s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Trópicos utópicos

Trópicos utópicos

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Trópicos utópicos

 A que vem o Brasil, afinal como nação?

“Este é um dos mais belos livros escritos sobre o Brasil que já li. E nem é propriamente um livro sobre o Brasil. […] É uma redescoberta do Brasil que aguça a cabeça e comove o coração”

Caetano Veloso

Participando, tempos atrás, de um encontro de professores na FAAP, fui surpreendido, durante a exposição de um colega da Faculdade de Comunicação, Prof. Martin Cezar Feijó, quando ele se referiu a um livro intitulado Como falar dos livros que não lemos?

Refeito da surpresa, e percebendo que não se tratava de uma brincadeira, saí atrás do referido livro. Encontrei, adquiri, li e… nova surpresa: o livro é sério, escrito por um professor respeitável e, acima de tudo, seu conteúdo faz todo o sentido.

Pierre Bayard, o autor, aponta os diferentes graus em que podemos nos referir aos livros que lemos… e que não lemos.

Entre os primeiros, os que lemos, há os que nos marcam de alguma forma, razão pela qual nos lembramos deles com detalhes. Mas há também os que lemos e, passado algum tempo, deles esquecemos quase completamente.

Entre os segundos, os que não lemos, há alguns livros que apenas folheamos e ficamos com uma ideia vaga de seu teor. Mas há alguns que jamais chegaram às nossas mãos, porém, tanto lemos ou ouvimos referências e comentários sobre eles que acabamos podendo falar dos mesmos como se os tivéssemos lido.

Faço essa digressão em razão do recém-lançado Trópicos utópicos, de Eduardo Giannetti. O lançamento foi precedido de tantos artigos, resenhas e entrevistas com o autor, que, ao finalmente ler o livro, tinha já uma boa noção do que iria encontrar ao longo da leitura.

Vale avisar, desde logo, que todas as referências anteriores não reduziram em nada o prazer proporcionado, uma vez mais, pelo texto inteligente e pela análise abrangente e diferenciada de Eduardo Giannetti.

A exemplo do que pode ser visto em outros livros de Giannetti, há uma vastíssima coleção de fontes em que ele se baseia nas diferentes seções em que a obra se divide. Duas explicações me parecem necessárias para que se compreenda como ele consegue chegar a isso. Uma tem origem na sua sólida formação educacional e no interesse que mostrou, desde os primeiros anos de vida, pela leitura e por temas culturais.

A outra pode ser encontrada num trecho da matéria publicada no suplemento de fim de semana do Valor Econômico em sua edição de 1º de julho. Na referida matéria, a jornalista Cristiane Barbieri pergunta como é possível amarrar tantas ideias, usando, analisando e avançando sobre o sumo de pensadores múltiplos, na criação de uma obra sucinta e densa.

A resposta de Giannetti esclarece muito a respeito de seu método de trabalho e da abrangência de suas análises e teve origem durante a década de 1970 quando cursava economia de manhã e ciências sociais à tarde, ambos na USP, mas sentia que as ideias mais reflexivas e abstratas de sociologia e filosofia sumiam de sua cabeça em pouco tempo.

Um mês, dois meses depois de ter lido um livro, eu me perguntava o que tinha ficado e acabava arrasado, eu não me lembrava de quase nada. Passei, então, a anotar compulsivamente o que estava lendo, ou parafraseando ou copiando trechos muito bem resolvidos. Embora a leitura fosse lenta e penosa, eu me lembrava do texto muito tempo depois. […] Graças a Deus, comecei antes do computador!

Foi dessa forma que nasceu a coleção de cadernos, que hoje são mais de 60, que Giannetti utiliza para escrever seus livros. Como cada caderno tem um número e cada página também, ele é capaz de encontrar o que precisa e fazer a conexão das ideias de uma maneira relativamente simples. Tendo conhecimento disso, fica fácil entender como ele escreveu em 2008, O livro das citações, também publicado pela Companhia das Letras.

Caetano Veloso na quarta capa de Trópicos utópicos, afirma tratar-se de “uma redescoberta do Brasil”, narrada por um autor “cujos livros, desde Vícios privados, benefícios públicos? (em que a ênfase recai sobre a interrogação), os brasileiros politizados deveriam ler antes de qualificá-lo como pertencente à malta ‘neoliberal’”.

Escrito como uma sucessão de seções – são 124 no total – o livro pode ser colocado, em minha opinião, entre as mais bem elaboradas interpretações da nação brasileira, ao lado de autores consagrados como Gilberto Freyre, Sergio Buarque de Holanda, Darcy Ribeiro e Roberto DaMatta.

Partindo da premissa de que “o Brasil tem fome de futuro” (p.12), Giannetti divide o texto em quatro partes. Nas três primeiras, são abordados o que ele chama de “ídolos da modernidade”, respectivamente, a ciência, a tecnologia e o crescimento econômico, “e os impasses oriundos dos seus cultos”.

Nas duas primeiras dessas partes, fica nítida a sólida formação de Giannetti em filosofia, antropologia e sociologia, sem contar algumas considerações sobre biologia, o que exige do leitor não especializado uma redobrada atenção. Na terceira, Giannetti passeia, com a propriedade de quem se dedicou por muito tempo à história do pensamento econômico, pelas diferentes interpretações da economia e daquele que é, segundo Delfim Netto, seu objetivo fundamental: a promoção do crescimento econômico, indispensável para a promoção do mais amplo bem-estar social das populações. Nesse passeio, perpassa por clássicos como Adam Smith, Thomas Malthus, Karl Marx, John Stuart Mill, Alfred Marshall, chegando a autores que se debruçaram mais recentemente sobre o tema como John Maynard Keynes, Friedrich Hayek e Robert Fogel.

Na quarta parte, Giannetti desloca o foco para a questão nacional, procurando identificar a perspectiva brasileira que orienta a discussão da crise civilizatória. Também nessa parte, Giannetti recorre a intérpretes relevantes – e muitas vezes de visões conflitantes – da realidade brasileira, tais como Eugênio Gudin, Oswald de Andrade, Antonio Risério, além dos já mencionados Gilberto Freyre e Darcy Ribeiro.

Na conclusão, apresentada na penúltima seção e intitulada Sonhar o Brasil, Giannetti “oferece um esboço de utopia do anacronismo-promessa chamado Brasil”.

Se o objetivo de um autor é provocar a reflexão dos leitores, Giannetti está de parabéns, pois consegue atingir seu objetivo por meio de uma crítica instigante às tentativas reducionistas e radicais de explicar um país com a complexidade do Brasil. Nada mais ilustrador dessa visão instigante do que a 124ª e última seção, intitulada A questão irrespondida: “Tupi, or not tupi that is the question” – propõe a conhecida fórmula antropofágica. “Tupi and not tupi” – eis a possível resposta.

Pelas razões aqui expressadas – e muitas outras que não caberiam num artigo dessa natureza – recomendo a todos a leitura integral do livro do Giannetti, evitando a tentação da não-leitura propugnada por Pierre Bayard. Um texto com tamanha riqueza e abrangência de ideias jamais poderá ser substituído pela leitura de artigos, resenhas ou entrevistas, por mais bem elaborados que sejam.

Iscas para quem quiser se aprofundar

Referências e indicações bibliográficas

BAYARD, Pierre. Como falar dos livros que não lemos? Tradução de Rejane Janowitzer. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.

GIANNETTI, Eduardo. Vícios privados, benefícios públicos? A ética na riqueza das nações. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

_______________ O livro das citações: um breviário de ideias replicantes. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

_______________ Trópicos utópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

_______________ Utopia tropicalista. Entrevista a Jerônimo Teixeira. Veja, 29 de junho de 2016, pp. 17-21.

_______________ O profeta analítico. Entrevista a Cristiane Barbieri. Valor Econômico. Caderno Eu & Fim de Semana, 1 de julho de 2016, pp. 22-26.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado