s
Iscas Intelectuais
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 781 – Stalinismo tecnológico
Café Brasil 781 – Stalinismo tecnológico
Se você não é do ramo do marketing, da comunicação, da ...

Ver mais

Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Pronto. Chegou o dia de conversar com duas referências ...

Ver mais

Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Há quatro anos, uma amiga me relatou uma história ...

Ver mais

Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Um novo termo entrou em evidência: o cringe. A tradução ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Olímpica expectativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Olímpica expectativa “O esporte tem o poder de unificar, passar uma imagem de paz e resiliência, e nos dá esperança de seguir nossa jornada juntos.” Thomas Bach (Presidente do Comitê Olímpico ...

Ver mais

Economia do crime
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia do crime  O crime compensa?  “Na faculdade, fui atraído pelos problemas estudados por sociólogos e as técnicas analíticas utilizadas pelos economistas. Esses interesses começaram a se ...

Ver mais

Reprise
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Reprise  Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de ...

Ver mais

O infalível ministro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A piada é antiga. Dá pra contar, se a turma do politicamente correto ainda não inventou o crime de lusofobia: A famosa cena bíblica do apedrejamento da adúltera, quando o Mestre teria dito… ...

Ver mais

Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Preste muita atenção nos discursos dos educadores, dos ...

Ver mais

Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Trocar um apartamento por um automóvel? Como assim?

Ver mais

Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Eu escolhi participar ativamente, usando as armas que tenho.

Ver mais

Cafezinho 405 – O babaca
Cafezinho 405 – O babaca
Qual tipo de reação você acha que levo em consideração ...

Ver mais

Voz de mulher

Voz de mulher

Chiquinho Rodrigues -

Tem alguns jingles que são uma merda! Ou não! (Fiz vários assim).

Basta você ouvir uma só vez e aquele troço fica azucrinando dentro da sua cabeça o dia todo. (bom para o cliente!)

Em compensação existem outros que são muito bonitos, verdadeiras obras de arte. Quase uma trilha sonora de certas fases da nossa vida.

Coisas como: Café Seleto, Varig, Cobertores Parahíba, Biscoitos São Luís, Duchas Corona, Groselha Vitaminada Milani, Nescau, McDonalds, Cornetto, Fim de ano da Rede Globo, Pizza com Guaraná e muitos outros… (a lista é imensa e provavelmente você tem a sua)

Em 1985 eu já trabalhava no Estúdio Bandeirantes como criador de jingles e morava em um apartamento em Pinheiros.

No andar de cima desse prédio morava uma vizinha que tinha uma gracinha de bebê. Uma menininha de um aninho que chorava pra caralho a noite toda!

Meu filho Thiago nessa época também era recém nascido. E era só o pentelhinho ouvir o choro da outra criança pra também danar a chorar.

Pra variar de vez em quando as coisas aconteciam ao contrário. A menininha estava quietinha na dela e aí era o meu filho quem cismava de abrir o bocão. Então ela sugestionada vinha em dupla fazer a segunda voz daquele martírio noturno que aborrecia quase o prédio todo que já não sabia mais o que era dormir em paz.

Numa certa noite de desespero a campainha tocou e era a tal vizinha.

– Chico, eu arranjei um jeito de minha filha ficar quietinha! Mas preciso da sua ajuda…

– Faço um empréstimo se necessário! – taxativo eu aqui.

– Descobri que tem uma propaganda que passa na televisão que é só ela escutar a música para ficar quietinha e até adormecer! – disse a fada madrinha.

– Compro sua TV!

– Não Chico, é um comercial da Faber-Castell onde uma menina de uns oito anos de idade canta aquela música do Toquinho: “Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo… e com cinco ou seis retas é fácil fazer…”

– Conheço! – interrompi eu que não estava nem um pouco a fim de ouvir a porra da minha vizinha cantando naquela hora.

– Pois então! Você poderia muito bem gravar esse comercial em seu vídeocassete e levar para sua produtora para capturar só o áudio. Aí era só editar uma fita cassete com pelo menos uma meia hora só dessa música! – revelou a santa.

Minha esposa pediu para ela entrar e foi fazer um bolo de chocolate. Eu abri uma garrafa de champanhe, providenciei uns salgadinhos, acendi um incenso e pedi para ela chamar o marido. (detalhe: o relógio marcava três da madrugada)

Pois sabe de uma coisa? O troço deu certo sim. Era só a mãe colocar a fita com a menina cantando a musiquinha da Faber-Castell que a nenê se acalmava e devagarzinho pegava no sono.

Pro meu filho Thiago tive que gravar umas 17 fitas de vídeo do Chaves. Era a única coisa que fazia aquele porra ficar quieto por uns 14 segundos sem destruir o apartamento todo.

E a paz voltou a reinar nas noites da Amália de Noronha, 283!

Passamos bons tempos naquele apartamento. O Thiago e a menina Kelly (esse era o nome da ex chorona) foram crescendo e era constante a gente ouvir a mãe dela lhe ensinado a canção do Toquinho.(quando mudamos desse apartamento, ela já sabia a canção inteirinha)

O tempo passou e muita coisa aconteceu na vida de todos nós.

Tem uma música da Sueli Costa e do Abel Silva chamada “Voz de Mulher” que eu queria que você ouvisse. Quem canta é a Leila Pinheiro e diz coisas assim:

Desde que nasci, a voz da mulher me embala, me alegra, me faz chorar…
Me arrepia os cabelos, me faz dançar.
Me cala ressentimentos, me ensina a amar.

Uma mulher cantando nas Antilhas. Uma voz de mulher nos rádios do Brasil.

Minha mãe que cantava, lembrança tão bonita.
E as negras americanas… Dos hinos e dos blues

Amor, amor, me leva. Essa voz nas asas das canções.
Eu quero ouvir por toda minha vida
Uma mulher cantando para mim

Pois é. Ouvindo essa canção é que eu percebi o quanto a voz da mulher tem participado da minha vida. E quanto eu quero por toda minha vida uma mulher cantando para mim.

Desde garoto eu me lembro da minha mãe ouvindo rádio e emulando Ângela Maria. O tempo passando e minha irmã cantando coisas da Elis Regina, Gal Costa, Maria Bethania e ouvindo como eu, Sarah Vaughan, Billy Holiday, Ella Fitzgerald ou Aretha Franklin.

E até hoje eu não passo um dia sequer sem ouvir alguma canção de uma Diana Krall ou Lalah Hathaway, Renné Olstead, Gabriela Anders, Nana Caymmi, Gladys Knight, Chaka Khan, Luciana Souza, Patti Labelle, Mary J. Blige, Leila Pinheiro, Patti Austin, Fernanda Porto, Diane Schuur ou outras tantas.

Gosto tanto que o destino quis que eu tivesse uma cantora em minha vida.

Isso foi há uns 10 anos e embora não estejamos mais juntos, temos um filho.

O Bruno Henrique.

O nome dela é Meiriane e eu a conheci ainda na barriga da mãe.

Isso mesmo! As tias dela cantavam na minha banda e um dia a mãe dela, enquanto estava grávida da Meiriane, apareceu em um baile nosso. Então eu fui apresentado para a futura avó do meu filho! (maluco né?)

Só fui reencontrar a Meiri muito tempo depois quando ela já tinha uns 19 anos.

Moramos algum tempo juntos e fizemos um CD. Onde compus, arranjei, produzi e ela cantou. E quando precisamos de material para preparar seu release, a Meiri apareceu com um CD onde havia algumas peças que ela havia gravado para o mercado publicitário durante seus anos de infância e adolescência em que cantou em estúdios.

Estava eu ouvindo e selecionando esse material quando ouvi uma coisa que gelou meu coração logo ao soar a introdução.

E nessa hora descobri então de quem era a voz da menininha de 8 anos de idade que cantava o Jingle da Faber-Castell. Era da Meiriane mãe do meu Bruno.

Sabe, é numa hora dessas que eu gostaria realmente de saber escrever bonito. Para poder então falar com competência de uma coisa tão divina como a voz de uma mulher.

Te confesso que misturei tantas emoções nesta matéria que até ontem eu não sabia muito bem como terminar isso aqui.

Então à noite eu fui dormir e pra variar sonhei uma coisa estranha…

Eu chegando na porta do céu e lá encontro São Pedro com minha ficha na mão.

– Francisco,  né? – Diz ele

– Sim Senhor.

– O senhor tem umas duplicatas vencidas com a gente aqui há muito tempo seu Francisco! — diz ele quase me repreendendo.

– Tenha a certeza que vou tentar resolver tudo isso – prometo eu.

– Estamos contando com isso senhor Rodrigues. Eu particularmente não acho que aqui seja o seu lugar. Mas enfim… Pode entrar – diz ele com condescendência e apontando uma enorme porta para mim.

Dirijo-me para a porta enquanto ele continua olhando para minha ficha. E então, quando estou quase entrando no céu… ouço ele atrás de mim:

– Espere um instante…  Você é o Chico Rodrigues, né? – diz ele com aquele tom de “me lembrei de um negócio”

– Sou eu sim Santidade… (não sei direito qual o tratamento nesses casos)

– Você não é aquele sujeito que comeu a menininha da Faber-Castell? – pergunta ele arregaçando as mangas da bata.

– Bem… ela não era mais uma “menininha” nessa época – comecei explicar eu – ela já tinha uns dezeno…

– JÁ PRA BAIXO!—disse a voz de trovão.

-Mas… mas….

— EU DISSE JÁ!

Acordei assustado.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues