s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Vendedores debruçados ou conversando

Vendedores debruçados ou conversando

Suely Pavan Zanella - Iscas Comportamentais -

Suely Pavan Zanella

Sua postura comunica o quê?

Pode comunicar atenção; desprezo; falta de interesse disfarçado por verniz falso; desânimo e até desqualificação total em relação aos demais.

Tenho observado uma postura comum em lojas e supermercados. São vendedores debruçados em balcões ou reclamando nos corredores dos supermercados. Outros, ainda, não tiram os olhos do celular. Até seguranças de lojas estão mais atentos ao que se passa no celular do que ao seu redor. Por outro lado, ouço e vejo na TV ao menos de cinco em cinco segundos a frase: O Brasil está em crise.

Então, meu pensamento automático é: Acho que estas pessoas não têm medo de perder seus empregos, pois não fazem nada, absolutamente nada para mantê-los.

Vendedores, atendentes e seguranças são profissionais que não podem se esconder. Mas é o que tem feito já há algum tempo.

No Natal, observei correntemente este tipo de comportamento em lojas de shoppings e grandes supermercados. Não havia esforço algum para efetuar vendas ou atender bem o cliente. Cansei de pedir licença para alguns com o objetivo de interromper conversas normalmente ligadas ao tempo que faltava para irem embora da empresa. O desejo, assim parecia, era de sair correndo e só ganhar o salário na data certa, mais nada. Outros seguem a velha cartilha de seguir o cliente tal como urubus, são sufocantes. E, óbvio, sua postura denota desconfiança e desespero.

Como sou de me aprofundar, notei que este modus operandi bastante comum não era observado por nenhum supervisor ou gerente. Estas figuras pareciam inexistir, ou talvez estivessem escondidas em algum lugar. A palavra supervisão significa ter visão grande. Um bom supervisor ou gestor olha constantemente o que se passa ao seu redor. Não é um controlador de gestos, mas um observador de atitudes. E também orienta em caráter privado, jamais público, quando percebe que algo está errado. As únicas vezes (e foram bem raras) em que vi supervisores chamando a atenção o fizeram de forma grosseira e quase sempre gritando, e o pior: na frente dos clientes.

Além da falta de supervisores, há um evidente erro na hora da contratação. A impressão que dá é que contratam qualquer um, e por assim fazer não ligam para o seu desempenho. E, claro, não há o mínimo investimento em treinamento de vendas ou atendimento.

Como posturas na comunicação são mais importantes do que palavras, o resultado é a não venda. Então me pergunto: por qual razão estas empresas (todas grandes e com marcas conhecidas, aliás) fazem questão de contratar gente assim?

Será que não percebem que estão dando tiros no pé?

No final do ano vi pessoas ávidas para comprar, e pouca gente interessada em vender ou atender.

Em tempos de crises isso é inexplicável.

faleconosco@pavandesenvolvimento.com.br

Ver Todos os artigos de Suely Pavan Zanella