s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ele acredita que “o Estado democrático de direito no Brasil está falido”.

Ele não percebe que “Estado democrático de direito”, “separação de poderes”, “eleições livres”, “liberdade de imprensa” et cetera são expressões abstratas que reduzem a infinita complexidade das disputas políticas a idéias que qualquer adolescente pode compreender. A “fé” em construções mentais que não passam de simplificações pedagógicas é a expressão de uma atitude supersticiosa infantil e ingênua.

* * *

De minha parte, não acredito em “Estado democrático de direito”, “separação de poderes” ou qualquer fantasia política do tipo.

* * *

Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos prontos sob a forma de programas-propaganda pré-embalados e dispostos no mercado eleitoral por elites que se interessam pelo poder de distribuir entre as instituições e as corporações as riquezas econômicas do Estado, mas não se interessam pelo bem-estar povo (a não ser que isso gere mais riqueza a ser distribuída entre eles ou lhes dê mais votos).

* * *

Concordo também com Marcuse, que aprofunda a crítica da democracia que leio em Schumpeter: vivemos numa situação de totalitarismo democrático, porque aceitamos livremente sermos oprimidos e reprimidos. Para Marcuse, a opressão não precisa mais ser exercida por uma figura autoritária: não é mais necessária a presença ou a força de um poder repressor explícito. Na sociedade industrial, basta que o sistema leve as pessoas a acreditarem ser mais livres do que realmente são, que esse sistema provenha as pessoas com bens e confortos suficientes para que elas sejam pacificadas, que as pessoas sejam levadas a se identificar com seus opressores e que o discurso político (que não é a mesma coisa que discurso partidário/eleitoral) seja considerado ineficaz ou seja colocado sob suspeita. Essas medidas conduzem a uma sociedade de homens unidimensionais, que acreditam viver sob uma democracia e agir com liberdade, buscando sua própria felicidade, mas que na verdade contribuem ativamente para um sistema tirânico e totalitário, em que somente se pode escolher entre as alternativas estabelecidas pelo próprio sistema, e em que a felicidade consiste em consumir cada vez mais bens materiais ou culturais criados com o propósito de satisfazer e pacificar os indivíduos.

* * *

O que nos conduz a Foucault, cuja compreensão do poder amplia o entendimento da tese de Marcuse: para Foucault, não interessa saber quem são os indivíduos ou as instituições que “usam o poder” como um instrumento de coerção; o poder não está “na presidência” ou “no governo”, mas sim espalhado e presente no discurso e no conhecimento. Em outras palavras, o poder é difuso e não concentrado; é incorporado e não possuído; é discursivo e não puramente coercitivo; e constitui agentes, em vez de ser exercido por eles. Foucault desafia a ideia de que o poder é conquistado por pessoas ou por grupos por meio de atos de dominação ou coerção. O poder não é uma capacidade nem uma estrutura; ele está em todos os lugares e vem de todos os lugares. Ele é um “regime de verdade” que perpassa a sociedade, e está em constante fluxo e negociação. Isso significa que nós também somos agentes do poder totalitário, pois defendemos, sob o nome de “liberdade democrática”, um sistema que nos limita a escolher, em todos os sentidos, somente o que está institucionalizado.

* * *

Neste sentido, acompanho a posição de Ivan Illich, para quem o Estado e as corporações visam a institucionalizar, sob a justificativa de proteger, toda a existência humana – por meio do ordenamento e da regulação do trabalho, da educação, da saúde, da morte… – para que, assim, possam controlar e escravizar cada um.

* * *

E concordo com Nozick, para quem o Estado de nosso tempo é uma institução cuja principal função não mais é garantir a segurança física e jurídica dos indivíduos e dos grupos, mas escravizar-nos com o propósito de perpetuar a sua própria existência – isto é, a existência das elites políticas e burocráticas que vivem do próprio Estado.

* * *

Aquele meu colega diz que o “Estado democrático de direito” no Brasil “está falido”. Ele não percebe que é justamente o contrário: no Brasil, a democracia funciona perfeitamente.

Porque Raymundo Faoro está certo: a República brasileira desde sempre foi o epifenômeno das disputas sócio-político-econômicas entre famílias e grupos cujas origens estão na própria colonização portuguesa destas terras. Essas famílias e grupos entendem as leis, as instituições e o povo como seu patrimônio; o Estado é, de cima a baixo, composto de modo que perpetue os privilégios dos “donos do poder”.

* * *

Isso significa que os poderes (isto é: o Legislativo, o Executivo, o Judiciário, a imprensa, o agronegócio latifundiário, a indústria, os banqueiros, as igrejas) não são simplesmente compostos por pessoas corruptas: os poderes são a própria corrupção, e estruturam toda a sociedade corruptamente.

* * *

Por exemplo: não existe um único juiz honesto no Brasil. Não existe simplesmente porque a carreira da magistratura é cheia de expedientes corruptos para que os magistrados possam legalmente obter vantagens escandalosamente imorais e injustas. O magistrado é corrupto ainda que – e justamente porque – jamais tenha infringido uma lei.

* * *

O que nos leva ao ponto central do problema: a própria lei, no “Estado democrático de direito”, é criada para perpetuar os privilégios dos donos do poder, enquanto arrocha os plebeus. O próprio ordenamento jurídico da democracia é, por si, injusto e antidemocrático.

Por isso, qualquer mera reforma na ordem política será simplesmente ineficaz: dentro da lei, o país não tem solução, porque a lei foi criada para garantir o domínio dos donos do poder sobre o povo tornado dócil e mantido ignorante.

* * *

“Ah, mas então você concorda com a pauta bolsonarista do 7 de setembro?”

Eu realmente entendo o sentimento difuso de que não existe, na ordem constituída, nenhum caminho para a justiça: esse sentimento corresponde à percepção da divergência – muito real! – entre os interesses das elites e os do povo.

Todavia, creio que os bolsonaristas estejam equivocados ao acreditar que o seu líder poderia ser o agente catalisador de uma verdadeira revolução. Ora, ele é justamente um agente da perpetuação dos privilégios de uma das elites na disputa política: ele representa o interesse dos militares, que também se consideram donos do poder, e que há 150 anos usam o monopólio das armas como instrumento de exercício político. O que Bolsonoaro deseja não é reformular inteiramente a ordem política nacional: é conquistar território (leia-se: espaço de atuação, privilégios profissionais e rubricas orçamentárias) para o seu grupo no interior das instituições estabelecidas.

* * *

Enfim: “fé no Estado democrático de direito”? “Fé na divisão dos poderes?” “Fé nas instituições republicanas?”

É tudo o que aqueles que se julgam nossos donos, em todos os campos da disputa, querem de nós.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche