s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Gramática Geral (parte 1)

Trivium: Capítulo 3 – Gramática Geral (parte 1)

Alexandre Gomes -

Novo capítulo, nova pegada! O que você viu até agora era voltado à comunicação e como a linguagem realmente funciona. Imagino que você tenha notado uma coisa importante: as línguas e as palavras podem, e vão, mudar com o passar do tempo. E isso irá acompanhar a agudeza de nossas mentes, nossa inteligência – não a individual, mas a coletiva.

Mas isso não quer dizer que aquela conversa de que se prender a formalismos e regras é um erro tem algum sentido. Não tem. é bobagem para emburrecer quem quer ser melhor que é, preguiça e/ou malandragem de quem deveria ensinar a gramática formal.

Bom, feita esta introdução (meio longa), vamos ao que interessa agora.

 

Qual a diferença do que será apresentado aqui, daquilo que estudamos (ou toleramos) durante nossos anos de escola?

Esta GRAMÁTICA GERAL trata da relação das palavras com as ideias e com a realidade.

Enquanto a Gramática Especial (a que eu e você estudamos do primário até o colegial)diz respeito principalmente à RELAÇÃO DAS PALAVRAS COM AS PALAVRAS. não importa se estudamos uma gramática para aprender nossa língua materna ou um segundo idioma. Ou seja, Gramáticas especiais ensinam aquela história de concordância entre sujeito e verbo quanto à pessoa e número.

Portanto, a Gramática Geral é mais filosófica, porque está mais diretamente relacionada à Lógica e à Metafísica.

 

E agora iremos começar a complicar um pouco as coisas, pois agora virão os palavrões.

 

A Gramática Geral distingue, separa, as palavras em dois grandes grupos:

 

  1. Palavras CATEGOREMÁTICAS;

 

  1. Palavras SINCATEGOREMÁTICAS.

 

Palavrões. Eu avisei.

 

Vou tentar simplificar as coisas por aqui. As palavras categoremáticas são autônomas. Pois elas têm sentido por si próprias; ou seja, ou são substantivos ou são adjetivos. Dizendo de outra forma: palavras categoremáticas dão nome a coisas ou a qualidades de algo.

 

E já que falei sobre Filosofia, uma boa associação pode ser feita aqui. As palavras categoremáticas podem ser facilmente classificadas nas 10 Categorias do SER! (só lembrando as categorias: 1 substância e 9 acidentes). Dito isso, fica fácil perceber como as Dez Categorias se distribuem entre os dois tipo de palavras categoremáticas:

 

  1. SUBSTANTIVAS: palavras que simbolizam substâncias;
  2. ATRIBUTIVAS: palavras que simbolizam acidentes.

 

Já as palavras sincategoremáticas (Santo Deus…), são aquelas que só têm significado junto a outras palavras. Pois, se analisadas sozinhas, não podem ser classificadas nas categorias do Ser que citei ali em cima. As palavras sincategoremáticas também se dividem em dois grupos

 

  1. DETERMINATIVAS, que chamam a atenção para as substâncias;

 

  1. CONECTIVAS, que ligam ou palavras ou frases, ou sujeitos e predicados.

 

Vou fazer uma analogia insólita para esclarecer todos esse palavrório: Na MATEMÁTICA, os números, ângulos, etc. equivalem aos símbolos CATEGOREMÁTICOS, enquanto +, -, %, ÷, √ , =, etc. são símbolos SINCATEGOREMÁTICOS.

 

Os números têm significado SOZINHOS, já os símbolos das operações, ou até mesmo o símbolo de “igual a” (=) fica sem significado caso não existam numerais de cada um dos seus lados.

Pois bem, na Gramática Geral temos DEZ CATEGORIAS de PALAVRAS, todas decorrentes dos dois primeiros grupos que falei (os palavrões: Categoremáticos e Sincategoremáticos). vou listar todas as categorias logo abaixo:

 

CATEGOREMÁTICAS:

Substantivas:

  • substantivos [1]; (bola, árvore, pedra)
  • pronomes [2]; ( ele, ela, teu, mim, dela, Sua Eminência, Vossa Majestade)

 

Atributivas:

  Primárias:

  • verbos (e inflexões) [3]; (voar, andando, nadei)
  • adjetivos [4]; (claro, duro, saboroso)

os verbos e adjetivos são atributos da substância!

 

  Secundárias:

  • advérbios [5]; (aqui, nunca, nem, pouco, talvez)

os advérbios são atributos dos atributos!

 

SINCATEGOREMÁTICAS:

Determinativas:

  • artigos [6]; (o, a, um, uma)
  • dêicticos [7];

 

Determinativas:

  • preposições [8] (conectam palavras); (como, afora, conforme)
  • conjunções [9] (conectam frases – implícitas ou explícitas); (e, ainda, então, logo)
  • pura cópula [10] (conecta sujeito e predicado). (Juliana é morena)

 

Certo… o que é cópula, não é? Significa ligação, união, ou seja, CÓPULA é a palavra que, em uma frase, liga o sujeito (S) ao predicado (P) seguindo o modelo básico de S é P. Nesta situação o verbo ser (flexionado) é TAMBÉM uma CÓPULA.

Para finalizar este texto, vou listar uma categoria que não merece estar na lista acima.

 

Interjeições

Sim, as interjeições são uma categoria de palavras mas, diferente das já listadas antes porque elas não podem ser assimiladas à estrutura de uma frase. Mesmo quando uma interjeição é uma palavra, que vista fora do seu contexto, seja classificada em uma das categorias, no momento em que ela é usada como INTERJEIÇÃO está sozinha.

 

Exemplo: Quando eu digo para você: Coragem!

Eu estou te animando a continuar algo, mas a palavra ali não é um substantivo abstrato, e sim uma INTERJEIÇÃO! (ou seja, é uma expressão de animação). Principalmente porque estou expressando uma emoção e não um pensamento.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes