s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Uma nova contracultura

Uma nova contracultura

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Hoje é um nome pouco lembrado, mas Johnny Rotten já teve muita fama. Muito mais que os prosaicos 15 minutos que a internet provê a qualquer um. Johnny, atualmente usando seu sobrenome verdadeiro, Lydon, foi vocalista do Sex Pistols, uma das mais conhecidas bandas de rock’n’roll (punk rock, para os puristas) da história musical. Foi um ícone da então chamada “contracultura”; escandalizava a sociedade com seu comportamento errático, sua fala ácida recheada de palavrões, em músicas que defendiam a anarquia e espezinhavam a família real britânica. Bebia e usava drogas excessivamente. Como defensor do movimento punk, implodia a caretice, defendia a liberdade de expressão de uma forma absoluta. Para ele, a vida deveria ser apenas vivida, sem nenhum compromisso, a não ser o prazer hedonista. Doidaço de chupar meia, mas respeitado por músicos de peso no mundo todo, dos Rolling Stones e Neil Young a Caetano (eca) Veloso. Podia-se dizer qualquer coisa sobre Johnny, menos que fosse um conservador. Mas hoje ele é.

Sim, esse doido varrido dos anos 70 passa longe, muito longe da esquerda e do discurso fácil nas redes sociais. Entendeu que o conservadorismo é hoje a verdadeira contracultura, num mundo absolutamente dominado pelo alucinante “politicamente correto”, por “minorias” que se comportam como castas dignas de privilégios, pelo fim da liberdade de expressão, e até pelo, digamos, fim necessário da Humanidade, nestes tempos de Greta Thunberg, em que somos vistos não como um milagre, uma espécie que evoluiu como nenhuma outra conhecida, que voa pelo espaço e mergulha em mares profundos, mas sim como uma mera doença de pele a atacar o planeta, e ainda comete os “crimes” de comer carne e utilizar combustível.

Só para ficar no plano roquenrrôu, Morrissey, ex-vocalista do The Smiths (se tem menos de 40, vai no Google, mano), compatriota e contemporâneo de Johnny, seguiu o mesmo caminho do conservadorismo. Prega o fim imediato do ridículo politicamente correto, a volta do direito de expressão e outras bandeiras que hoje significam o retorno à racionalidade humana, à ambição sadia, à competição honesta, na qual os mais capacitados têm seu valor. Defende o urgente abandono do mundo do mimimi, dessa coisa dodói, dessa bundamolice de discutir gênero ou preconceito em tudo. Chega dessa nova língua Orwelliana, com os tristemente atuais “todxs”, “presidenta”, “empoderamento” e outras lacrações ridículas, fruto de anglicismo imbecil ou não.

Gene Simmons, o linguarudo cantor do grupo Kiss concorda com seus colegas britânicos. Mais coragem e menos vitimismo, prega. Se esses três antigos ícones da contracultura, do “liberou geral”, hoje são conservadores, avaliem os muitos milhões em todos os continentes, jovens ou não, amarelos, negros, brancos, mulheres, gays, ricos ou pobres, seguindo o mesmo caminho, numa tendência aparentemente inexorável, com vitórias eleitorais conservadoras pelo mundo todo. É a razão vencendo a paixãozinha bonitinha, amiguinha, fofinha, mas que não resolve nada. Só traz problemas, nunca soluções. Daí a necessidade dessa “nova contracultura” a abrir espaços, em vez de fechá-los.

Antes que as pedras esquerdistas comecem a voar, não se trata de apoiar Trump ou Bolsonaro, nem de racismo/homofobia/misoginia (são e continuarão sendo crimes horríveis), mas sim de uma coerente tendência mundial de enxergar a vida, o Ser Humano, com clareza, e não com óculos cor-de-rosa que não levam a nada, a não ser à cegueira mimizenta. Também não se trata de uma nova onda extremista/fanática embrulhada em pacote; por exemplo, Johnny Lydon é ateu, Morrissey é vegano, e a imagem demoníaca de Simmons nos palcos já rodou o mundo.

Não por acaso, os galantes defensores dos direitos humanos se calam ante as ditaduras de esquerda do mundo, enquanto torcem o nariz para qualquer coisa que a direita fizer. Impressionante. É o caso de perguntar à extrema esquerda, que torce pelo Covid 19 com o mesmo fervor que torcem pela volta de Fidel Castro do inferno, o quê exatamente está fazendo em prol dos pobres durante esta crise “coronária”? Só filosofando e postando memes de gatinhos com máscara? Filminhos de “fique em casa” ensinando a tomar vinho francês com as taças corretas? Fornecendo listas de filmes e livros? Jura? Sim, Johnny… Precisamos urgente de ação, mediante uma nova contracultura – ou ao menos deixar de viver em uma fantasia tola, uma “realidade” paralela.

Enquanto isso, no Brasil real, a população pobre e neodesempregada se pergunta: como pagar o aluguel e matar a fome das crianças? A esquerda e a sua elite queridinha se comportam como uma espécie de Maria Antonieta multipessoal: Não têm pão? Fiquem em casa.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes