s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Uma nova contracultura

Uma nova contracultura

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Hoje é um nome pouco lembrado, mas Johnny Rotten já teve muita fama. Muito mais que os prosaicos 15 minutos que a internet provê a qualquer um. Johnny, atualmente usando seu sobrenome verdadeiro, Lydon, foi vocalista do Sex Pistols, uma das mais conhecidas bandas de rock’n’roll (punk rock, para os puristas) da história musical. Foi um ícone da então chamada “contracultura”; escandalizava a sociedade com seu comportamento errático, sua fala ácida recheada de palavrões, em músicas que defendiam a anarquia e espezinhavam a família real britânica. Bebia e usava drogas excessivamente. Como defensor do movimento punk, implodia a caretice, defendia a liberdade de expressão de uma forma absoluta. Para ele, a vida deveria ser apenas vivida, sem nenhum compromisso, a não ser o prazer hedonista. Doidaço de chupar meia, mas respeitado por músicos de peso no mundo todo, dos Rolling Stones e Neil Young a Caetano (eca) Veloso. Podia-se dizer qualquer coisa sobre Johnny, menos que fosse um conservador. Mas hoje ele é.

Sim, esse doido varrido dos anos 70 passa longe, muito longe da esquerda e do discurso fácil nas redes sociais. Entendeu que o conservadorismo é hoje a verdadeira contracultura, num mundo absolutamente dominado pelo alucinante “politicamente correto”, por “minorias” que se comportam como castas dignas de privilégios, pelo fim da liberdade de expressão, e até pelo, digamos, fim necessário da Humanidade, nestes tempos de Greta Thunberg, em que somos vistos não como um milagre, uma espécie que evoluiu como nenhuma outra conhecida, que voa pelo espaço e mergulha em mares profundos, mas sim como uma mera doença de pele a atacar o planeta, e ainda comete os “crimes” de comer carne e utilizar combustível.

Só para ficar no plano roquenrrôu, Morrissey, ex-vocalista do The Smiths (se tem menos de 40, vai no Google, mano), compatriota e contemporâneo de Johnny, seguiu o mesmo caminho do conservadorismo. Prega o fim imediato do ridículo politicamente correto, a volta do direito de expressão e outras bandeiras que hoje significam o retorno à racionalidade humana, à ambição sadia, à competição honesta, na qual os mais capacitados têm seu valor. Defende o urgente abandono do mundo do mimimi, dessa coisa dodói, dessa bundamolice de discutir gênero ou preconceito em tudo. Chega dessa nova língua Orwelliana, com os tristemente atuais “todxs”, “presidenta”, “empoderamento” e outras lacrações ridículas, fruto de anglicismo imbecil ou não.

Gene Simmons, o linguarudo cantor do grupo Kiss concorda com seus colegas britânicos. Mais coragem e menos vitimismo, prega. Se esses três antigos ícones da contracultura, do “liberou geral”, hoje são conservadores, avaliem os muitos milhões em todos os continentes, jovens ou não, amarelos, negros, brancos, mulheres, gays, ricos ou pobres, seguindo o mesmo caminho, numa tendência aparentemente inexorável, com vitórias eleitorais conservadoras pelo mundo todo. É a razão vencendo a paixãozinha bonitinha, amiguinha, fofinha, mas que não resolve nada. Só traz problemas, nunca soluções. Daí a necessidade dessa “nova contracultura” a abrir espaços, em vez de fechá-los.

Antes que as pedras esquerdistas comecem a voar, não se trata de apoiar Trump ou Bolsonaro, nem de racismo/homofobia/misoginia (são e continuarão sendo crimes horríveis), mas sim de uma coerente tendência mundial de enxergar a vida, o Ser Humano, com clareza, e não com óculos cor-de-rosa que não levam a nada, a não ser à cegueira mimizenta. Também não se trata de uma nova onda extremista/fanática embrulhada em pacote; por exemplo, Johnny Lydon é ateu, Morrissey é vegano, e a imagem demoníaca de Simmons nos palcos já rodou o mundo.

Não por acaso, os galantes defensores dos direitos humanos se calam ante as ditaduras de esquerda do mundo, enquanto torcem o nariz para qualquer coisa que a direita fizer. Impressionante. É o caso de perguntar à extrema esquerda, que torce pelo Covid 19 com o mesmo fervor que torcem pela volta de Fidel Castro do inferno, o quê exatamente está fazendo em prol dos pobres durante esta crise “coronária”? Só filosofando e postando memes de gatinhos com máscara? Filminhos de “fique em casa” ensinando a tomar vinho francês com as taças corretas? Fornecendo listas de filmes e livros? Jura? Sim, Johnny… Precisamos urgente de ação, mediante uma nova contracultura – ou ao menos deixar de viver em uma fantasia tola, uma “realidade” paralela.

Enquanto isso, no Brasil real, a população pobre e neodesempregada se pergunta: como pagar o aluguel e matar a fome das crianças? A esquerda e a sua elite queridinha se comportam como uma espécie de Maria Antonieta multipessoal: Não têm pão? Fiquem em casa.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes