s
Iscas Intelectuais
O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Medidas restritivas desproporcionais impostas pelos ...

Ver mais

Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil,  ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Você já ouviu falar em autoilusão? A forma como nós ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Três livros sobre corrupção e como combatê-la
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A corrupção e o desafio de combatê-la em três livros “Ao contrário da maioria dos crimes violento ou passionais, a corrupção em larga escala é um crime absolutamente racional, baseado na análise ...

Ver mais

Richard Feynman desancando a universidade brasileira… de 1951
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Como acabar com o mito de que a educação brasileira dos anos 50 tinha boa qualidade…   Em 1951, o físico norte-americano Richard Feynman (que posteriormente ganharia o Nobel de Física) veio ...

Ver mais

Exemplos positivos da sociedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Exemplos positivos da sociedade O início do outono foi marcado pela publicação de dois documentos apresentados por diferentes segmentos da sociedade com considerações críticas e sugestões para o ...

Ver mais

Efeito da pandemia na economia mundial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Efeito da pandemia na economia mundial “O PIB brasileiro se apresentou melhor do que o de muitos países da Europa, por exemplo. No início da pandemia, a expectativa era de que o PIB brasileiro ...

Ver mais

Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Dias 26, 27 e 28 de abril vai acontecer o DESAFIO AS ...

Ver mais

Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Não brigue com seu amigo por causa da política. Depois ...

Ver mais

Cafezinho 373 – oladocheio.com
Cafezinho 373 – oladocheio.com
Venha para o lado dos que querem construir.

Ver mais

Cafezinho 372 – (des)Equilíbrio
Cafezinho 372 – (des)Equilíbrio
Após anos de condicionamento recebendo más notícias, ...

Ver mais

Viajar perdeu a graça

Viajar perdeu a graça

Raiam Santos -

O título chamou a atenção né?

Pô, Raiam… viajar não era a melhor coisa do mundo?

Depende!

Meu trabalho aqui nesse site é desconstruir mitos.

Já desconstruí a “empresa” do filho do Lula, o comunismo, o networking, a moda de escrever biografias sobre homens negócios, o MBA no exterior, o perfeccionismo, o mercado financeiro, a vida sexual dos palestinos e também minha própria obsessão por dinheiro.

O mito de hoje é bem polêmico e vai parecer “problema de gente branca” mas se prestar bem atenção, você vai entender o meu approach.

Trabalhe 4 Horas Por Semana

Tim Ferriss português

Em 2014, minha vida mudou depois que eu li as histórias de Tim Ferriss no livro The Four Hour Workweek (Trabalhe 4 Horas Por Semana).

Ferriss me apresentou ao conceito de “nômade digital” e basicamente provou por A+B que dá para automatizar o faturamento e trabalhar viajando o mundo.

Na época, eu tava meio deprimido e perdido na vida.

Depois de alguns anos trabalhando de 12 a 14 horas por dia no banco, tudo o que eu sonhava era ter a liberdade de viajar para onde eu quisesse a hora que eu quisesse.

Vale lembrar que ter dinheiro é diferente de ter liberdade.

Meu chefe lá do livro Wall Street ganhava 1 milhão de dólares por ano… mas tinha zero liberdade. Resultado? Ele foi o cara mais miserável que eu conheci até hoje.

(Se não leu o Wall Street, dá uma moral lá no Amazon… acho que tu vai se amarrar no meu livro).

Já expliquei naquele post sobre visualização e programação mental ( 7 excelentes livros sobre a “Lei da Atração”) que eu consegui realizar ABSOLUTAMENTE TUDO o que eu coloquei na minha cabeça ao longo dos meus 26 anos de idade.

Se tem uma pessoa que coloca em prática o tal “Segredo” daquele livro da Rhonda Byrne, esse cara sou eu.

Ter uma vida “livre” estilo Tim Ferris foi uma dessas minhas obsessões.

No começo, parecia que eu tava andando em círculos e batendo em pedra.

Uma coisa que o Tim esqueceu de colocar no The Four Hour Workweek é a “regra dos 2 anos”.

É impressionante como TODO MUNDO que eu conheço que trabalha com internet demorou pelo menos 2 anos para conseguir deslanchar.

Então, se você encontrar por aí alguém te prometendo que você vai ganhar muito dinheiro do dia pra noite trabalhando de casa, fica esperto: ou é pirâmide (Hinode, Jeunesse, Monavie) ou é empreendedor de palco.

Demorou um pouco mais de 2 anos para o negócio realmente acontecer mas a tal liberdade chegou.

O que eu fiz? Viajei pra cacete!

A bomba que trago para você é a seguinte: viajar perdeu a graça. 

Mas Raiam, você está reclamando de barriga cheia!

Você não tem ideia de quantas pessoas dariam um rim para viajar o mundo e ter a vida que você tem. Como você ousa escrever isso?

Isso aqui é um blog pessoal e eu sou muito diferente de você. Como eu falei no post anterior sobre O Lado Negro de Fazer Networking, cada um corre sua maratona.

Viajar perdeu a graça por causa de uma parada que eu vou chamar de Ciclo Interminável de Fuga. 

Continua lendo aí que você vai entender o que eu quero dizer com isso.

Agências de turismo

worker

No início do ano, entrevistei um camarada chamado João Ricardo Mendes no Podcast MundoRaiam. Se você não ouviu, depois clica lá e dá uma escutada.

João é um ex-professor de Jiu Jitsu que se ferrou nas suas 3 primeiras aventuras empreendedoras, ligou o botão do antifrágil, lacrou forte na sua 4a tentativa e ainda levantou seu irmão junto.

Com 20 e poucos anos, ele fundou uma humilde empresa de internet business chamada Hotel Urbano.

O Hotel Urbano hoje vale alguns bilhõeszinhos de reais…

Como é que o Hotel Urbano faz grana?

Vendendo pacotes de viagem para um grupo muito bem definido de pessoas. São elas:

Pessoas que passam o expediente inteiro pensando nas 18h …

Pessoas que passam a semana inteira pensando na sexta-feira…

Pessoas que passam o ano inteiro pensando nas férias…

Se identificou?

Essas mesmas pessoas parcelam tal viagem em 12x no cartão, enchem o Instagram de fotos para causar inveja nos outros e passam os três meses seguintes da viagem postando #tbt #takemeback com fotos daquela viagem.

Eu mesmo já fiz muito isso.

João é um mito. Além de ser gente boa pra caramba, ele manja muito de psicologia humana.

O cara é tão visionário que lucra, de maneira ética e justa, em cima de uma necessidade primordial da grande maioria dos seres humanos de hoje em dia: fugir da própria realidade.

O traficante de drogas

coca

O argumento ali de cima me fez viajar na maionese sozinho aqui.

Conectei os pontinhos e acabei lembrando do papel que o traficante de drogas tem na sociedade contemporânea.

O traficante de drogas só tem emprego porque existe um mercado consumidor ali, certo?

A pessoa vai lá, compra o pozinho dela, se diverte, fica doidona por algumas horas e depois o efeito passa.

Já parou para pensar nas razões que levam essa pessoa a comprar o pozinho?

Tcharam! Esquecer dos problemas… fugir da realidade… comprar felicidade instantânea.

Mas é o seguinte: passou o efeito da droga, o problema continua ali!

Será que ela tenta bater de frente com o problema?

Nope! É muito mais fácil comprar o pozinho de novo.

Opa! Receita recorrente é o melhor amigo do dono de empresa!

A viagem do pozinho é igual a viagem da agência de turismo.

A única diferença é que uma está dentro e a outra está fora da lei.

Sabe quem mais entra nessa categoria aí de estudar a psicologia do ser humano e construir um business inteiro em cima disso?

lemann

Ele mesmo! Jorge Paulo Lemann.

O cara não é bobo, né? Se fosse bobo, não estaria na posição #1 da lista da Forbes.

Já parou para pensar que, depois que ele tomou aquele prejuízo no Banco Garantia com a crise da Rússia, ele parou de investir em empresas que mexem com commodities?

O negócio dele agora é comprar empresas que se perpetuam sem depender da variação de preços de uma certa commodity como o minério de ferro e o petróleo.

Receita recorrente neles!

Ele não tem como prever o comportamento dos preços do minério no mercado internacional… mas ele manja muito de comportamento humano.

Por que a gente bebe tanta Skol, Brahma, Stella, Leffe, Original, Corona e outras marcas da gigante Ambev?

Pra esquecer dos problemas da vida!

E esquece mesmo.

Só que quando o efeito da cerveja passa, você fica com uma ressaca braba da porra … e os problemas estão lá ainda.

A pessoa entra nesse fluxo, fica décadas e décadas comprando felicidade instantânea, não bate de frente com o problema e acaba morrendo triste e enterrando os sonhos junto com ela.

Enquanto você não morre, titio Jorge Paulo tá ganhando receita recorrente em cima do seu Ciclo Interminável de Fuga.

Por que será que ele é dono da Ambev mas não bebe cerveja?

Ele não precisa fugir de nada.

Fugindo de que, jovem?

roblem

Ok, Raiam. Tim Ferriss, agência de turismo, traficante de drogas, cervejeiro… e aí?

Nesse ano de 2016, eu visitei 24 países e só não pisei na África e na Antártida (se você contá-la como continente).

Comecei por São Paulo e escrevi aquele post polêmico Por que eu mudei para São Paulo?

Depois fui pra Genebra: O país da trambicagem: 7 bagulhos doidos sobre a Suíça.

Depois foi Los Angeles, Belo Horizonte (O Vale do Silício Brasileiro: por que eu mudei para Belo Horizonte?) e Ásia (Negão Asiático).

Só há bem pouco tempo atrás que eu descobri o porquê de tanta inquietação: minha vida aqui tava uma merda e eu estava fugindo da minha própria realidade.

Que realidade?

Primeiro, eu ainda não havia superado a ausência da minha ex.

Sim, eu era perdidamente apaixonado por uma menina, ela terminou comigo e eu demorei alguns meses para aceitar aquilo.

Depois de terminar um relacionamento longo, as pessoas perdem um pouco aquela referência e tendem a se aproximar mais da família.

Aí vem o segundo problema: eu tenho um péssimo relacionamento com meus pais desde meus 13 anos de idade e nunca tinha parado para resolver isso. Eu falo mais sobre isso no post O que a Kim Kardashian e o System of a Down têm em comum?

Toda vez que eu pisava no Rio de Janeiro, minha energia baixava de uma maneira descomunal exatamente por causa desses dois fatores.

Qual foi a minha cocaína para esquecer daqueles problemas?

Eu comprava felicidade instantânea com aquelas ofertas de vôo do Melhores Destinos que ficam pipocando na timeline do Facebook.

E depois?

Instagram neles para passar aquela imagem de vida perfeita!

Check-in na Torre Lebua de Bangkok!

Check-in no Staples Center de Los Angeles!

Check-in no Opium Mar de Barcelona!

Pode ter certeza de uma coisa: quanto mais uma pessoa posta no Instagram, mais insegura ela está por dentro.

(A exceção a essa regra é para a celebridades, blogueiras de moda e pessoas que realmente trabalham com isso.)

Acabou a viagem? Aterrissei no Galeão? Lá estava eu com meus problemas não-resolvidos de novo.

A ficha só caiu quando eu vi um post aleatório na minha timeline com a seguinte frase:

“People who love their lives don’t leave”

No bom português: pessoas que amam suas próprias vidas não fogem. 

Cataplei!

E agora?

O título que te trouxe até esse humilde artigo era só para chamar a sua atenção.

Viajar não perdeu a graça e continua sendo bom pra caralho.

Mas aí… antes de passar o cartão e parcelar aquela passagem, pergunte a si mesmo se você não está fazendo aquilo para fugir de uma realidade desconfortável.

O dia que você descobrir do quê você está fugindo e bater de frente com aquilo, te garanto que você vai dar muito mais valor ao teu presente e vai parar de viver pensando nas férias.

Tamo junto!

~Raiam

Ver Todos os artigos de Raiam Santos