s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Trágico e engraçado

Trágico e engraçado

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A expressão é velha; óbvia, clichê, deve ser evitada a todo custo por qualquer um que caminhe pelo mundo das letras: O famoso “seria engraçado se não fosse trágico”. Porém, há túnel no começo da luz; os politicamente corretos inovaram nesse quesito, criando uma nova vertente, unindo o trágico e o engraçado. A coexistência desses dois pólos declaradamente antagônicos só poderia mesmo ocorrer nesse ridículo mundo paralelo fundado e alimentado por pensamento raso, simplista, dos torturadores da realidade e escravos da esquerda arrivista.

Mas como um fato pode ser tragicômico nesse hospício? Quando um de seus arautos é atacado pelos supostos aliados. Sim, pois no politicamente correto ninguém é amigo de ninguém; qualquer deslize no cipoal de regras dementes que rege essa insânia imediatamente é canibalizado pelos seus pares, sem dó ou piedade.

Emblemático é o caso do ator global Bruno Gagliasso; bonito, rico, bem sucedido, militante do politicamente correto, principalmente no que essa gente insiste em chamar de discussão de gênero, denunciando ódio aos gays e às mulheres, posando de herói e defensor de classes ditas “de gênero”. Recentemente descobriram alguns posts antigos dele em redes sociais com piadas homofóbicas, lesbofóbicas (essa é nova, mas o politicamente correto é rei em rótulos), e humilhando mulheres feias (opa, desprovidas de beleza; ou seriam piadas feiofóbicas?), como ficou fartamente registrado  https://f5.folha.uol.com.br/celebridades/2018/07/apos-criticar-racismo-bruno-gagliasso-tem-posts-antigos-divulgados-e-responde.shtml

Resultado: Gagliasso virou leproso. Empresas que o contratavam para divulgar seus produtos passaram a evitá-lo. O Banco Itaú cancelou sua campanha protagonizada por ele. A Prefeitura do Rio fingiu não o conhecer, entre vários patrocinadores de peso. O mais ridículo/engraçado de tudo é que as piadas podem não ser boas, mas também não são ofensivas a ponto de gerar toda essa celeuma idiota – mas esse é o meio de vida dessa gente que respira polêmica insana, inventada para alicerçar o vitimismo. Mas, como diria o sábio Tancredo Neves, “a esperteza, quando é muita, come o dono.” Gagliasso descobriu isso empiricamente.

                        A atriz italiana Asia Argento conseguiu pisar numa jaca muito maior e mais fedida: Sendo precursora do #MeToo, “denunciou” um produtor de Hollywood que “assediou” “estuprou” atrizes que, na verdade, trocavam sexo consentido por bons papéis no cinema; a coisa logo se revelou uma caça às bruxas – ou ao bruxo – uma vez que alguns desses relacionamentos duraram anos, com troca de e-mails picantes, juras de amor e saudade, e as outrora dadivosas damas lucraram muito vendendo sexo, agora se fazendo de vítimas chorosas – e ricas. Abordamos essa farsa aqui: http://portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/mulheres-de-verdade

Pois não é que, ironia das ironias, Asia foi descoberta, enquanto se travestia de Joana D’Arc das pobres mulheres indefesas, fazendo um acordo milionário para calar a boca de um menor com o qual ela fez sexo? Isso mesmo; a cara de pau foi processada por assédio moral e sexual ao consumar sexo com um menor de 18 anos na Califórnia, onde isso é crime. Atenção: crime. Pagou 380 mil dólares pro moleque calar a boca e continuou fazendo tipo de feminista impoluta. Desmascarada, a Falsiane gringa foi rejeitada por suas próprias colegas feminazi, perdeu uma série de trabalhos e choraminga por não serem “justos” com ela, nem escutarem sua “explicação”; ora, ela nunca permitiu que vítimas do #MeToo se explicassem! Está provando do próprio veneno. A história toda foi relatada em artigo magistral de Vilma Gryzinski: https://veja.abril.com.br/blog/mundialista/festival-de-taras-mulheres-acusadas-de-abuso-fazem-sua-parte

Resumo da ópera: Mesmo radical na modinha, sempre há alguém mais radical que você. Outra coisa: Posar de perfeitinho não dá certo, Bruno. Todo mundo erra, ninguém é santo, não adianta se disfarçar de estandarte da pureza mundial; você parece ser um rapaz decente, gente boa… ouça sempre o outro lado, e sem exagero no bom-mocismo jeca. Muitas vezes uma piada besta é apenas isso – uma piada besta, nada mais. Para Asia Argento, italiana radicada nos EUA, que, espera-se, aprenda a lição, dois recados especiais: the cunning, when it is too much, eats the owner. Ou… l’astuzia, quando è troppo, mangia il proprietario. Chupa, Falsiane. Vigarista. Pilantra.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes