s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – ESTILOS DE LINGUAGEM (parte 9)

TRIVIUM: CAPITULO 2 – ESTILOS DE LINGUAGEM (parte 9)

Alexandre Gomes -

O tema da lição anterior estava começando a ficar longo demais, então, dividi o assunto e sigo tratando mais dos estilos de linguagem.

No artigo anterior falei sobre as DIMENSÕES LÓGICA e PSICOLÓGICA da linguagem. Lembra da diferença dos sinônimos casa e lar? Como este faz você lembrar da infância ou algum bom momento na sua vida, e aquele é algo mais impessoal?

Pois bem! Vamos seguir com mais exemplos de como o SOM, o SIGNIFICADO PSICOLÓGICO e as IMAGENS MENTAIS que as palavras fazem surgir em nossas mentes têm a capacidade de ALTERAR nossa maneira de ver o orador.

EXPRESSÕES INDIOMÁTICAS:

Aí está algo que o Nordeste é cheio. Na verdade, todas as regiões do país, em suas zonas rurais, onde vivem pessoas simples e mais ligadas à produção da terra, tais expressões surgem naturalmente. Elas existem para condensar ideias complexas (ou conceitos longos) em poucas palavras. Ou ainda, dependendo da entonação, representar uma ofensa quase INDIZÍVEL. Vamos a alguns exemplos de termos diferentes que significam quase a mesma coisa, ou que podem parecer algo muito ruim, mas é algo quase inocente.

alma de gato: pessoa que não merece confiança, desonesto, sádico;

infeliz da costa ôca: pilantra, pessoa de má reputação, (antes era gíria para doentes de tuberculose, mas o azar da doença passou a ser uma praga e, em seguida, um xingamento);

malino: criança travessa, arteira, que não para quieta.

ALUSÕES:

É uma passagem em um texto que faz REFERÊNCIA a frases, ou trechos mais longos, de outras obras, que o escritor tem certeza que o leitor conhece.

O Trivium mostra que a ALUSÃO é uma ferramenta para pessoas com boa bagagem cultural, que são capazes de reconhecer trechos famosos de clássicos da literatura, tratar personagens fictícios como pessoas reais, etc.; porém, nos exemplos que irei apresentar a seguir, mostrarei que não é bem assim. Veja:

“E foi assim que cheguei à cláusula dos meus dias, foi assim que me encaminhei para o undiscovered country de Hamlet sem as ânsias nem as dúvidas do moço príncipe, mas pausado e trôpego, como quem se retira do espetáculo”. – Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas.

Ok!, há quem encare o próprio Machado como erudito o bastante, mas a referência (alusão) no trecho está ALÉM do termo em inglês (ah!, a tradução seria: país desconhecido, ou seja, o Além, o pós-vida…). A alusão é mais focada no estado emocional de Hamlet em toda a peça; que é: um jovem atormentado pela descoberta de que seu pai foi assassinado pelo tio e pela mãe, que estavam apaixonados.

Percebe que a compreensão da ALUSÃO do texto de Machado de Assis implica que o leitor tenha lido com atenção a peça Hamlet?

Ficou claro o que é alusão? Agora, me deixe provar, com um simples meme, que a ALUSÃO pode ser algo incrivelmente raso:

Por mais que ainda seja usada, a ALUSÃO se reduziu à simples piada, e com um alcance minúsculo – pois essas alusões são uma piada interna. Tem a intenção de demarcar um nicho que sabe algo que outro grupo desconhece.

Compreenda que a linguagem da ALUSÃO muitas vezes produz uma espécie de atalho verbal que conecta e comunica em poucas palavras experiencias partilhadas por pessoas em face de situações similares. Não importa em que momento do tempo, ou lugar no espaço.

COMBINAÇÃO DE PALAVRAS:

Aqui temos um exemplo que se aproxima muito da poesia. Algumas combinações de palavras tem um impacto psicológico que nos faz pensar: “perfeito! Não se diria melhor que isto!”. Por exemplo,

“Ela estava mais bela do que nunca, o vestido de noite azul-celeste realçava sua beleza de uma maneira que era impossível não prender os olhos de quem a via.”

Agora troque “vestido de noite” por “avental” e o encanto se quebra! Quando é dito “vestido de noite” tanto eu como você pensamos em um vestido de noite que imaginamos deixar a mulher atraente e bela – e é quase certo que estamos pensando em vestidos diferentes! E mesmo assim: o impacto psicológico é o mesmo em nós dois. Pois foi a combinação das palavras que nos induziu ao pensamento. Quando colocamos “avental”, é inevitável pensar em rotinas de limpeza e isso não é nem um pouco sensual.

ENTENDIMENTO LÓGICO E POÉTICO:

A poesia é, por excelência, o uso das palavras (símbolos) de maneira emotiva. Há quem diga que a poesia é a forma INESQUECÍVEL de descrever a realidade (a boa poesia, é claro!). A seguir vai um trecho de um poema para demonstrar a diferença entre o entendimento lógico e poético.

“Vai e agarra uma estrela cadente

Emprenha uma raiz de mandrágora

Diz-me onde estão os anos que se foram,

Ou quem fendeu os cascos do diabo,

Ensina-me a ouvir o canto das sereias

Ou então a manter-me longe das ferroadas do ciúme e da cobiça

Descobre que vento serve bem à alma honesta (…)”

Ora, é evidente que o poema é uma sequencia de alegorias e visões fantásticas. Querer entendê-lo literalmente é remover todo o significado e poder do poema. Perceba:

– Quem tenta agarrar uma estrela cadente? (veja bem, em queda!)

– Os anos passados ficam em algum lugar físico? Na verdade, algum ano tem FORMA para que possa estar em algum lugar?

– Por acaso existem sereias?

– Ciúme e cobiça são algum tipo de inseto com ferrões?

Mas se você vê uma estrela cadente como um desejo de seu coração (e, por isso, luta para que este desejo se realize). Se encara os anos passados como uma lembrança querida e que não merece ser esquecida. Se as sereias cantam sobre prazeres insuperáveis que já viveu; e é capaz de entender que a dor do ciúme e da cobiça são, cada um deles, mais dolorosos que mil ferroadas…

Bom, aí você está realmente entendendo a parada!

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes