Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Venezuela: Longo processo de degradação

Venezuela: Longo processo de degradação

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Venezuela: Longo processo de degradação[1]

 “A Venezuela serve de advertência para o resto da América Latina quanto aos custos da degradação e falência das instituições públicas.”

Norman Gall

Uma das características da economia globalizada em que vivemos diz respeito ao fim das distâncias, título do livro escrito pela editora-chefe da revista The Economist, Frances Cairncross. Graças a essa característica, qualquer lugar do mundo torna-se acessível, num curto período de tempo e por um preço relativamente baixo.

Nem sempre as coisas foram assim. Até o início da segunda metade do século passado, viajar para o exterior era considerado um luxo, possível apenas para uma minoria privilegiada.

No Brasil, mesmo integrantes dessa minoria privilegiada iam raramente ao exterior e o destino mais procurado era Buenos Aires. Afinal, a Argentina havia atingido elevado nível de desenvolvimento ao final da primeira metade do século, com um padrão de vida superior, inclusive, ao observado em alguns países do sul da Europa.

As décadas de 1960 e 1970 testemunharam um profundo retrocesso da economia argentina e, paralelamente, a ascensão de alguns países da América do Sul, em especial o Brasil, que viveu de 1968 a 1973 um período que ficou conhecido como o do “milagre econômico”, com o País crescendo a taxas médias anuais em torno de 10%. Também cresceram em bom ritmo nessa época países como Peru e Venezuela.

A reversão ocorreu na década seguinte, que se tornou conhecida na região como década perdida (Tabela 1), durante a qual apenas três países da região obtiveram desempenho positivo, República Dominicana, Chile e Colômbia.

Tabela 1: A Década Perdida 

1981 – 1989

Crescimento do PIB por Habitante

América Latina* (8,3) Chile 9,6
Bolivia (26,6) Haiti (18,6)
Equador (1,1) Honduras (12,0)
México (9,2) Nicarágua (33,1)
Peru (24,7) Panamá (17,2)
Venezuela (24,9) Paraguai 0,0
Argentina (23,5) Rep. Dominicana 2,0
Brasil (0,4) Uruguai (7,2)
Colômbia 13,9 Guatemala (18,2)
Costa Rica (6,1) El Salvador (17,4)

Reproduzida do livro Qual Democracia?, de Francisco Weffort, p. 67.
(*) O índice geral, elaborado pela CEPAL, inclui todos os países latino-americanos,
não apenas os aqui listados. Não considera os dados de Cuba porque
o conceito de produto social é diferente dos demais.

Quem teve oportunidade de viajar à Venezuela a partir da metade da década de 1950 ficou, muito provavelmente, impressionado com a primeira experiência proporcionada ao visitante. Verdadeiro cartão de visita da Venezuela, a estrada Caracas-La Guaira liga o Aeroporto de Maiquetia (oficialmente chamado de Simón Bolivar) à capital venezuelana. Com quase 17 km de extensão, foi inaugurada em 1953, sendo considerada a obra de engenharia mais importante realizada na América Latina depois do Canal do Panamá. Era, então, disparadamente a melhor estrada do continente, com várias pistas, longos túneis, viadutos e leito carroçável impecável.

Tal motivo de orgulho para os venezuelanos perdurou por alguns anos, mas, à medida que o tempo ia passando, cada vez mais ela se constituía numa exceção. Uma ilha de excelência cercada por cenas de flagrante pobreza e acentuada desigualdade. Com o passar dos anos, no entanto, até essa ilha de excelência desapareceu, dando lugar a uma autopista completamente deteriorada, sem manutenção e com trechos interditados em função de desabamentos e do risco oferecido aos que nela trafegavam.

Sendo um dos grandes produtores de petróleo, a Venezuela teve sua economia fortemente dependente desse produto e o que se pôde observar por décadas e décadas foi a má distribuição da renda do petróleo, com a apropriação da maior parte dessa renda por uma parcela mínima da sociedade. Nos anos em que esteve à frente do governo, Hugo Chávez não conseguiu com seu Socialismo do Século 21 alterar esse panorama e a Venezuela continuou a ser uma economia rentista de petróleo. O que mudou é que a partir do governo de Chávez uma camada mais ampla passou a se apropriar da maior parcela dessa renda.

Isso explica a vitória de Nicolás Maduro nas eleições que se seguiram à morte de Hugo Chávez. Concorrendo como continuador do governo chavista, embora longe de possuir o carisma de seu inspirador, Maduro teve o apoio da parte da população do país que, até o advento Chávez, foi sempre esquecida e marginalizada.

De lá para cá, entretanto, as condições econômicas se agravaram muito, com escassez quase generalizada de produtos, levando a uma profunda crise política e social, que culminou com a intermediação do próprio Vaticano.

O serviço diplomático da Santa Sé existe há mais de um milênio. Sob o Papa Francisco, o Vaticano já intermediou, por exemplo, o restabelecimento de relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos.

A diplomacia vaticana tem se referido à conjuntura venezuelana como “preocupante”. Em recente encontro privado com o presidente Maduro, o Papa Francisco disse querer contribuir para a estabilidade institucional do país e para criar confiança entre as partes em conflito.

Apesar da intervenção do Vaticano, o clima permanece extremamente tenso e, dadas as péssimas condições de vida hoje observadas, também vemos com enorme preocupação o futuro imediato da Venezuela.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráfica

CIRNCROSS, Frances. O fim das distâncias: como a revolução nas comunicações transformará nossas vidas. Tradução de Edite Sciulli e Marcos T. Rubino. São Paulo: Nobel, 2000.

GALL, Norman. Petróleo e democracia na Venezuela. Braudel Papers 40 e 41. Disponiveis em http://pt.braudel.org.br/publicacoes/braudel-papers/40.php e http://pt.braudel.org.br/publicacoes/braudel-papers/41.php.

WEFFORT, Francisco. Qual democracia? São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

[1] Escrito em parceria com Rogério Schmitt, cientista político e colaborador do Espaço Democrático.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado