s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Vandré & Le Bristol

Vandré & Le Bristol

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O Brasil, definitivamente, é um país que representa nada menos que um inferno pra quem vive dentro de um mínimo de raciocínio lógico; aqui, qualquer boato se espalha como fogo no mato seco, e é tratado como se fosse a verdade mais inabalável do sistema solar. Já uma verdade evidente, axiomática, acaciana, visível, é encarada com toda a desconfiança do mundo, e esclarecer um fato simples pode ser considerado o 13º trabalho de Hércules. País estranho este, onde tudo funciona ao contrário, como um carrossel enlouquecido.

Geraldo Vandré foi ícone da música engajada nos anos 70/80; em qualquer rodinha onde se fumasse algo ilegal ou rolasse um combo cerveja-violão, obrigatoriamente apareceria alguém tocando Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores (Caminhando e cantando…). A rodinha delirava de patriotismo infantil, contando e recontando lendas sobre Vandré: Que fora barbaramente torturado pela ditadura, que mal podia andar em razão das sequelas do pau-de-arara, que tocaram fogo em sua barba, e seu rosto estava desfigurado… que não podia aparecer em público pelas ameaças dos militares e pela vergonha de seu corpo massacrado. Uma espécie de Fantasma da Ópera tupinambá, que um dia reapareceria para liderar as massas, camarada. E dá-lhe cana, violão e marofa. Todo mundo caminhando e cantando aquela música meio pobre, composta com apenas dois acordes, como se fosse um hino redentor.

Bom, um belo dia, Vandré reapareceu. Disse que nunca fora torturado, jamais incendiaram sua barba (mesmo porque nem usava o adereço); que nunca fora pendurado nem ameaçado. Só não estava mais a fim de aparecer, e deu um tempo no ostracismo. Para provar, compôs uma obra insuspeita: Fabiana, o hino de nossa Força Aérea. Finalizou revelando que tem ótimo trânsito e amizade entre os militares. Mas para os oligofrênicos stalinistas, a verdade é apenas um conceito burguês, e o que vale é a versão, jamais o fato. E continuam a propagar essa fantasia, esses boatos desfeitos pela própria “vítima”.

De outro lado, Dilma, a nossa Maria Antonieta. Foi mais uma vez passear em Paris, sexta passada, sob o álibi da COP 21, que só começaria na segunda-feira. Fim de semana de folga, acompanhada de um enorme séquito, com tudo pago por nós, na cidade-luz. Todos hospedados no nababesco, estonteante, deslumbrante Hotel Le Bristol, um dos mais caros e luxuosos da França (mostrado no filme Meia-noite em Paris, de Woody Allen): https://marligo.wordpress.com/2015/11/30/le-bristol-nossa-presidente-esta-muito-bem-instalada-em-paris-veja-pagamos-para-que-ela-fique-bem/.

Madame escolheu para si uma suíte de 70 mil a diária. Atenção: O País descendo a ladeira, sem freios, quebrado e nadando no desemprego, e a Rainha da Mandioca gasta R$ 70.000,00 por dia, só em hotel, pra não fazer nada minimamente útil. Tudo bancado por nós, incluindo despesas extras como restaurantes caríssimos e as indefectíveis limusines blindadas. A autoproclamada “coração valente” (pobre, pobre William Wallace) podia fazer uma forcinha e ficar na embaixada brasileira… mas, ao que parece, seria muita humilhação para uma dama de sangue azul, mulher sapiens da alta nobreza. Entretanto, a lulada diz que isso é bobagem, economia porca, hipocrisia, que Dilma tem de ser bem tratada quando viaja, que é tudo pela segurança dela, mandatária suprema, e demais desculpas esfarrapadíssimas. E o povo cai nessa lorota, taspariu. Só ela, 70 paus de hotel por dia, meu Deus.

Já os argentinos não caem (mais) nessa. Depois de 16 anos de um populismo tão imundo quanto o nosso, eles acordaram. Elegeram Mauricio Macri para a presidência; ele chega amanhã em Brasília, em avião de carreira, com apenas três assessores; nada de hotéis, volta para seu país no mesmo dia. Americanos, idem. Obama fica sempre em bons hotéis, mas nunca em palácios opulentos como Dilma. Nem esbanja dinheiro público com frotas de limusines ou banquetes; é comum o presidente dos EUA dormir em embaixadas, economizando o dinheiro do povo. Parece que, ao norte do planeta, a razão se sobrepõe ao delírio. Aqui, continua a versão sobrepondo-se aos fatos – cada vez mais desmoralizada.

untitled

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes