tem a audácia, a cara de pau de jurar que a mamulenga e seu criador são inocentes como crianças recém-batizadas.

Fora Aécio, fora Temer, fora qualquer um que saqueie a Nação, por muito ou por pouco. Sem esquecer os que mais saquearam, transformando o roubo num esporte, num hobby, num meio de vida e numa forma de se manter no poder como fez a seita lulista, que se diverte com a queda dos adversários, não importando quanto isso custe ao Brasil.

Ria bastante Lula. Enquanto você pode.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes