s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Meritocracia, meritocracia... meritocracia... como tem ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Proposições e sua Expressão Gramatical (parte 1)
Alexandre Gomes
DEFINIÇÕES E DISTINÇÕES Proposição e relação de termos. A proposição AFIRMA uma relação de termos. Em uma estrutura de palavras compostas de: um sujeito, uma cópula e um predicado. Os termos ...

Ver mais

A catástrofe circular da escola brasileira
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A catástrofe circular da nossa escola: temos professores de fraca formação acadêmica, com salários miseráveis. Eles oferecem aos seus alunos pouca cultura e, por isso, não os elevam acima da ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Uma certa caixa preta

Uma certa caixa preta

Chiquinho Rodrigues -

O Renato era contato do Estúdio Bandeirantes. Gostava de João Gilberto e flertava um pouco com o violão. Umas das músicas preferidas dele era “Tim Tim Por Tim Tim” do álbum Amoroso do João.

Um dia eu estava ensinando-o a tocar essa música, quando do nada ele me conta que naquela noite ia com a família voltar pra Fortaleza, sua terra natal. Sua esposa não aguentava mais a insegurança aqui de São Paulo.

Meu único argumento foi ele esperar mais uma semana, pois o Brasil ia estrear na Copa (era o ano de 1982), a produtora ia alugar um telão e fazer uma festa bem legal.

Ele disse que não podia esperar. Era um voo noturno que oferecia um bom desconto e ele já havia comprado as passagens. Dei meu disco Amoroso do João de presente pra ele, nos abraçamos, desejei boa viagem e ele partiu.

No dia seguinte quando voltei ao estúdio, vi a Beth que trabalhava com a gente chorando e fiquei sabendo que esse voo tinha se espatifado contra um morro antes de chegar a Fortaleza.

Meses depois no Jornal Nacional mostraram o áudio original da caixa preta e a desorientação dos pilotos que não sabiam que estavam voando tão baixo. Era a primeira vez que eu tinha ouvido falar em caixa preta e fiquei me perguntando qual a sensação, qual a reação da primeira pessoa que abre a caixa e dá o Play. Maluco,  né?

O tempo passou e anos mais tarde recebo a ligação de uma tal de Regina me fazendo um convite pra eu programar as músicas de bordo dos vôos da Vasp.

Você sentava na poltrona e ao lado de um dos braços existia um orifício pra se colocar um fone vagabundo que eles forneciam. Daí você escolhia um dos canais… Rock, MPB, Jazz, Clássico ou Instrumental e dormia.

Topei fazer, sim. Escolher as músicas, organizar, gravar. Tudo isso era fácil e prazeroso pra mim. A complicação começou quando eu soube que tudo isso era gravado em 4 canais, em fita de ¼ de polegada, em rotação três e três quartos, ficava dentro de um troço chamado slot e era enrolada de maneira infinita como as fitas de secretárias eletrônicas!

Pra entender tudo isso eu tive que ir até o centro de manutenção da Vasp pra conversar com um americano chamado Peter que era o chefe por lá.

Era o típico técnico americano. Devia ter uns cinqüenta anos, falava com um forte sotaque inglês, era alto, magro, parecia mórmon e tinha um par de olhos frios e inexpressivos.

Sabe… Quando você entra em uma oficina mecânica, pode até como eu, não entender nada de carro, mas reconhece sem muito esforço um virabrequim, um radiador, uma junta homocinética… sei lá.

Mas quem não é do ramo e entra em um lugar desses, se perde completamente e não sabe o que é o que e pra que serve aquilo!

O Peter me levou para uma bancada onde entre outras coisas estavam os slots. Explicou-me seu funcionamento, como eu deveria enrolar a fita e os cuidados com a tensão nesse processo. Nessa bancada havia outros equipamentos de gravação para manutenção. E entre eles a famosa caixa preta (que é laranja).

Falamos um pouquinho da parte técnica dela e eu disse que a primeira vez em que tinha ouvido falar de caixa preta tinha sido naquele acidente de Fortaleza em 1982. Contei do meu amigo Renato, do disco Amoroso e do meu arrependimento em não ter insistido para que ele não viajasse naquela noite.

Então Peter me contou que tinha sido ele a pessoa que tinha aberto e ouvido pela primeira vez o conteúdo dessa caixa. E que logo nos primeiros segundos de gravação ele havia reconhecido a voz de um grande amigo seu que havia se aposentado e estava naquele dia fazendo seu último voo como profissional pela companhia.

Olhei para os seus olhos e vi que estavam marejados. E só nessa hora, desde que havia entrado naquele estranho lugar, é que percebi que estava diante de um ser humano

 

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues