s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Tolerância? Jura?

Tolerância? Jura?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo.

Antes que algum mefistofélico se adiante, bom deixar claro que a tolerância é desejada, necessária, correta, imprescindível. Ruim é usá-la como intimidação. Tolerância faz parte da convivência humana, não significa autorização para uma ditadura do pensamento ou do comportamento. E é exatamente para isso que tem sido utilizada, com boa dose de manipulação disfarçada de boas intenções; aquelas mesmas, das quais o ditado diz abundarem nas profundezas dos quintos. Tolerar, demonstrar boa vontade com seu diferente – ou seu oposto – é demonstração de humanidade. Alegar respeito fictício para impor a própria visão é sujeira – e da grossa, utilizada para alcançar mais prazer, poder ou dinheiro; enfim, o velho trio que move a humanidade desde que a conhecida dupla de comedores de maçã emigrou do Paraíso.

A esquerda, por exemplo, pretende ser libertadora de todos os males do mundo, e rotula qualquer outro que não radicalmente socialista, como “fascista”, entre outros mimos. No Brasil, até mesmo partidos de centro esquerda como o PSDB são tachados de “extrema direita”. Impressionante: Não só inexiste extrema direita no Brasil (a não ser alguns gatos pingados, mais dementes que partidários), como praticamente todos os partidos têm uma queda indiscutível pelo populismo esquerdista, onipresente desde o surgimento dessa pseudo-religião messiânica.

Discute-se nas redes sociais, nos grupos de jornalistas socialistas, nas rodas botequeiras guevaristas, nas universidades públicas coalhadas de marxistas de todos os matizes (as tribos são tão distintas entre si que nem uma procissão de etnólogos com pós-doutorado em sociologia e antropologia política poderia classificá-los em organograma) uma tal “onda conservadora” que estaria “invadindo” o Brasil, creditando esse “fato” à burrice, à ingratidão (!), à maldita classe média (palavras da comunista Marilena Chauí), e a tudo que existe de ruim no mundo. Como se não houvesse progresso fora da esquerda, denominam-se “progressistas”; ocorre justamente o contrário, comprovado pela História mundial. Os demais são “conservadores”, de antemão julgados e condenados por apoiar ou minimamente simpatizar com a direita ou centro-direita, como monstros incorrigíveis. Traduzindo: Tolerância só a favor deles. Qualquer um que não comungue da cartilha merece a morte, no mínimo. Taí a mão única e a proibição de pensamento diverso.

Vem cá: É errado, é pecado, é feio, é crime um cidadão cansar da esquerda nacional – ou mesmo mundial, como a venezuelana, que destruiu o vizinho antes rico, e hoje exporta miseráveis para Roraima? Nem cabe aqui elencar o desastre desencadeado por essa religião dogmática, travestida de doutrina político-econômica via carimbados partidos políticos dependurados no vício do dinheiro estatal. Mas que ao menos fosse realmente tolerante, não apenas em discursos vazios. Para o membro da seita, qualquer um que não abrace sua religião de deuses cubânicos declarando paixão ilimitada é, “evidentemente”, um boçal-racista-retrógrado-demente, assassino de pobres e fã ardoroso de Bolsonaro. Bom, não é verdade. Algumas pessoas (muitas, milhões), têm bons princípios, são trabalhadoras, honestas, e não gostam da esquerda. Simples assim. Aceitar isso é ser tolerante. O resto é conversa mole pra arregimentar seguidores fanáticos que se consideram acima do bem e do mal.

Outra coisa: Deviam entender que se tal “onda” existe de fato, o motivo principal (talvez único) é exatamente fruto dos desmandos da esquerda nos últimos anos, aliados a uma soberba inacreditável. Se Marilena chama a classe média de “maldita”, é louvada como “tolerante”. Se Bolsonaro pede pena de morte para estupradores, é xingado de “assassino”. Muito bacana essa régua da esquerda.

Lembrete: Bolsonaro é doido, não resta dúvida. Mas muitos dos que o criticam estão atrás das grades, e muitos outros estão prestes a acompanhá-los. Isso aumenta a gama de eleitores daquele, e xingar não adianta, além de ser desrespeitoso. Por outro lado, milhões votarão nele não porque o admiram, mas porque fogem de uma esquerda desastrosa. Esse potencial eleitor de Bolsonaro pode não saber exatamente o que quer, mas sabe exatamente o que não quer. Votará na opção, para ele, menos ruim. Reação normal dos eleitores acuados pela agressividade real vinda da “tolerância” ficta.

Novamente os “tolerantes”: É curioso como gritam quando lhes falta o vil metal, e não quando falta aos pobres. Taí a desvirtuada Lei Rouanet que não os deixa mentir. Deviam viver o que pregam, de forma franciscana (ou cubana, vá lá). É estranho defender a esquerda e nadar nos podres dólares capitalistas, teclando freneticamente num americaníssimo i-Phone, de última geração, palavras de ordem guevaristas-sakamóticas-caetânicas no ianque Facebook. Ou como enxovalham o judiciário quando um deles vai pra cadeia, ao passo que se um “fascista” é preso, é justiça divina, camaradas. Melhor nem lembrar que muitos desses “fascistas” eram aliadíssimos aos “progressistas” até outro dia, de Sarney a Calheiros, passando por Geddel e Barbalho. Falando nisso, o capitalismo, ou mesmo a direita, nunca se julgou professor(a) de Deus nem solução para todas as mazelas. Já os outros, ditos “tolerantes”… tsk, tsk.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes