s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Velhos amigos

Velhos amigos

Chiquinho Rodrigues -

O Vitché era um filho da puta!

Ele tinha vinte e um anos, era meu irmão, seis anos mais velho que eu, e já se julgava  um grande adulto. Vivia me enchendo o saco com mil apelidos tipo: “chapecó”,  “benza”,  “orelha de abano” (quando eu era moleque, era orelhudo). Mas o que  me deixava mais chateado mesmo era ele não deixar encostar a mão naquele  bendito violão!

Ele estava aprendendo a tocar aquela porra e só estudava na hora do almoço, por mais ou menos uns vinte minutos, e então enjoava. Depois  disso, só de pirraça, desafinava todas as cordas e escondia aquela droga  atrás do sofá, onde ele pensava que eu não acharia.

Pura besteira! Eu estudava de manhã no S.Judas Tadeu e coçava a tarde  inteira. Portanto, era só ele ir embora que eu pegava aquele troço, afinava  do meu jeito e ficava tocando horas… até doer a mão! Eu já estava com o  saco cheio de tocar “Corcovado”. Mas, quem tinha aula de violão era o Vitché  e, se ele não estudasse, “nós” não mudaríamos de música.

Pois bem! Era um domingo. Eu achei que ele não estivesse em casa e fui acompanhado de João Gilberto na vitrola tocar, pela milésima vez,  a nossa canção predileta: “Corcovado”.

Tô eu lá na maior concentração, quando pressinto alguém atrás de mim… olho pra trás e quem vejo? Isso mesmo! VITCHÉ!

Lá fui eu protegendo a cabeça, achando que vinha porrada.

Mas, pra surpresa minha, ele pediu pra que eu tocasse mais uma vez e…  gostou! (era a primeira vez que estava ouvindo eu tocar) Mandou eu trocar de  roupa e fomos até a casa do Didi, seu professor de violão.

A escola era onde é até hoje, na esquina da Avenida Paes de Barros com a Curupacê.

Aí Luciano… eu vi o cara tocar! (Era a época da Bossa Nova)

Foi um desfile de Garotas de Ipanema, Dindis, sambas de aviões, de verões, de céu, de sol, de sal, de sul e a puta que pariu! Fora  que além de tocar violão, o cara tocava piano, flauta e cantava!

Eu me senti dentro de um daqueles apartamentos no Rio de Janeiro onde se  iniciou a Bossa Nova que eu tanto amava. Foi uma manhã inesquecível. Saí de lá flutuando, bêbado e inebriado com tanto talento. Além do que o Didi, acho que atendendo as preces da minha mãe e dos meus vizinhos, me passou mais  umas três músicas novas (ufa!), pra eu ensaiar em casa. No meu rosto devia  estar pendurado aquele sorriso idiota que só orgulho de pai ou felicidade plena podem emprestar.

Aquilo entrou em meus ouvidos e imprimiu algo tão forte em minha alma, que  eu soube naquele instante que nunca mais minha vida seria a mesma.

Assim foi e assim tem sido. O violão se tornou meu universo. Meu cúmplice, amigo, confidente, companheiro de lindas frases e  parceiro do meu legado.

Naquele domingo, saindo da casa do Didi, descendo a Paes de Barros, eu decidi que não viveria mais sem a música. Às vezes me pergunto:  como é que pôde um simples pedaço de pau, preso em seis cordas, mexer tanto  com a vida de uma pessoa?

Mas quando pego um violão pra tocar, algo químico e mágico  acontece entre nós dois. Algo que só algumas pessoas de sensibilidade, quando me ouvem ou me vêem tocando, conseguem sentir. Porém,  não conseguem explicar.

E talvez não haja mesmo nenhuma explicação.

Pois ninguém que tenha passado pela minha vida chegou sequer perto desse  entendimento.

Talvez o único que tenha entendido (e culpado de tudo isso) tenha sido o filho da puta do Vitché.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues