s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Venezuela: Longo processo de degradação

Venezuela: Longo processo de degradação

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Venezuela: Longo processo de degradação[1]

 “A Venezuela serve de advertência para o resto da América Latina quanto aos custos da degradação e falência das instituições públicas.”

Norman Gall

Uma das características da economia globalizada em que vivemos diz respeito ao fim das distâncias, título do livro escrito pela editora-chefe da revista The Economist, Frances Cairncross. Graças a essa característica, qualquer lugar do mundo torna-se acessível, num curto período de tempo e por um preço relativamente baixo.

Nem sempre as coisas foram assim. Até o início da segunda metade do século passado, viajar para o exterior era considerado um luxo, possível apenas para uma minoria privilegiada.

No Brasil, mesmo integrantes dessa minoria privilegiada iam raramente ao exterior e o destino mais procurado era Buenos Aires. Afinal, a Argentina havia atingido elevado nível de desenvolvimento ao final da primeira metade do século, com um padrão de vida superior, inclusive, ao observado em alguns países do sul da Europa.

As décadas de 1960 e 1970 testemunharam um profundo retrocesso da economia argentina e, paralelamente, a ascensão de alguns países da América do Sul, em especial o Brasil, que viveu de 1968 a 1973 um período que ficou conhecido como o do “milagre econômico”, com o País crescendo a taxas médias anuais em torno de 10%. Também cresceram em bom ritmo nessa época países como Peru e Venezuela.

A reversão ocorreu na década seguinte, que se tornou conhecida na região como década perdida (Tabela 1), durante a qual apenas três países da região obtiveram desempenho positivo, República Dominicana, Chile e Colômbia.

Tabela 1: A Década Perdida 

1981 – 1989

Crescimento do PIB por Habitante

América Latina* (8,3) Chile 9,6
Bolivia (26,6) Haiti (18,6)
Equador (1,1) Honduras (12,0)
México (9,2) Nicarágua (33,1)
Peru (24,7) Panamá (17,2)
Venezuela (24,9) Paraguai 0,0
Argentina (23,5) Rep. Dominicana 2,0
Brasil (0,4) Uruguai (7,2)
Colômbia 13,9 Guatemala (18,2)
Costa Rica (6,1) El Salvador (17,4)

Reproduzida do livro Qual Democracia?, de Francisco Weffort, p. 67.
(*) O índice geral, elaborado pela CEPAL, inclui todos os países latino-americanos,
não apenas os aqui listados. Não considera os dados de Cuba porque
o conceito de produto social é diferente dos demais.

Quem teve oportunidade de viajar à Venezuela a partir da metade da década de 1950 ficou, muito provavelmente, impressionado com a primeira experiência proporcionada ao visitante. Verdadeiro cartão de visita da Venezuela, a estrada Caracas-La Guaira liga o Aeroporto de Maiquetia (oficialmente chamado de Simón Bolivar) à capital venezuelana. Com quase 17 km de extensão, foi inaugurada em 1953, sendo considerada a obra de engenharia mais importante realizada na América Latina depois do Canal do Panamá. Era, então, disparadamente a melhor estrada do continente, com várias pistas, longos túneis, viadutos e leito carroçável impecável.

Tal motivo de orgulho para os venezuelanos perdurou por alguns anos, mas, à medida que o tempo ia passando, cada vez mais ela se constituía numa exceção. Uma ilha de excelência cercada por cenas de flagrante pobreza e acentuada desigualdade. Com o passar dos anos, no entanto, até essa ilha de excelência desapareceu, dando lugar a uma autopista completamente deteriorada, sem manutenção e com trechos interditados em função de desabamentos e do risco oferecido aos que nela trafegavam.

Sendo um dos grandes produtores de petróleo, a Venezuela teve sua economia fortemente dependente desse produto e o que se pôde observar por décadas e décadas foi a má distribuição da renda do petróleo, com a apropriação da maior parte dessa renda por uma parcela mínima da sociedade. Nos anos em que esteve à frente do governo, Hugo Chávez não conseguiu com seu Socialismo do Século 21 alterar esse panorama e a Venezuela continuou a ser uma economia rentista de petróleo. O que mudou é que a partir do governo de Chávez uma camada mais ampla passou a se apropriar da maior parcela dessa renda.

Isso explica a vitória de Nicolás Maduro nas eleições que se seguiram à morte de Hugo Chávez. Concorrendo como continuador do governo chavista, embora longe de possuir o carisma de seu inspirador, Maduro teve o apoio da parte da população do país que, até o advento Chávez, foi sempre esquecida e marginalizada.

De lá para cá, entretanto, as condições econômicas se agravaram muito, com escassez quase generalizada de produtos, levando a uma profunda crise política e social, que culminou com a intermediação do próprio Vaticano.

O serviço diplomático da Santa Sé existe há mais de um milênio. Sob o Papa Francisco, o Vaticano já intermediou, por exemplo, o restabelecimento de relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos.

A diplomacia vaticana tem se referido à conjuntura venezuelana como “preocupante”. Em recente encontro privado com o presidente Maduro, o Papa Francisco disse querer contribuir para a estabilidade institucional do país e para criar confiança entre as partes em conflito.

Apesar da intervenção do Vaticano, o clima permanece extremamente tenso e, dadas as péssimas condições de vida hoje observadas, também vemos com enorme preocupação o futuro imediato da Venezuela.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráfica

CIRNCROSS, Frances. O fim das distâncias: como a revolução nas comunicações transformará nossas vidas. Tradução de Edite Sciulli e Marcos T. Rubino. São Paulo: Nobel, 2000.

GALL, Norman. Petróleo e democracia na Venezuela. Braudel Papers 40 e 41. Disponiveis em http://pt.braudel.org.br/publicacoes/braudel-papers/40.php e http://pt.braudel.org.br/publicacoes/braudel-papers/41.php.

WEFFORT, Francisco. Qual democracia? São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

[1] Escrito em parceria com Rogério Schmitt, cientista político e colaborador do Espaço Democrático.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado