s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

O “anti” não funciona mais.
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Em política, imagem em construção no presente faz diferença. Imagem consolidada no passado, boa ou ruim, costuma ser decisiva.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Uma ponte longe demais

Uma ponte longe demais

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                              Holanda, setembro de 1944. O alto comando aliado pretende tomar dos nazistas as pontes sobre o rio Reno e alcançar a vitória final. O marechal Montgomery e o general Browning (ingleses) se negam a admitir o imenso risco da operação e, movidos pela arrogância, pela cegueira da presunção, ignoram os alertas de que poderiam estar lutando por “uma ponte longe demais”, e exigem o prosseguimento do plano – que em apenas 8 dias se revela um fracasso completo. Os aliados sofrem pesadas perdas e os alemães os empurraram pra fora da Holanda, segurando as pontes tão necessárias; a perda de equipamento e de soldados (britânicos, poloneses, americanos) foi imensa. Derrotados pela empáfia dos generais, sua auto-imagem tão inflada quanto falsa, pela característica de todo arrogante se julgar o máximo – culpados são sempre os outros – e, principalmente, pela maldita mania de deixar a estratégia política se sobrepor à militar.

                                              Esse é o preço pago pelos arrogantes, que têm muitas ideias e nenhuma realização: O nariz empinado não impede suas derrotas; a realidade é inexorável até para a granfina de narinas de cadáver, como diria Nélson Rodrigues. Tropeçam nas pedras que não enxergam, pois se recusam a olhar para baixo, para os que executam o serviço sujo e pesado. Exigem, mas nada fazem; e nunca aprendem com seus erros, acreditam-se infalíveis. Afinal, axiomaticamente, são arrogantes, ora pois.

                                              Pulo para a tal Celac, cúpula dos países latinos que discute um monte de nada e surfam na arrogância comunista: O ditador Raúl Castro, bandido-chefe da mais longeva e sanguinária ditadura das Américas, “exige” o fim do embargo norte-americano à sua ilha-presídio. “Exige” também reparação por “danos” (?!), devolução da baía de Guantánamo e, só depois, dará aos Estados Unidos a honra, glória e o imenso prazer de retomarem relações comerciais e diplomáticas. O imbecil não só se acha a última bolacha do pacote, como acredita que o mundo lhe dá muita atenção. Ninguém dá a mínima, exceto meia dúzia de jecas e os lulistas de sempre, Frei (?) Betto na pole position. O rato que ruge crê estar em posição de “exigir” algo, quando devia pedir. Pedir desculpas ao mundo pelas dezenas de milhares de cadáveres que ele e seu irmão assassino produziram; por toda a fome, doenças, miséria, fuzilamento, tortura, apoio a outras ditaduras, além de golpes de estado, tráfico de drogas, armas, terrorismo que espalharam por seu país, pela América e pela África.

Dilma não fica atrás; no máximo, à esquerda. Em seu discursinho imprestável de anteontem, com os 39 (trinta e nove!) ministros, não reconheceu nenhum de seus muitos erros no 1º mandato, mas defendeu “mudanças” a implantar. Age como se ela mesma não tivesse empurrado o País ao fundo do poço, com as âncoras da corrupção e de uma administração desastrosa. Sua arrogância extrema faz com que atribua a alguma entidade desconhecida tais atrocidades. Fala como se fosse outro, e não ela, o presidente nos últimos 4 anos. Uma verdadeira professora na podre arte da arrogância, “exigindo” respeito à Petrobrás, a empresa que ela e seu mentor faliram, bem como a ilusão do pré-sal, vendido como o nirvana petrolífero.

                                              Voltando ao truísmo que expõe a impossibilidade de um arrogante aprender com seus erros, os jornais mostram qual a “estratégia salvadora” dos comunistas vencedores nas eleições gregas para “salvar” o país: “Decidiram” não pagar as dívidas (nem mesmo a internas) assumidas pelo governo grego, e fim. Ah, o primeiro-ministro eleito, Alexis Tsipras, “exige” respeito do mundo e, como seus colegas stalinistas, promete mundos e fundos sem a menor ideia de onde virá dinheiro pra isso. Luciana Genro é fã ardorosa desse sujeito psicótico. Olha que coisa simples e perfeita, camarada Wladimir Illych. Viva a arrogância, e os pobres coitados que se danem. Alguém sempre paga o pato no lugar dos empinadores de nariz, essas focas amestradas no picadeiro do circo mundial com bilhões de palhaços. O arrogante nunca enxerga que a ponte está longe demais porque nunca luta por ela. Quem luta são aqueles que ele despreza.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes