s
Iscas Intelectuais
Ensaio sobre Palestras e Palestrantes
Ensaio sobre Palestras e Palestrantes
Depois de realizar mais de 1000 palestras no Brasil e ...

Ver mais

Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Senna foi o típico exemplo de que para saber algo, só ...

Ver mais

5o. Sarau Café Brasil
5o. Sarau Café Brasil
Depois da Pandemia, está de volta o #Sarau Café Brasil, ...

Ver mais

Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Coisas que só acontecem quando somos autênticos, quando ...

Ver mais

Café Brasil 822 – Café ao Quadrado
Café Brasil 822 – Café ao Quadrado
Convidei o Christian Gurtner, criador e apresentador do ...

Ver mais

Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
A Pandemia causou prejuízos em todas as esferas de ...

Ver mais

Café Brasil 820 – My Generations
Café Brasil 820 – My Generations
O conflito de gerações está presente desde o princípio ...

Ver mais

Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
E aí? Como é que você tá, hein? Apanhando da vida? Ela ...

Ver mais

LíderCast 235 – Gilberto Lopes
LíderCast 235 – Gilberto Lopes
Hoje a conversa é com Gilberto Lopes, o Giba, que é CEO ...

Ver mais

LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
Hoje o convidado é o Danilo Cavalcante, que se diz ...

Ver mais

LíderCast 233 – Flavia Zülzke
LíderCast 233 – Flavia Zülzke
Flavia Zülzke é Head de Marketing, Branding, ...

Ver mais

LíderCast 232 – Giovanna Mel
LíderCast 232 – Giovanna Mel
Hoje a convidada é Giovanna Mel, comunicadora e ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 7 – Silogismo Simples (parte 1)
Alexandre Gomes
Como mencionado na lição anterior, vamos agora tratar de silogismo – que é o raciocínio mais associado à lógica.   Definição: O silogismo é um ATO DE RACIOCÍNIO pelo qual a mente ...

Ver mais

Ser ou não ser criativo: eis a questão
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ser ou não ser criativo? Eis a questão  “Criatividade é a inteligência se divertindo.” Albert Einstein Nos eventos voltados ao lançamento do livro Economia + Criatividade = Economia Criativa, ...

Ver mais

Diferentes gerações, diferentes traumas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Inflação e crescimento: diferentes gerações, diferentes traumas “Vejo o Brasil como um país que viveria os ideais do crescimento sustentável. É o lugar mais bonito do mundo e integrar o mundo ...

Ver mais

Segura o Tchan
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O Carnaval de 1996 coroou o sucesso da banda de axé É o Tchan/Gera Samba, liderada por Compadre Washington, com a música-chiclete Segura o Tchan. Além da letra – digamos – exótica, a dançarina ...

Ver mais

Cafezinho 491 – Os malabaristas eleitorais
Cafezinho 491 – Os malabaristas eleitorais
Observando a corrida eleitoral, com os malabarismos que ...

Ver mais

Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
A única certeza que podemos ter é que nas questões ...

Ver mais

Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Há muito tempo compreendi que as pessoas apreendem ...

Ver mais

Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Parece que estamos sob um surto psicótico planetário, ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 6 – As Relações das Proposições – EDUÇÃO (parte 4)

Trivium: Capítulo 6 – As Relações das Proposições – EDUÇÃO (parte 4)

Alexandre Gomes -

EDUÇÃO é o processo formal de tornar explícito tudo o que está implícito em dada proposição; e por conta disto, a EDUÇÃO não é um avanço no conhecimento. Nisto difere radicalmente da DEDUÇÃO, da qual o SILOGISMO é a forma.

comentário importante: quando é dito que a edução não é um avanço no conhecimento, o que a autora está apontando é que a edução não nos fornece novas informações sobre o objeto foco da atenção, e não que a compreensão do que é uma edução é um conhecimento inútil.

Através da EDUÇÃO, nós viramos uma proposição do avesso e de cima a baixo até termos explorado todo o seu conteúdo. A EDUÇÃO é um processo formal que nunca envolve uma mudança de valor.

A EDUÇÃO, emprega dois processos, obversão e conversão. Pela aplicação alternada desses dois processos, podem obter-se sete formas edutivas,  partir de uma proposição geral ou de uma total, e um número menor de formas edutivas a partir de uma proposição parcial ou de uma contingente.

 

OBVERSÃO: 

Vira uma proposição “ao contrário” ao mudar a qualidade e o predicado, MAS NÃO O SIGNIFICADO.

As regras para a OBVERSÃO de uma proposição são:

a) mudar a qualidade, que é determinada pela cópula;

b) substituir o predicado (P) pelo seu CONTRADITÓRIO (P’).

 

Para evitar a OBVERSÃO ilícita: não confunda um modificador contraditório DE UM TERMO, com o termo contraditório completo! Por exemplo, o CONTRADITÓRIO de alimento gorduroso NÃO É alimento não-gorduroso, É “não-alimento gorduroso”. Lápis, maçaneta e estrelas são NÃO-ALIMENTOS gordurosos, POIS NENHUM É SEQUER ALIMENTO!

 

OBVERSÃO das formas A E I O:

Cada uma destas formas pode ser obvertida. Na fórmula abaixo, P’ simboliza “não P” – e P é predicado.

  • SaP é obvertida para SeP’.

Todo eleitor é cidadão.

Nenhum eleitor é não-cidadão.

 

  • SeP é obvertida para SaP’.

Nenhum mulçumano é cristão.

Todos mulçumanos são não-cristãos.

 

  • SiP é obvertida para SoP’.

Algumas cadeiras são confortáveis.

Algumas cadeiras não são desconfortáveis.

 

  • SoP é obvertida para SiP’.

Alguns alunos não são atenciosos.

Alguns alunos são desatenciosos.

Um PRINCÍPIO da obversão é: se S está incluído em P, está CERTAMENTE excluído de não P. A OBVERSÃO é uma aplicação do Princípio do Terceiro Excluído: entre termos contraditórios, não há meio-termo.

Dito de outra forma:

A é x

ou

A é não-x

Não há terceira possibilidade (o terceiro está excluído, logo: Princípio do Terceiro Excluído).

 

APLICAÇÃO PRÁTICA DA OBVERSÃO

A figura retórica LÍLOTES*, muito usada na literatura inglesa, e também em outras, é uma aplicação da obversão.

Lílotes: emprego de expressão que diz pouco mas que deixa adivinhar todo o pensamento, muitas vezes com a negação do contrário

Exemplo:

original: Eu fui bem-sucedido naquela empreitada

obversa: eu não fui mal sucedido naquela empreitada 

CONVERSÃO:

Regras para converter uma proposição.

  1. Inverta o sujeito E o predicado.
  2. Se for necessário, e a fim de evitar um processo ilícito, altere a QUANTIDADE (ou MODALIDADE), e, por meio disso, converta por limitação ou “per accidens”.
  3. NÃO altere a qualidade (determinada pela cópula).

A conversão ilícita está entre as mais prolíficas fontes de erro a que está propensa a mente humana. Isso será discutido no Capítulo 9, aguarde! 

CONVERSÃO das formas A E I O:

Nem toda proposição pode ser convertida.

  • SaP* é normalmente convertida por limitação** a PiS, a fim de EVITAR um processo ilícito.

  * lembrando: todo S (sujeito) é P (predicado)

** conversão de SiP, e nesse caso, PiS significa Algum P é S

TODOS os leões são animais (SaP).

ALGUNS  animais são leões (PiS).

  • SiP é convertida de maneira simples em PiS, uma vez que uma proposição I NÃO DISTRIBUI S nem P, o que impede a ocorrência de um processo ilícito quando os termos são transpostos ao converter a proposição.

ALGUMAS rosas são vermelhas. (SiP)

ALGUMAS coisas vermelhas são rosas. (PiS)

  • SoP não pode ser convertida de maneira alguma, pois convertê-la de maneira simples envolveria um processo ilícito de S. Veja:

SoP = ALGUNS leões não são mansos.

a inversão simples seria…

PoS = ALGUNS mansos não são leões.

Na proposição original, S não é distribuído, pois É o sujeito de uma proposição parcial (ou contingente). Acredito que detalhando com mais um outro exemplo, mais coisas fiquem claras

SoP: Algumas rosas não são vermelhas.

PoS: Algumas coisas vermelhas não são rosas.

Reforçando: o “o” da proposição tipo SoP é para apontar que a proposição é parcialmente negativa (ou contingencialmente negativa) – algum S não é P / S pode não ser P. No exemplo acima, rosas é distribuído na proposição CONVERTIDA e é não distribuído na proposição original. Portanto, a conversão envolve um processo ILÍCITO de S. Que ambas as proposições sejam materialmente verdadeiras é um mero acidente (ocorrido com a ajuda do “coisas” na proposição convertida). Sua VERACIDADE não pode ser garantida através do processo formal, uma vez que o processo mesmo é sempre inválido, não importando se a proposição derivada de uma SoP verdadeira é materialmente verdadeira ou falsa.

 

Sete formas edutivas podem ser derivadas de SaP e SeP e três de SiP e de SoP, pela aplicação alternada e sucessiva de dois processos edutivos: obversão  e conversão. Na tabela a seguir, a palavra CONTRAPOSITIVA refere-se à proposição resultante quando a qualidade de uma proposição é mudada e o predicado é convertido em seu contraditório.

A palavra INVERSA é o termo usado para uma proposição que usa o contraditório do sujeito e o predicado da proposição original.

 

EDUÇÕES DE SaP

Pondere CUIDADOSAMENTE o sentido exato de cada uma das proposições acima. Os circulos de Euler podem ser auxiliares úteis na demonstração gráfica do conteúdo de cada uma das proposições. Mas tenha cuidado com o seguinte: S’ e P’ são sujeitos e predicados em si! Logo…

Caramba… isso foi mais trabalhoso do que parece. Espero que seja útil para você, gentil leitora (ou caro leitor).

 

EDUÇÕES DE SeP

O processo de obversão é assinalado por um “O” e o processo de conversão, por um “C”

 

EDUÇÕES DE SiP

 

EDUÇÕES DE SoP

Que P é a DEFINIÇÃO, ou uma propriedade, de S, só pode ser sabido através da matéria. Quando isso ocorre, então SaP é corretamente convertível em PaS por toda a série, porque P e S estão em EXTENSÃO TOTAL e, portanto, distribuídas.

Há MUITO mais sobre EDUÇÃO que pode ser explicado, mas esta lição já está longa demais. O próximo capítulo tratará da MAIS IMPORTANTE das Quatro Relações de Proposições, o silogismo.

Então, para sumarizar em termos gerais, as quatro relações: conjunção, oposição, edução e silogismo.

– Apenas a CONJUNÇÃO é uma relação MATERIAL, as outras (oposição, edução e silogismo) são funções formais.

Uma relação formal é um processo de inferência MEDIATA ou IMEDIATA.

  1. Inferência imediata: envolve apenas duas proposições, procede diretamente de uma à outra sem função mediadora de um terceiro termo ou de uma terceira proposição.
  2. Inferência mediata: envolve três termos em três proposições. Dois termos, S e P, relacionam-se um com o outro em virtude da relação de cada um com um terceiro termo M, que é o meio para relacioná-los.

 

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes