Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Um ianque, um imperialista e uns brasileiros

Um ianque, um imperialista e uns brasileiros

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Robert Fulton era americano. Nasceu em 1765 e morreu em 1815. Qualquer quarentão/cinquentão que colecionou figurinhas nos anos 70 lembra-se do nome. Era muito lembrado na seção “inventores” dos álbuns. Seu grande feito foi criar um barco a vapor realmente funcional, utilizado em larga escala no comércio fluvial e, posteriormente, marítimo, trazendo enorme avanço ao transporte e ao comércio mundial.

Mas Fulton teve de enfrentar um obstáculo: Os barqueiros pediram sua cabeça. A razão? Ora, simples como um discurso em dilmês: Os donos dos barcos fluviais, movidos a velas ou remos, com baixíssima velocidade e pouca capacidade, estavam indignados com os barcos motorizados de Fulton, que navegavam muito mais rápido, custando muito menos, com grande capacidade de carga – principalmente rio acima. Resultado: Inconformados com o progresso e com o melhor serviço prestado por Fulton, não quiseram atualizar-se e concorrer livremente; preferiram o método marxista de eliminar o melhor concorrente para manter a boquinha. Queriam impor seu serviço ineficiente afundando os barcos a vapor. Mas, finalmente, o progresso venceu o atraso, trazendo lucro e rapidez a todos, e Fulton viu sua criação consagrada.

Algo idêntico aconteceu em 1785 com o inglês Edmund Cartwright (1743-1823), inventor do primeiro tear mecânico, movido também a vapor; os donos das tecelagens manuais destruíam todos os teares de Cartwright, por considerarem o invento “desleal”. O grande inventor também escapou de algumas tentativas de assassinato, promovidas pelos mesmos vanguardistas do atraso. A depender destes, os teares continuariam sempre manuais, com baixa produtividade, operacionalidade ruim, alto custo, grande preço final, e salários miseráveis às operadoras. Mas, como no caso de Fulton, o progresso venceu, e Cartwright tornou-se símbolo da Revolução Industrial, que tantos benefícios trouxe a seu país e ao mundo, com o advento de uma nova era, de prosperidade nunca vista. Obviamente, todos os que se adaptaram lucraram com o progresso e a geração de novos e numerosos empregos.

Mas sempre se pode contar com a turma do retrocesso no Brasil. Impressionante; apesar de todas as lições de avanço econômico do mundo, toda a tecnologia, continuamos a chafurdar na jecaria, na burrice, na falta de visão gerencial. Nada a espantar, vindo de um país onde Aldo Rebelo, ex-ministro dilmolulista de 4 pastas, afirmou ter planejado um sistema de fichas para eliminar computadores e gerar muitos empregos para arquivistas no governo. Pela múmia de Lenin, pelo bigode de Stalin… somos caso perdido.

E, considerando o projeto que tramita no Congresso para proibir aplicativos de transporte do tipo Uber, 99 e outros, somos caso irremediavelmente perdido.

Resumo da ópera: O deputado Carlos Zarattini (PT/SP) propôs proibir esses aplicativos que tanto facilitam a vida do brasileiro, largamente utilizados em todo o mundo civilizado sem o menor problema. Pra piorar, o projeto tem grande chance de aprovação, condenando o povo brasileiro a utiliza um meio de transporte pior, menos confortável e mais caro. É o fim do mundo. E mesmo que o serviço não fosse aquelas coisas, é da democracia o direito à livre escolha. Usa quem quer, quando quiser. Simples, justo e funcional.

Antes que algum taxista mais exaltado atire pedras uberianas, vamos deixar uma coisa clara: O mercado é livre para todo tipo de transporte. Além disso, muitos taxistas que também oferecem seus serviços pelos aplicativos de celular serão prejudicados se essa loucura passar no Congresso, como já passou pela Câmara. Há a possibilidade de reversão no Senado, ou de veto presidencial, mas isso é outro papo. A conferir.

Como muito bem lembrou Reinaldo Azevedo, há espaço pra todos, e a livre concorrência é salutar a qualquer prestação de serviço. E quanto mais afastada da mão podre e corrupta do Estado-mãe, à moda lulista, tanto melhor: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/aplicativos-e-taxis-lancei-o-veta-temer-e-ele-diz-que-veta/

A nota engraçada (na verdade, ridícula) fica por conta da deputada Maria do Rosário, também lulodilmista, que votou contra os aplicativos mas adora usá-los – às custas do povo – como demonstra sua prestação de contas publicada no site O Antagonista: http://www.oantagonista.com/posts/va-de-taxi-maria-do-rosario

Não é só a qualidade ou o preço dos serviços que estão em jogo. Aprovada essa sandice, milhares de carros particulares voltarão às ruas, piorando o trânsito e aumentando poluição e acidentes. Sem contar mais uma dificuldade imposta aos pobres pinguços, que se valem dos aplicativos para não dirigir de fogo. Impressionante como essa gente só age em prol do retrocesso.

Resumo da ópera Brechtiana: Mais uma vez querem tolher a democracia com a justificativa de mais democracia. Isso precisa acabar. E vamos de táxi ou de Uber, não de carroça lulista…

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes