s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Vandré & Le Bristol

Vandré & Le Bristol

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O Brasil, definitivamente, é um país que representa nada menos que um inferno pra quem vive dentro de um mínimo de raciocínio lógico; aqui, qualquer boato se espalha como fogo no mato seco, e é tratado como se fosse a verdade mais inabalável do sistema solar. Já uma verdade evidente, axiomática, acaciana, visível, é encarada com toda a desconfiança do mundo, e esclarecer um fato simples pode ser considerado o 13º trabalho de Hércules. País estranho este, onde tudo funciona ao contrário, como um carrossel enlouquecido.

Geraldo Vandré foi ícone da música engajada nos anos 70/80; em qualquer rodinha onde se fumasse algo ilegal ou rolasse um combo cerveja-violão, obrigatoriamente apareceria alguém tocando Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores (Caminhando e cantando…). A rodinha delirava de patriotismo infantil, contando e recontando lendas sobre Vandré: Que fora barbaramente torturado pela ditadura, que mal podia andar em razão das sequelas do pau-de-arara, que tocaram fogo em sua barba, e seu rosto estava desfigurado… que não podia aparecer em público pelas ameaças dos militares e pela vergonha de seu corpo massacrado. Uma espécie de Fantasma da Ópera tupinambá, que um dia reapareceria para liderar as massas, camarada. E dá-lhe cana, violão e marofa. Todo mundo caminhando e cantando aquela música meio pobre, composta com apenas dois acordes, como se fosse um hino redentor.

Bom, um belo dia, Vandré reapareceu. Disse que nunca fora torturado, jamais incendiaram sua barba (mesmo porque nem usava o adereço); que nunca fora pendurado nem ameaçado. Só não estava mais a fim de aparecer, e deu um tempo no ostracismo. Para provar, compôs uma obra insuspeita: Fabiana, o hino de nossa Força Aérea. Finalizou revelando que tem ótimo trânsito e amizade entre os militares. Mas para os oligofrênicos stalinistas, a verdade é apenas um conceito burguês, e o que vale é a versão, jamais o fato. E continuam a propagar essa fantasia, esses boatos desfeitos pela própria “vítima”.

De outro lado, Dilma, a nossa Maria Antonieta. Foi mais uma vez passear em Paris, sexta passada, sob o álibi da COP 21, que só começaria na segunda-feira. Fim de semana de folga, acompanhada de um enorme séquito, com tudo pago por nós, na cidade-luz. Todos hospedados no nababesco, estonteante, deslumbrante Hotel Le Bristol, um dos mais caros e luxuosos da França (mostrado no filme Meia-noite em Paris, de Woody Allen): https://marligo.wordpress.com/2015/11/30/le-bristol-nossa-presidente-esta-muito-bem-instalada-em-paris-veja-pagamos-para-que-ela-fique-bem/.

Madame escolheu para si uma suíte de 70 mil a diária. Atenção: O País descendo a ladeira, sem freios, quebrado e nadando no desemprego, e a Rainha da Mandioca gasta R$ 70.000,00 por dia, só em hotel, pra não fazer nada minimamente útil. Tudo bancado por nós, incluindo despesas extras como restaurantes caríssimos e as indefectíveis limusines blindadas. A autoproclamada “coração valente” (pobre, pobre William Wallace) podia fazer uma forcinha e ficar na embaixada brasileira… mas, ao que parece, seria muita humilhação para uma dama de sangue azul, mulher sapiens da alta nobreza. Entretanto, a lulada diz que isso é bobagem, economia porca, hipocrisia, que Dilma tem de ser bem tratada quando viaja, que é tudo pela segurança dela, mandatária suprema, e demais desculpas esfarrapadíssimas. E o povo cai nessa lorota, taspariu. Só ela, 70 paus de hotel por dia, meu Deus.

Já os argentinos não caem (mais) nessa. Depois de 16 anos de um populismo tão imundo quanto o nosso, eles acordaram. Elegeram Mauricio Macri para a presidência; ele chega amanhã em Brasília, em avião de carreira, com apenas três assessores; nada de hotéis, volta para seu país no mesmo dia. Americanos, idem. Obama fica sempre em bons hotéis, mas nunca em palácios opulentos como Dilma. Nem esbanja dinheiro público com frotas de limusines ou banquetes; é comum o presidente dos EUA dormir em embaixadas, economizando o dinheiro do povo. Parece que, ao norte do planeta, a razão se sobrepõe ao delírio. Aqui, continua a versão sobrepondo-se aos fatos – cada vez mais desmoralizada.

untitled

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes