s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Classificação dos Termos (parte 2)

Trivium: Capítulo 4 – Classificação dos Termos (parte 2)

Alexandre Gomes -

Continuando os resumos depois de um belo fim de ano, vou continuar detalhando mais sobre os o que são os termos e suas variedades. Perceba que isso é muito mais uma base de compreensão lógica das palavras do que uma lição gramatical. Ou seja, querida leitora ou gentil leitor, isso é muito mais uma ferramenta de compreensão de textos do que uma lição de análise morfológica.

Os Termos podem ser classificados das seguintes formas:

 

    1. Termos Empíricos e Termos Gerais:

a) Termo Empírico designa um INDIVÍDUO ou grupo de indivíduos, e o termo que simboliza deve ser um nome próprio ou uma descrição empírica. Ex.:a mesa nesta sala, Padre Anchieta.

b) Termo Geral também chamado termo universal, significa essência. Tais termos devem ser simbolizados por um nome comum ou descrição geral. Ex.: árvore, figura plana retilínea de três lados.

Ser capaz de distinguir entre um termo empírico e um termo geral é da mais alta importância. E não será um código gramatical a fonte para diferenciar tais termos, é preciso olhar através das palavras a REALIDADE SIMBOLIZADA.

Para diferenciar entre esses dois termos, pergunte se o termo se refere a uma categoria inteira de seres (geral), ou se a um indivíduo, ou indivíduos daquela categorias (empírico). Note os exemplos a seguir:

– Um pássaro tem penas (pássaro é um termo geral);

– Um pássaro voou pela minha janela (pássaro é um termo empírico);

– A dança foi até a meia-noite (dança é um termo empírico);

– A dança é uma forma de arte (dança é um termo geral).

    2. Termos Contraditórios Positivos e Termos Contraditórios Negativos:

a) Termo Positivo é aquele que expressa o que está presente na realidade.

b) Termo Negativo é aquele que expressa o que está ausente da realidade.

Atenção! Algumas palavras gramaticalmente negativas simbolizam termos logicamente positivos. Ex.: Infinito (ausência de limites conota – sugere – plenitude do ser); Impaciente (falta de paciência = mal-humorado, rabugento).

Um termo restritivo é um tipo de termo negativo, que expressa a PRIVAÇÃO, a AUSÊNCIA de uma característica de uma realidade que pertence à sua natureza e que deveria estar presente. Ex.: manco, cego, morto.

Um cão pode ser cego, já uma pedra não pode ser cega, pois a VISÃO não faz parte da natureza da pedra. (entendeu meu destaque acima sobre isso aqui ser mais sobre filosofia e lógica que simples gramática?)

    3. Termos Concretos e Termos Abstratos:

a) Termo concreto é aquele que representa realidades COMO ELAS SÃO NA ORDEM DO SER. Ex.: animal, veloz, suave, comprido, próximo (respectivamente as seguintes características Aristotélicas: ente, qualidade, tato, extensão e visão);

b) Termo abstrato é aquele que representa uma substância ou acidente, MENTALMENTE ABSTRAÍDO DA REALIDADE CONCRETA e considerado, pra ser enfático, como um objeto do pensamento. Para tal, é representado por um substantivo ABSTRATO. Ex.: animalidade, velocidade, suavidade, comprimento, proximidade.

E cabe um reforço: os termos abstratos são importantes porque são mais claros para o intelecto, enquanto os termos concretos são mais vívidos para os sentidos.

    4. Termos Absolutos e Termos Relativos:

a) Termo absoluto é aquele que pode ser entendido por si mesmo sem referência a outro termo. Ex.: homem, árvore, vermelho, sólido.

b) Termo relativo é um dos dois termos, numa relação em que cada um (dos termos) deve ser entendido com referência ao outro. Ex.: marido, mulher; pais, filhos; causa, efeito.

Termos relativos são correlativos em são SEMPRE ABSOLUTOS EM PELO MENOS UMA DAS CATEGORIAS (do Ser de Aristóteles). O normal são as categorias de ação ou paixão, pois uma destas é o mais frequente elo pelo qual os dois termos estão relacionados um ao outro. Por exemplo a relação professor e aluno.

Detalhando este último exemplo:

Professor é um termo que tem significado nas seguintes categorias:

      • substância: homem,
      • qualidade: conhecimento e a habilidade de comunicá-lo,
      • relação: a um aluno,
      • ação: comunicar conhecimento.

Aluno é um termo que tem significado nas seguintes categorias:

      • substância: homem,
      • qualidade: ignorância,
      • relação: a um professor,
      • paixão: receber conhecimento,

    5. Termos Coletivos e Termos Distributivos:

a) Termo coletivo é aquele que pode ser aplicado APENAS a um grupo considerado como tal, mas não aos membros do grupo tomados isoladamente. Ex.: Exército, júri, rebanho, multidão. Ex.: Juliana pode ser membro do júri, mas não pode ser o júri)

O uso COLETIVO exige que o verbo (ou cópula) e os pronomes estejam no singular. Imagino que você irá dizer que isso é óbvio, claro!. Mas quero que note que essa obviedade vale para outras gramáticas, além da latina. Veja o que falei na língua inglesa:

“The audience SHOWS ITS pleasure by demanding encore after encore”.

Perceba! “audience” (público) é um termo coletivo, o que levou o verbo “to show” (mostrar) se flexionar na segunda pessoa do singular neutra “it”, vem semelhante ao que faríamos no Português. Uma tradução da frase acima seria a seguinte:

“O público MOSTRA SEU prazer exigindo bis após bis”

b) Termo distributivo é aquele que PODE ser aplicado a membros individuais de um grupo tomado isoladamente. Por exemplo: homem é aplicável a qualquer indivíduo como também é aplicável à espécie homem.

Já o uso DISTRIBUTIVO exige que o verbo (ou cópula) e os pronomes estejam no plural. Nesse caso, na língua Portuguesa, essa distinção não se aplica, pois os coletivos SEMPRE são empregados no singular.

 

DIFERENÇA ENTRE TERMOS:

Conforme o princípio fundamental da diferença, os termos podem ser diferentes categoricamente, genericamente, especificamente ou individualmente.

  • Os termos são CATEGORICAMENTE diferentes se estão em categorias (do Ser, de Aristóteles) diferentes: Ex.: maçã, grande, vermelho, agora;
  • Os termos são GENERICAMENTE diferentes se pertencem a gêneros diferentes NA MESMA CATEGORIA. Ex.: redondo, liso, azedo.
  • Os termos são ESPECIFICAMENTE diferentes se pertencem a diferentes espécies DE UM MESMO GÊNERO. Ex.: vermelho, azul, amarelo, ou cedro, carvalho, ipê.
  • Os termos são INDIVIDUALMENTE diferentes se designam INDIVÍDUOS DA MESMA ESPÉCIE, pois todo indivíduo é único. Ex.: esta mulher, minha mãe, o rio Amazonas, o rio Capibaribe, o rio Tefé.

Outra forma de diferença é a Diferença pela Natureza: repugnante ou não-repugnante.

Os termos são repugnantes quando são INCOMPATÍVEIS, isto é, quando significam realidades que são mutuamente excludentes, pois não podem coexistir na mesma substância ao mesmo tempo e no mesmo período.

E perceba que termos que são categoricamente diferentes ou genericamente diferentes NÃO SÃO necessariamente repugnantes, pois com frequência significam realidades que coexistem na mesma substância. Lembre do exemplo do Professor e Aluno acima.

 

Outros tipos de termos que são necessariamente repugnantes:

  • termos individualmente diferentes. (um indivíduo não pode ser ele e outro ao mesmo tempo!);
  • termos que são especificamente diferentes. (pinheiro, cedro, cão, pedra, quadrado, círculo);
  • termos contraditórios. (branco, não-branco).

 

E agora um destaque é importantíssimo. Termos contrários representam extremos de diferença. Nem todo termo tem um CONTRÁRIO. Ex.: não há contrário nos seguintes gêneros: animal, árvore, formato.

De grande importância é a distinção entre termos contrários e TERMOS CONTRADITÓRIOS. Não há meio-termo nem nenhuma área comum entre termos CONTRADITÓRIOS. Veja, ou tudo é branco ou é não-branco. Assim, todo par de termos CONTRADITÓRIOS faz uma dicotomia, isto é, divide TUDO exatamente em dois, não deixando nada em comum entre os termos.

Em termos contrários um meio-termo. Ex.: nem tudo precisa ser branco ou preto (termos contrários entre si), pode ser cinza, azul, amarelo… (e só para ajudar a fixar os conceitos, estas cores todas são não-branco).

Note que todo termo TEM O SEU CONTRADITÓRIO, nem todo termo tem um contrário.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes