s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – DIMENSÕES LÓGICA E PSICOLÓGICA DA LINGUAGEM (parte 8)

TRIVIUM: CAPITULO 2 – DIMENSÕES LÓGICA E PSICOLÓGICA DA LINGUAGEM (parte 8)

Alexandre Gomes -

 

Eu prometo que esse segundo capítulo vai acabar! Acho que terá umas 12 partes…

Mas vamos lá! De volta à diversão.

É claro que a linguagem tem aspectos LÓGICOS e PSICOLÓGICOS, veja só:

  1. A DIMENSÃO LÓGICA: a palavra é vista sob seu conteúdo de PENSAMENTO. Em RETÓRICA, chamamos essa visão de DENOTAÇÃO da PALAVRA;
  2. A DIMENSÃO PSICOLÓGICA: a palavra é vista sob seu conteúdo EMOCIONAL. O que classificamos, de acordo com a RETÓRICA, de CONOTAÇÃO da PALAVRA.

Perceba, casa e lar são duas palavras que demonstram facilmente essa diferença entre lógico e psicológico. Em uma representação gráfica, você veria assim:

Casa:  A_________B

Lar: A___________B______X

Ora, Lar é algo muito mais significativo, pois envolve sentimentos e memórias pessoais que a palavra Casa não traz.

Pois bem! Então, de que serve mesmo entender que lar tem mais emoção que casa? Afinal, são sinônimos, certo? Em uma redação, ou texto, eu (e você também) alterno os termos para não ser repetitivo e tals… fomos assim ensinados pela professora de Redação, oras!

Então…

Não é para ser sempre assim. O que foi apresentado a você é apenas UMA PARTE das lições de RETÓRICA.

Quando o texto a ser produzido é um documento legal, técnico, científico, ou até FILOSÓFICO (há quem ache que Filosofia é algo abstrato e subjetivo – e isso é um ERRO COLOSSAL). A repetição de termos e palavras é desejável para estes tipos de texto! Uma vez que o objetivo de tais escritos é SER CLARO E PRECISO, evitando interpretações diferentes e ambiguidades por conta de palavras semelhantes, mas diferentes.

Seguindo nesse pensamento, digo: as PALAVRAS ABSTRATAS são normalmente mais claras e mais precisas que as palavras concretas. Pois conceitos ABSTRATOS (fantasmas e essências, por exemplo) são mais uniformes na MENTE do LEITOR do que um conhecimento sensível – lembra do cão que você imaginou segurar em suas mãos, umas lições atrás? Pois é… eu tenho certeza que a raça do cão que você imaginou não era a mesma que eu imaginei.

Porém, se você estiver escrevendo uma história, poema – ou um texto literário qualquer -, então a situação se INVERTE. Palavras CONCRETAS são MELHORES que as ABSTRATAS, pois elas são mais comuns e RICAS EM IMAGENS na mente do leitor.

Note que a DIMENSÃO PSICOLÓGICA das palavras está no conteúdo EMOCIONAL que a linguagem tem. Veja dois exemplos disso:

  1. Mulheres são orientadas a reagir a ataques violentos gritando “Fogo!” e não “Socorro!”, pois uma mulher pedindo socorro pode ser entendido por quem ouve como uma briga de casal – e ninguém quer se meter nisso.
  2. Se um amigo seu vai pisar em uma poça d´água (ou cocô de cachorro), você pode dizer “Cuidado!” – e provavelmente irá vê-lo pisar na bosta, ou molhar o pé mesmo assim. Mas se você disser: “olha o dinheiro!” apontando para o chão, com certeza evitará o incômodo.

Entendeu que usamos a força emocional das palavras para ATRAIR A ATENÇÃO?

Pois é… é exatamente com essas emoções que o Marketing trabalha todos os dias.

Outro fator PSICOLÓGICO da LINGUAGEM é o som. Um dos vários encantos (e prova de habilidade de quem escreve) de um poema é o USO DO SOM CORRETO das palavras. Por isso os poetas usam palavras incomuns. Não é apenas por conta da técnica métrica do poema, ou frescura do poeta. É para fixar a emoção pretendida na mente/alma do leitor.

Agora vamos treinar o INGLÊS e espiar o USO DO SOM em um poema: Silver, de Walter de la Mare.

Slowly, silently, now the moon

                Walks the night in her silver shoons

                (…)

                One by one the casements catch

Her beams beneath the silvery thatch…”

Uma tradução porca seria assim:

Calmamente, silenciosamente, agora a lua

                Caminha pela noite em seus calçados prata

                (…)

                Um por um os caixilhos se encaixam

                Seus raios abaixo da argêntea palha…”

Outro exemplo de como o SOM ou a ESCOLHA DE PALAVRAS podem facilmente alterar a impressão que se tem do orador é o seu estilo de discurso.

Perceba, se eu digo: “o céu é azul” – não chamarei muito a sua atenção. Agora, se eu digo: “o domo abobado do céu é cerúleo”; você possivelmente vai me achar um babaca arrogante… quer dizer, vai achar que eu sou mais arrogante ainda.

O que importa mesmo é o seguinte: a escolha de uma forma adequada de discurso (ou se preferir, jeito de falar) irá chamar mais atenção que outra forma. Um bom orador sabe que impressão causar e como chamar a atenção para o que diz – ou o que querem que pensem que está sendo dito.

Alguns políticos entendem isso muito bem o poder da retórica. Um truque bacana que prende a atenção quase de maneira inconsciente é a pronúncia diferente de uma palavra. Ciro Gomes e Leonel Brizola não pronunciam a palavra “interesse(s)” como eu e você. Eles diziam “interesse(s)”. Não acredita em mim? Então escute!

Ciro: aos 40-42’’ (segundos): https://www.youtube.com/watch?v=co7fSxLg5o0

Brizola: (ele fala umas duas vezes em menos de 10’’ (segundos): https://www.youtube.com/watch?v=FNiqSgFtbSA

P.S. : o pior foi caçar um vídeo com o Ciro falando abobrinha até encontrar ele falando a palavra.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes