s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Uma nação da galinhas pintadinhas

Uma nação da galinhas pintadinhas

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Salvo o período do Império Brasileiro, talvez esta seja a época mais extraordinária para viver no Brasil. Sério. No futuro, os acontecimentos de hoje parecerão tão impressionantes quanto falsos. A memória será traída a todo momento. O que foi, de fato, imaginação ou realidade? Meus préstimos aos historiadores do futuro, que terão um trabalho gigantesco e insalubre.

Não era disso, porém, que eu gostaria de falar – embora em parte seja, mas nem tanto. Refiro-me à nossa imensa capacidade de terceirizar responsabilidades e à nossa providencial incapacidade de assumir deveres. Este é um tema regular aqui da coluna, eu sei. O problema é que o nosso drama parece não merecer a devida atenção. E assim seguimos a vida delegando, a todo momento, aquilo que nos compete com a mesma tranquilidade com que cultivamos a certeza absoluta de que a responsabilidade, afinal, não é mesmo nossa. A sociologia há de ter alguma explicação equivocada para isso.

Exemplos? Pais que estão certos de que a educação dos seus filhos cabe às babás, aos professores, aos avós das crianças, aos tablets, à Galinha Pintadinha. Pais que estão certos de que os desvios dos filhos são o resultado da má influência dos amigos, mesmo quando o filho é a má influência. Pais que culpam os professores pelo baixo desempenho das crianças e adolescentes na escola. A lista é longa e a vida é breve.

Uma das possíveis origens do problema é o nosso contrato social, que, ao contrário de toda a teoria e prática política do Ocidente, é de tempos em tempos revogado e substituído – a exemplo da nossa Constituição Federal. Já estamos na sétima, aliás, algo impressionante se considerarmos a incrível habilidade do legislador de turno de constranger a geração anterior pela, digamos, qualidade no labor.

Ainda mais extraordinário é o fato de que, passadas sete constituições, parece que desaprendemos o que deve ser feito. A Constituição de 1824, a primeira do país, continua sendo, substantivamente, a melhor que tivemos.

Como, então, respeitar um conjunto de valores expressos na tradição se ambos estão em constante processo de mudança? No Brasil, tradição resume-se a samba e futebol. E a história, para o brasileiro médio, ao cardápio do almoço de ontem. O ovo frito é mais relevante que Bernardo Pereira de Vasconcellos.

Há, de fato, uma relação intrínseca entre o grau de responsabilidade dos homens na sociedade e os valores, princípios e virtudes que orientam a vida em comunidade. Quanto menor o sentido de dever do indivíduo na comunidade, mais baixo será o comprometimento com o ambiente social e natural que o cerca.

Se as pessoas não têm um senso comum baseado na responsabilidade e no dever e, pior, não confiam umas nas outras, tudo fica comprometido nas esferas social, política e econômica. Se ninguém confia em ninguém, por que, então, respeitar as regras formais e informais que (ainda) orientam a vida em sociedade? Quebrar a regra, portanto, se torna a norma.

Como tenho repetido aqui, ancorando a minha observação naquilo que disse o filósofo político Michael Oakeshott no seu ensaio Rationalism in Politics (“Racionalismo na política”), o nosso problema não é meramente político ou econômico. Não é, portanto, uma questão técnica a ser exclusivamente superada. Temos assuntos morais, sociais e espirituais sérios para resolver. Ou enfrentamos logo esse dilema complexo ou nos tornaremos uma nação de galinhas pintadinhas.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen