s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Uma história de áudio

Uma história de áudio

Chiquinho Rodrigues -

Eu fiz meu curso de cinema com o Abrão Bermam. Um cineasta que sabia tudo  dessa arte e teve nos anos 80 um programa na TV Cultura onde ele falava de Produções em Super 8.

Estou falando disso porque dias atrás eu estava revendo um documentário que  ele fez sobre antigas salas de cinema. Ele teve, há muitos anos, o saco de  filmar quase todas as fachadas antigas de cinema do centro e de alguns  bairros de São Paulo… na época em que ir ao cinema era um evento… pura  magia!

Na segunda parte do documentário, ele mostra então no que se transformaram  todas essas salas onde a gente passou boa parte da nossa infância sonhando.  Cinemas que viraram estacionamentos com carros quase empilhados, mercados  enormes, igrejas do Reino Universal, sacolões lotados de chuchu e outras  coisas.

O final é dramático! Uma câmera subjetiva passeia por entre corredores e  gôndolas de um enorme supermercado (onde era o antigo Cine Icaraí, na Mooca)  enquanto a gente vai ouvindo em off  a agonizante trilha original do filme  “O Vento Levou”.

Quando termina, fica aquela mesma sensação quando ouvimos alguma notícia  sobre desmatamentos e queimadas na Amazônia. A sensação ruim de que perdemos  algo irrecuperável.

A narração é feita o tempo todo por um cara chamado Celso Guizard Faria.

Conheci o Celso e muitas outras vozes: Ronaldo Batista, Guilherme  Queiroz, Ronan Junqueira, Oliveira Neto, Odair Baptista, Claudinho Branco,  Edson Mazieiro, Jorge Helal, Rosinha, Ciro Jatene, Sonia Perez, Neville Jorge e muitas outras, no Estúdio Bandeirantes.

Lembro do meu fascínio quando depois de muito tempo gravando com Ronaldo  Batista, é que eu soube que era dele a voz do “Tenente Rip Master” (sei lá  como escreve essa bosta), do seriado Rin Tin Tin. Era dele a voz que narrava  as historinhas infantis nos Disquinhos Coloridos da Continental, que eu  ouvia na minha infância, era dele também a voz do “Major Nelson”, do seriado  Viagem ao Fundo do Mar. (mesmo agora, enquanto escrevo isso aqui, ainda ouço  o barulho irritante da porra daquele sonar dentro do submarino).

Outro cara que lá eu conheci e sou fã até hoje é o Odair Baptista. O criador  e narrador oficial da saudosa “Rádio Camanducaia”.

Sabe… Ele passava horas olhando para um mapa do estado de São Paulo, que a  gente tinha pendurado em uma parede lá no Estúdio Bandeirantes, criando  pérolas como: “Falamos diretamente da Rádio Enchente de Tiete, juntamente  com nossas coirmãs, Rádio Fronha de Lençóis Paulista e Rádio Petit de Poá”  (só quem conhece o Odair, é que sabe do que estou falando).

Nesse Estúdio passou muita gente boa. Atores, cantores, músicos, publicitários, maestros, bicos e centenas de colaboradores.

O principal articulador e aglutinador de tudo isso é um cara que hoje é meu  amigo, meu sócio, meu irmão e quase o tempo todo meu pai. Cláudio Durante.

Passamos mais de vinte anos naquela casa.

Rua Cunha Gago, 463 – Pinheiros.

Época de ouro do Áudio. Anos Dourados dos jingles e das trilhas sonoras. Um  lugar que, por muitos anos, foi de todos os sons, de todos os tons, de todos  os climas… de altos e baixos, de muita grana, de pouca grana, de muita  amizade, de muita briga mas, sobretudo, de muita magia.

Mas um dia, depois de muitos anos e num Brasil de incertezas como o  nosso, a gente teve que deixar aquela casa. Um dia triste numa trajetória  cheia de alegrias.

Mudar e se adaptar a uma nova estrutura não foi tão difícil assim. Duro foi  voltar depois de alguns meses e ver demolida pela metade a casa da Cunha Gago, onde durante anos havia sido o Estúdio Bandeirantes.

Parei em frente e fiquei olhando. A casa não tinha mais telhado e algumas  paredes da frente já estavam derrubadas.

Lá de fora a gente podia ver ainda alguns pedaços de Eucatex que forravam as  paredes do estúdio de gravação.

Paredes que, se tivessem voz, contariam pra gente do dia em que Adoniram  Barbosa esteve lá e gravou um spot premiado com o Clio Awards. Contariam  todas as piadas que o Guilherme Queiroz contou pra gente. Contariam das  vezes em que lá estiveram Lima Duarte, Rolando Boldrim, Luis Armando  Queiroz, as irmãs cantoras Sarah e Ângela, os cantores Paulinho Baiano,  Ringo e Nico Rezende, os publicitários Cacau, Zeca dAbril, Orlando  Marques, Adilson da Open, Fazzio, Ciça, Léo Togashi, Macedônia e Manoel  Choofi, Os arranjadores…
Mauro Georgetti, Will Coks e Edgard Poças, os  técnicos Davi, Miro e Janjão, e também…
Chico batera, Cris, Delmo, Rui,  João Luis, Percy, Lázaro, Leandro, Aurélio, Akamatu, Freitas, João  fotógrafo, Caetano Zama… E por aí vai.

Tenho certeza de que se eu conseguisse encostar o ouvido bem perto dessas  paredes quase destruídas, eu ouviria ainda trechos de jingles infantis  cantados pelo Seltom Melo e o irmão (os dois entre 11 e 12 anos na época).  Ouviria também coisas das Lojas Abaeté…
Tatuzinho… Velho Barreiro…  Kitchens… Tecelagem Cinerama… Cultura Inglesa… Le Postiche… Shampoo  Karina… O Chico Baiano afinando a bateria, o Lázaro tocando piano, e o  Cláudio e o Davi mixando um áudio.

Fiquei torcendo pra que meus amigos David e Miro, que foram técnicos desse  estúdio, não vissem aquilo assim desse jeito. Rezando pra que o Cláudio e a  Beth (que fora  sua secretária), passassem a quilômetros de distância dali  nessa hora.

Ontem, uma vez mais, eu passei de carro ali em frente.

Não resisti e parei.

Sabe cara… Transformaram aquilo tudo num imenso e triste estacionamento.  Lembrei então do documentário sobre as salas de cinema e me perguntei se  estamos fadados a todos nossos sonhos se transformarem em horríveis e frios  estacionamentos.

Parado mais uma vez ali, e lembrando de todas as coisas que vivemos nesse  estúdio, (juro que eu ouvi o som da gente gargalhando das piadas do  Guilherme Queiroz), eu pensei que fosse chorar.

Mas em vez disso, dei partida no carro, engatei a primeira e fui devagarinho  até o semáforo. E quando ele abriu, eu entrei pela última vez à esquerda  na Cardeal Arcoverde.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues