s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Uma nação da galinhas pintadinhas

Uma nação da galinhas pintadinhas

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Salvo o período do Império Brasileiro, talvez esta seja a época mais extraordinária para viver no Brasil. Sério. No futuro, os acontecimentos de hoje parecerão tão impressionantes quanto falsos. A memória será traída a todo momento. O que foi, de fato, imaginação ou realidade? Meus préstimos aos historiadores do futuro, que terão um trabalho gigantesco e insalubre.

Não era disso, porém, que eu gostaria de falar – embora em parte seja, mas nem tanto. Refiro-me à nossa imensa capacidade de terceirizar responsabilidades e à nossa providencial incapacidade de assumir deveres. Este é um tema regular aqui da coluna, eu sei. O problema é que o nosso drama parece não merecer a devida atenção. E assim seguimos a vida delegando, a todo momento, aquilo que nos compete com a mesma tranquilidade com que cultivamos a certeza absoluta de que a responsabilidade, afinal, não é mesmo nossa. A sociologia há de ter alguma explicação equivocada para isso.

Exemplos? Pais que estão certos de que a educação dos seus filhos cabe às babás, aos professores, aos avós das crianças, aos tablets, à Galinha Pintadinha. Pais que estão certos de que os desvios dos filhos são o resultado da má influência dos amigos, mesmo quando o filho é a má influência. Pais que culpam os professores pelo baixo desempenho das crianças e adolescentes na escola. A lista é longa e a vida é breve.

Uma das possíveis origens do problema é o nosso contrato social, que, ao contrário de toda a teoria e prática política do Ocidente, é de tempos em tempos revogado e substituído – a exemplo da nossa Constituição Federal. Já estamos na sétima, aliás, algo impressionante se considerarmos a incrível habilidade do legislador de turno de constranger a geração anterior pela, digamos, qualidade no labor.

Ainda mais extraordinário é o fato de que, passadas sete constituições, parece que desaprendemos o que deve ser feito. A Constituição de 1824, a primeira do país, continua sendo, substantivamente, a melhor que tivemos.

Como, então, respeitar um conjunto de valores expressos na tradição se ambos estão em constante processo de mudança? No Brasil, tradição resume-se a samba e futebol. E a história, para o brasileiro médio, ao cardápio do almoço de ontem. O ovo frito é mais relevante que Bernardo Pereira de Vasconcellos.

Há, de fato, uma relação intrínseca entre o grau de responsabilidade dos homens na sociedade e os valores, princípios e virtudes que orientam a vida em comunidade. Quanto menor o sentido de dever do indivíduo na comunidade, mais baixo será o comprometimento com o ambiente social e natural que o cerca.

Se as pessoas não têm um senso comum baseado na responsabilidade e no dever e, pior, não confiam umas nas outras, tudo fica comprometido nas esferas social, política e econômica. Se ninguém confia em ninguém, por que, então, respeitar as regras formais e informais que (ainda) orientam a vida em sociedade? Quebrar a regra, portanto, se torna a norma.

Como tenho repetido aqui, ancorando a minha observação naquilo que disse o filósofo político Michael Oakeshott no seu ensaio Rationalism in Politics (“Racionalismo na política”), o nosso problema não é meramente político ou econômico. Não é, portanto, uma questão técnica a ser exclusivamente superada. Temos assuntos morais, sociais e espirituais sérios para resolver. Ou enfrentamos logo esse dilema complexo ou nos tornaremos uma nação de galinhas pintadinhas.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen