s
Iscas Intelectuais
Por dentro das Big Techs
Por dentro das Big Techs
Alguma coisa está mudando na cultura do trabalho, e ...

Ver mais

Um pouquinho de história
Um pouquinho de história
Um pouquinho de história só para manter as coisas em ...

Ver mais

Não olhe para cima
Não olhe para cima
Não olhe para cima é uma comédia para ser levada a ...

Ver mais

Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Muito bem! No episódio passado, eu introduzi o conceito ...

Ver mais

Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
O termo Mass Formation Psychosis, psicose de formação ...

Ver mais

Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
E aí? Pronto pro ano novo? Tá complicado, é? Muita ...

Ver mais

Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Olhe pela janela... o que restará daqui a 100 anos, de ...

Ver mais

LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
No programa de hoje temos Leticia Zamperlini e Cristian ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Hoje bato um papo muito interessante com Leandro Bueno, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Predicáveis: Classificação e Números (parte 4)
Alexandre Gomes
Os PREDICÁVEIS representam a mais completa classificação das relações que podem ser afirmadas DE UM PREDICADO. em relação a um sujeito, TANTO QUANTO as categorias (do ser) são a mais completa ...

Ver mais

Expectativas em relação à China
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Expectativas em relação à China “Embora ainda seja prematuro especular sobre os delineamentos básicos de uma nova e inevitável ordem internacional, a evolução dos acontecimentos parece apontar ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Formas Proposicionais A E I O (parte 3)
Alexandre Gomes
As distinções apresentadas na lição anterior são as bases da CONCEITUAÇÃO e do MANEJO das proposições. Usando a qualidade, ou tanto a quantidade quanto a modalidade, como base, TODA PROPOSIÇÃO ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Características das Proposições (parte 2)
Alexandre Gomes
As PROPOSIÇÕES podem ser agrupadas por cinco características; e cada uma dessas se divide em duas classes. As cinco características são: a) referência à realidade, b) quantidade, c) qualidade, d) ...

Ver mais

Cafezinho 457 – Eu não sabia
Cafezinho 457 – Eu não sabia
O jornalista, crítico da mídia e filósofo amador ...

Ver mais

Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Quando você mistura ignorância com arrogância, pitadas ...

Ver mais

Cafezinho 455 – Para pensar direito
Cafezinho 455 – Para pensar direito
George Orwell escreveu: "Se as idéias corrompem a ...

Ver mais

Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
A vida é curta demais pra gente ficar esperando. Mas ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Proposições e sua Expressão Gramatical (parte 1)

Trivium: Capítulo 5 – Proposições e sua Expressão Gramatical (parte 1)

Alexandre Gomes -

DEFINIÇÕES E DISTINÇÕES

Proposição e relação de termos.

A proposição AFIRMA uma relação de termos.

Em uma estrutura de palavras compostas de: um sujeito, uma cópula e um predicado. Os termos (sujeito e predicado) são a matéria da PROPOSIÇÃO; a cópula (termo restante) que relacionou os dois primeiros termos constitui a forma da PROPOSIÇÃO.

Proposição modal e Proposição categórica.

Modal: pode ou não afirmar o MODO* da relação de seus termos. Então, se uma proposição afirmar o MODO, ela é modal, se NÃO AFIRMAR, é categórica.

* refere-se à maneira pela qual os termos se relacionam numa proposição.

 

E para evitar dúvidas… uma proposição MODAL afirma explicitamente a RELAÇÃO de seus termos como necessária ou contingente. E tem mais. Uma proposição modal pode ser também necessária, e sendo deste tipo, ela declara que este é o MODO como a realidade deve ser.

Proposição modal necessária:

Se a proposição afirma uma relação que é necessária, a necessidade pode ser: metafísica, física, moral ou lógica.

– Necessidade metafísica: a relação é metafisicamente necessária SE NÃO PUDER SER DE OUTRA MANEIRA, porque assim será impossível, inconcebível. Ex.: Deus é fonte de ordem, não de desordem e confusão. E perceba bem! ser incapaz de fazer o que é contraditório NÃO É UMA LIMITAÇÃO de Sua Onipotência, não é uma imperfeição, mas perfeição. Ou seja, Deus não pode fazer uma pedra tão grande que Ele não pudesse levantá-la.

Outros exemplos: um triângulo equilátero é necessariamente equiangular. O efeito não pode ser maior que a causa.

– Necessidade física: a necessidade física repousa sobre as leis da natureza. Em contraste com as leis metafísicas, Deus pode suspender as leis da natureza. Milagres são exemplos disso; como Cristo andando sobre o mar da Galiléia e o sol dançando em Fátima-PT, demonstram que abrogar a NECESSIDADE FÍSICA (leis da natureza) é a essência de um milagre. Ex.: o fogo necessariamente queima. A água necessariamente ferve a 100° C. ao nível do mar.

– Necessidade moral: é uma necessidade normativa referida a um agente livre. Por conta do livre-arbítrio, o homem pode agir contrariamente a essas leis. Mesmo assim, as leis permanecem; quer expressem tendências humanas naturais (leis econômicas), quer expressem demandas de ordem na sociedade (leis civis); ou ainda – e mais importante – expressando um dever de consciência (lei moral). Ex.: os carros devem parar quando a luz do sinal está vermelha (lei civil); o bem deve ser feito e o mal evitado (lei moral).

– Necessidade lógica: para uma consideração de relações de necessidade e contingência em bases ESTRITAMENTE LÓGICAS, deve-se ver os predicáveis: espécie, gênero, diferença, definição, propriedade e acidentes. E… bem, isso será melhor detalhado em outras lições.

 

Proposição modal contingente:

Se uma proposição modal não afirma as relações de seus termos como necessários, então a relação é contingente (possível). Isso ocorre quando a relação não envolve necessidade nem incompatibilidade metafísica, ou seja, pode ou não existir na ordem natural. Também pode ser contingente quanto a atos futuros ou quanto ao nosso conhecimento. Exemplos:

  • Um corvo pode ser vermelho.
  • Um triângulo pode ser isósceles.
  • Sua mãe pode estar-lhe escrevendo uma carta agora.

E isso conclui no momento o que há para ser dito sobre proposições modais, segue-se agora para as proposições categóricas

 

Categórica: uma proposição categórica AFIRMA a relação de seus termos tal como são verdadeiramente relacionados, SEM EXPRESSAR O MODO DE SUA RELAÇÃO.

A cópula* numa proposição categórica é ambígua no sentido de que, se examinado, o simples “é” significa tanto “é necessariamente” (deve ser) quanto é de maneira contingente” (pode ser).

* Lembrando o que é cópula: é a palavra que liga um ATRIBUTIVO ou SUBSTANTIVO ao sujeito de uma frase. E atributivo pode ser adjetivo ou verbal.

Uma proposição categórica é simples ou é complexa.

Proposição categórica simples: é aquela que afirma a relação de dois, e apenas dois, termos. Também será categórica se afirma a relação como um FATO. Portanto, toda proposição categórica É uma proposição simples. E para evitar confusões, reforço: a proposição simples é modal se, explicitamente afirma a relação como necessária (deve ser) ou contingente (pode ser).

Proposição categórica complexa: é aquela que relaciona pelo menos TRÊS termos. Este tipo de proposição pode ser tanto HIPOTÉTICA quanto DISJUNTIVA.

  • Proposição complexa hipotética: afirma a dependência de uma proposição com respeito a outra. Ex.: Se ele não estudar, será reprovado (três termos); o terceiro termo, para acontecer, precisa/depende da inação do segundo termo.

Proposição complexa disjuntiva: é assim quando afirma que de duas ou mais suposições, UMA É VERDADEIRA. Ex.: um triângulo é EQUILÁTERO, ISÓSCELES ou ESCALENO.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes