s
Iscas Intelectuais
Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Senna foi o típico exemplo de que para saber algo, só ...

Ver mais

5o. Sarau Café Brasil
5o. Sarau Café Brasil
Depois da Pandemia, está de volta o #Sarau Café Brasil, ...

Ver mais

Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Coisas que só acontecem quando somos autênticos, quando ...

Ver mais

Isca Intelectual: a emoção de se mostrar humano
Isca Intelectual: a emoção de se mostrar humano
É a emoção de se mostrar humano que fará com que você ...

Ver mais

Café Brasil 822 – Café ao Quadrado
Café Brasil 822 – Café ao Quadrado
Convidei o Christian Gurtner, criador e apresentador do ...

Ver mais

Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
A Pandemia causou prejuízos em todas as esferas de ...

Ver mais

Café Brasil 820 – My Generations
Café Brasil 820 – My Generations
O conflito de gerações está presente desde o princípio ...

Ver mais

Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
E aí? Como é que você tá, hein? Apanhando da vida? Ela ...

Ver mais

LíderCast 235 – Gilberto Lopes
LíderCast 235 – Gilberto Lopes
Hoje a conversa é com Gilberto Lopes, o Giba, que é CEO ...

Ver mais

LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
Hoje o convidado é o Danilo Cavalcante, que se diz ...

Ver mais

LíderCast 233 – Flavia Zülzke
LíderCast 233 – Flavia Zülzke
Flavia Zülzke é Head de Marketing, Branding, ...

Ver mais

LíderCast 232 – Giovanna Mel
LíderCast 232 – Giovanna Mel
Hoje a convidada é Giovanna Mel, comunicadora e ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 7 – Silogismo Simples (parte 1)
Alexandre Gomes
Como mencionado na lição anterior, vamos agora tratar de silogismo – que é o raciocínio mais associado à lógica.   Definição: O silogismo é um ATO DE RACIOCÍNIO pelo qual a mente ...

Ver mais

Ser ou não ser criativo: eis a questão
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ser ou não ser criativo? Eis a questão  “Criatividade é a inteligência se divertindo.” Albert Einstein Nos eventos voltados ao lançamento do livro Economia + Criatividade = Economia Criativa, ...

Ver mais

Diferentes gerações, diferentes traumas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Inflação e crescimento: diferentes gerações, diferentes traumas “Vejo o Brasil como um país que viveria os ideais do crescimento sustentável. É o lugar mais bonito do mundo e integrar o mundo ...

Ver mais

Segura o Tchan
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O Carnaval de 1996 coroou o sucesso da banda de axé É o Tchan/Gera Samba, liderada por Compadre Washington, com a música-chiclete Segura o Tchan. Além da letra – digamos – exótica, a dançarina ...

Ver mais

Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
A única certeza que podemos ter é que nas questões ...

Ver mais

Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Há muito tempo compreendi que as pessoas apreendem ...

Ver mais

Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Parece que estamos sob um surto psicótico planetário, ...

Ver mais

Cafezinho 487 – A ditadura de precisão
Cafezinho 487 – A ditadura de precisão
Foi-se o tempo da truculência, do tiro, porrada e ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Frases e Proposições (parte 5)

Trivium: Capítulo 5 – Frases e Proposições (parte 5)

Alexandre Gomes -

Símbolos Gramaticais e Proposições

Se uma proposição é simbolizada por uma frase, esta precisa ser uma FRASE DECLARATIVA. Uma frase não declarativa (ex. ordem, prece, desejo, pergunta ou exclamação) não pode simbolizar uma proposição, POIS NÃO É VERDADEIRA NEM FALSA; uma frase não declarativa expressa volição, não cognição, e, portanto, não tem STATUS na lógica, apesar de ter STATUS perfeitamente válido na gramática.

Perceba. Já que cada frase declarativa simples é composta (explícita ou implicitamente) de: sujeito, cópula e complemento subjetivo; pode perfeitamente simbolizar a proposição lógica: sujeito, cópula e predicado.

No começo deste capítulo, algumas lições atrás (dezembro passado), foi apresentado o assunto PROPOSIÇÕES, que podem ser classificadas em dois grupos Modais e Categóricas. No trecho atual do livro (pg. 140), a autora divide as proposições em dois grupos, porém os chama de Geral e Categóricos

Acredito que geral é o mesmo que modais.

Dito isto, voltemos à lição.

 

Uma PROPOSIÇÃO GERAL precisa ser simbolizada por uma frase cujo sujeito é um nome comum ou uma descrição geral. Se o nome comum ou descrição geral não simbolizam uma essência que seja POSSÍVEL, então não expressam um termo, pois não se pode ter um conceito de uma essência IMPOSSÍVEL.

Exemplo de violação da regra: “Um círculo quadrado é uma figura curvilínea

Esta frase não simboliza uma proposição porque não expressa uma relação de dois termos, ela tem apenas um termo. Seria necessário um sujeito lógico, mas “círculo quadrado” não tem NENHUM SIGNIFICADO*, apesar de círculo e quadrado, entendidos separadamente serem palavras que têm sentido. A frase do exemplo acima não é falsa nem verdadeira, pois somente uma proposição é falsa ou verdadeira.

* Exercício impossível para você, caro leitor (ou gentil leitora): imagine e desenhe um círculo quadrado. Se conseguir fazer isso, poste o desenho nos comentários.

 

Agora, o segundo tipo de proposição…

Uma PROPOSIÇÃO CATEGÓRICA empírica precisa ser simbolizada por uma frase cujo sujeito seja um nome próprio ou uma descrição empírica, se estes dois tipos de sujeito não simbolizam um indivíduo ou um agregado existentes no presente ou no passado, de fato ou em ficção, então NÃO EXPRESSAM um termo, pois não se pode experienciar o que é inexistente.

Uma mesma proposição pode ser expressa por símbolos gramaticais diferentes ou equivalentes na mesma língua ou em línguas diferentes.

Ex.:

O primeiro homem eleito como chefe executivo – –

The first man elected as executive head – –

 

– – dos Estados Unidos é reconhecido por sua habilidade como um líder militar.

– – of the United States is noted for his skill as a military leader.

 

Essa mesma frase pode ser escrita de outra forma, dizendo a mesma coisa:

O primeiro presidente dos Estados Unidos – –

The first president of the United States – –

Le premier président des États Unis – –

 

– – é reputado como um grande general.

– – is famed as a great general.

– – est renommé comme un grand général.

O PROPÓSITO DA TRADUÇÃO é expressar em símbolos de outra língua as proposições corporificadas e embutidas nos símbolos de uma dada língua, reconhecemos que há algo do mesmo (a FORMA, o CONTEÚDO LÓGICO) e algo diferente (a MATÉRIA, os SÍMBOLOS GRAMATICAIS).

 

E lembrando do que estamos vendo aqui:

FORMA (da linguagem): é o significado do que foi dito com a voz, ou escrito com palavras;

MATÉRIA (da linguagem): é a voz, o som emitido para se comunicar, ou as letras e notações organizadas e agrupadas de uma maneira específica e coerente.

CONTEÚDO LÓGICO: é o sentido (ideia ou objeto) que a voz ou palavras estão expressando.

SÍMBOLOS GRAMATICAIS: são as palavras.

Voltando…

Se a composição a ser traduzida é um poema, o que muda inclui não apenas a diferença dos símbolos, mas também diferenças na dimensão psicológica da linguagem, nas suas QUALIDADES SENSÍVEIS e EMOCIONAIS, tais como som, ritmo, tom, ideias e sentimentos associados, tendo todas suas raízes na língua particular (seja a do poema original, seja a do poema traduzido. A seguir, um exemplo de poema traduzido:

Os versos do poema são ALITERANTES, este modo é incomum em línguas como o português, mas há um paralelismo com os versos rimados aos quais estamos acostumados. Isso porque na Idade Média eles eram DECLAMADOS – e não escritos – pelos menestréis ou bardos, que usavam recursos fonéticos para ligar os versos entre si e proporcionar aos ouvintes um sentido de continuidade. Resumindo:  na poesia em rimas, normalmente são os SONS VOCÁLICOS que se repetem entre um e outro fim de verso, enquanto na aliteração são as CONSOANTES que se repetem dentro de um mesmo verso.

Perceba:

A rima marca bem o fim do vERSO

Pra que não fique o leitor dispERSO

 

também…

 

AliTeram as Tônicas, repeTindo os sons

Mas Umas às Outras, fazem Eco as vogais

 

Voltando ao poema, preste atenção às numerações que fiz e como o som das palavras grifadas se assemelham entre si e como elas conduzem o poema.

 

  1. (…) navegante / errante (…)
  2. (…) Arvernien / (…) além (…)
  3. (…) pro navio / (…) Nimbrethil (…)
  4. (…) teceu / (…) seu (…)
  5. (…) fez / (…) vez (…)
  6. (…) formada / (…) embandeirada (…)

 

E compreendido o que o trecho acima detalhando o funcionamento de um poema, imagino que o que essa parte da lição quer ensinar fica entendido, bem como se tem uma ideia de como os poemas devem ser lidos (ou declamados) e apreciados.

Por fim, aprimorar o estilo através de revisão é SUBSTITUIR aqueles símbolos escolhidos primeiro em um texto escrito por você, por equivalentes melhores. A arte mestra da retórica nos guia nessa escolha.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes