s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 926 – Definição de Gaúcho – Revisitado
Café Brasil 926 – Definição de Gaúcho – Revisitado
Então... diante dos acontecimentos dos últimos dias eu ...

Ver mais

Café Brasil 925 – No Beyond The Cave
Café Brasil 925 – No Beyond The Cave
Recebi um convite para participar do podcast Beyond The ...

Ver mais

Café Brasil 924 – Portugal dos Cravos – Revisitado
Café Brasil 924 – Portugal dos Cravos – Revisitado
Lááááááááá em 2007, na pré-história do Café Brasil, ...

Ver mais

Café Brasil 923 – O Corcunda de Notre Dame
Café Brasil 923 – O Corcunda de Notre Dame
"O Corcunda de Notre Dame", obra-prima de Victor Hugo, ...

Ver mais

LíderCast 320 – Alessandra Bottini
LíderCast 320 – Alessandra Bottini
A convidada de hoje é Alessandra Bottini, da 270B, uma ...

Ver mais

LíderCast Especial – Rodrigo Gurgel – Revisitado
LíderCast Especial – Rodrigo Gurgel – Revisitado
No episódio de hoje a revisita a uma conversa que foi ...

Ver mais

LíderCast 319 – Anna Rita Zanier
LíderCast 319 – Anna Rita Zanier
A convidada de hoje é Anna Rita Zanier, italiana há 27 ...

Ver mais

LíderCast 318 – Sidney Kalaes
LíderCast 318 – Sidney Kalaes
Hoje recebemos Sidney Kalaes, franqueador há mais de 30 ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

A tragédia e o princípio da subsidiariedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A tragédia e o princípio da subsidiariedade “Ações que se limitam às respostas de emergência em situações de crise não são suficiente. Eventos como esse – cada vez mais comuns por ...

Ver mais

Percepções opostas sobre a Argentina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções opostas sobre a Argentina “A lista de perrengues diários e dramas nacionais é grande, e a inflação, com certeza, é um dos mais complicados. […] A falta de confiança na ...

Ver mais

Economia + Criatividade = Economia Criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia + Criatividade = Economia Criativa Já se encontra à disposição no Espaço Democrático, a segunda edição revista, atualizada e ampliada do livro Economia + Criatividade = Economia ...

Ver mais

Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Ao longo dos anos, o Brasil experimentou uma variedade ...

Ver mais

Cafezinho 623 – Duas lamas, duas tragédias
Cafezinho 623 – Duas lamas, duas tragédias
O Brasil está vivenciando duas lamas que revelam muito ...

Ver mais

Cafezinho 622 – Sobre liderança e culhões
Cafezinho 622 – Sobre liderança e culhões
Minhas palestras e cursos sobre liderança abrem assim: ...

Ver mais

Cafezinho 621 – Obrigado por me chamar de ignorante
Cafezinho 621 – Obrigado por me chamar de ignorante
Seja raso. Não sofistique. Ninguém vai entender. E as ...

Ver mais

Leitura e repertório

Leitura e repertório

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Leitura e repertório

“Leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.”

Pedro Bom Jesus

 

Entre outras coisas, aproveitei o fim de semana para ler o relatório de atividades de 2022 do Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial, um think tank que completou 35 anos no ano passado, coisa rara para instituições dessa natureza no Brasil.

Tendo acompanhado a trajetória do referido instituto desde sua criação, pude testemunhar o intenso trabalho desenvolvido em projetos de diferente natureza, tendo sempre por preocupação central o aperfeiçoamento das instituições brasileiras.

Ao longo dessa trajetória, o Instituto Braudel foi obrigado a superar uma série de adversidades, mas jamais deixou de se preocupar com a qualidade de suas ações, nas quais estiveram envolvidos personagens de destaque dos cenários político, econômico, social, cultural e educacional tanto do Brasil como do exterior.

Nos últimos anos, o projeto de maior visibilidade do Instituto é o Programa Círculos de Leitura, não sendo por outra razão que boa parte do relatório a ele se refere. As atividades do Programa são realizadas por meio de encontros com grupos de até 15 alunos de escolas da rede pública para ler, discutir e produzir textos a partir de obras clássicas da literatura brasileira e universal. Dessa forma, o Programa busca apoiar o jovem no desenvolvimento de sua identidade, cidadania e relacionamento com a comunidade. A leitura e debate em grupo criam um espaço para adolescentes que querem compartilhar experiências e ampliar o universo de conhecimento por meio das palavras e do vínculo com o outro. Durante a prática dos Círculos de Leitura, emergem os “multiplicadores” – jovens que se destacam pelo talento, dedicação, ambição e potencial de liderança. No método desenvolvido pela psicanalista Catalina Pagés, idealizadora do programa, cabe ao multiplicador conduzir as práticas de leitura em que os estudantes se sentam em pequenas rodas e leem em voz alta, com pausas para reflexão em grupo.

Realizado, a princípio, em escolas da rede pública das cidades da Grande São Paulo, o Programa cresceu de forma impressionante, atingindo em 2022 os seguintes números: 58.200 alunos beneficiados; 144 municípios atingidos; 320 escolas parceiras; 1.347 alunos multiplicadores formados; 28.533 materiais distribuídos nas escolas; e 548 professores parceiros. Seguramente, esses números só não são maiores em razão dos exíguos recursos disponíveis e da salutar política do Instituto de não dar o passo maior do que as pernas, recusando inúmeros pedidos de escolas interessadas em fazer parte dos Círculos de Leitura.

E por que reconheço a enorme importância de um projeto como esse?

Porque em mais de 35 anos dedicados ao ensino de diversas disciplinas nos cursos de ciências econômicas, comunicação social, engenharia e tecnologia constatei o brutal prejuízo acarretado pela deficiência em leitura e por seu efeito multiplicador. Quem não lê satisfatoriamente, não consegue interpretar o enunciado de questões de qualquer outra disciplina, o que explica, seguramente, maus resultados em matemática, ciências, geografia ou história.

A décima edição do Anuário Brasileiro da Educação Básica, organizado pelo movimento Todos pela Educação, traz uma série de números que impressionam por sua magnitude. Analisando generalizadamente os números do Anuário, constata-se que os avanços são maiores no plano quantitativo do que no qualitativo.

Neste último plano, chama atenção o baixo aproveitamento em aspectos essenciais como leitura e matemática. Menos da metade dos alunos atingiu níveis de proficiência considerados adequados ao fim do terceiro ano do ensino fundamental em leitura e matemática. Em relação à escrita, um terço dos alunos apresentou níveis insuficientes. As deficiências são mais acentuadas nas crianças de nível socioeconômico mais baixo.

Na comparação com estudantes de países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) o desempenho médio dos brasileiros é inferior como mostram as tabelas 1 e 2. Os resultados do Brasil na edição de 2018 do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês) apresentaram ligeira melhora, na comparação com os de 2015. No entanto, a variação se deu dentro da margem de erro e, por isso, o quadro é de estagnação. Assim, destaca-se, por exemplo, que menos de um terço dos estudantes brasileiros alcançam um nível de proficiência adequado (Nível 2) em matemática, enquanto a média dos países da OCDE é de 75,9%. O Pisa é uma avaliação trienal aplicada a estudantes de 15 anos em cerca de 80 países, a maior parte deles da própria OCDE. O Brasil participa como país convidado e a aplicação do exame, em 2018, envolveu 597 escolas públicas e privadas e 10.961 alunos brasileiros[1].

Tabela 1 – Desempenho comparado em matemática no Pisa

Ano Média OCDE Média Brasil
2009 492 386
2012 490 389
2015 487 377
2018 489 384
Fonte: Anuário Brasileiro da Educação Básica

Tabela 2 – Desempenho comparado em leitura no Pisa

Ano Média OCDE Média Brasil
2009 491 412
2012 493 407
2015 490 407
2018 487 413
Fonte: Anuário Brasileiro da Educação Básica

Porém, reconhecer a relevância da leitura para a formação individual e, por extensão, para o desenvolvimento de qualquer nação não é exclusividade brasileira ou de países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento. Michèle Petit, pesquisadora do Laboratório de Dinâmicas Sociais e Recomposição dos Espaços, do CNRS, da França, com profundo conhecimento de causa, dá grande ênfase à relevância da leitura na vida de qualquer sociedade, como se observa no trecho que se segue extraído do livro Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva.

O que está em jogo na leitura – sobretudo entre os jovens, para quem ler não é algo natural – não me parece se reduzir a uma questão “social”. Parece, a meu ver, aproximar-se da democratização profunda de uma sociedade.

Uma cidadania ativa – não devemos esquecer isso – não é algo que cai do céu, é algo que se constrói. A leitura pode contribuir em todos os aspectos que mencionei: acesso ao conhecimento, apropriação da língua, construção de si mesmo, extensão do horizonte de referência, desenvolvimento de novas formas de sociabilidade… e em outros que com certeza estou esquecendo. Por meio da difusão da leitura, cria-se um certo número de condições propícias para o exercício ativo da cidadania. Propícias, necessárias, mas não suficientes. Mais uma vez, não sejamos ingênuos. Se existe uma leitura que auxilia a simbolizar, a se mover, a sair do lugar e a se abrir para o mundo, existe também uma outra que só conduz aos prazeres da regressão. E se alguns textos nos transformam, há uma grande quantidade que, na melhor das hipóteses, apenas nos distraem.

Além dos benefícios citados por Michèle Petit, desenvolver a leitura contribui para que o jovem amplie o seu repertório, ou seja, o conjunto dos conhecimentos de que dispõe para enfrentar as vicissitudes do dia a dia, neutralizando, pelo menos em parte, deficiências adquiridas nos primeiros anos de vida. A ausência de repertório amplo não decorre apenas das mazelas do ensino básico ou – no caso das crianças que vivem num ambiente de extrema pobreza – da fome e da má nutrição. O problema começa bem antes. Como bem observa Clayton Christensen no livro Inovação na sala de aula: como a inovação disruptiva muda a forma de aprender, a falta de interação verbal na família compromete a evolução futura, impedindo que essas crianças possam concorrer com outras da mesma idade pelas oportunidades que a vida oferece.

Todd Risley e Betty Hart, dois dos principais pesquisadores sobre como a capacidade intelectual é determinada, observaram e registraram as interações verbais entre uma representativa amostragem de pais e seus filhos em casa, durante os primeiros dois anos e meio de vida.

Eles calcularam que, em média, os pais falam 1.500 palavras por hora com seus bebês. Pais “falantes”, com formação universitária, falaram em torno de 2.100 palavras por hora aos seus bebês, enquanto crianças no segmento considerado pelos pesquisadores de “famílias dependentes da previdência” ouviram seus pais falarem apenas 600 palavras por hora. Risley e Hart estimaram que aos 36 meses de idade, filhos de pais com formação universitária tenham ouvido os pais falarem 48 milhões de palavras para eles. Em contraste, filhos de famílias sem renda própria haviam ouvido apenas 13 milhões de palavras.

Não gostaria de encerrar esta série de reflexões sobre a importância da leitura para a construção de um amplo repertório sem mencionar algumas contradições provocadas pelos avanços tecnológicos e pela substituição de antigos por novos hábitos. Sem querer ser ingênuo a ponto de ignorar as vantagens trazidas pela internet, pela inteligência artificial e pela tecnologia da informação, é inegável que algumas facilidades por elas proporcionadas desestimulam a prática da leitura.

Luciano Pires, criador do Portal Café Brasil, que abandonou uma bem-sucedida carreira de executivo de uma multinacional do setor automotivo para se transformar num produtor de conteúdo e influenciador digital, conta uma história em suas palestras que ilustram bem esse aspecto. Diz ele que na sua infância, quando morava em Bauru, num determinado dia de todas as semanas esperava ansiosamente a chegada do pai com um novo fascículo da Enciclopédia Conhecer. Ao recebê-lo, não perdia tempo. Punha-se a examinar atentamente aquela maravilha colorida repleta de figuras e informações. No fascículo com verbetes iniciados em “T” seu interesse especial era o Tiranossauro Rex. Só que, para chegar nele, era obrigado a passar por tanajura, por títulos de renda fixa, por Tijuana e por uma série de outros verbetes iniciados com aquela letra. Assim, mesmo que de forma inconsciente, ia acumulando informações que passavam a fazer parte do seu repertório. Atualmente, com os sites de busca como o Google, basta teclar a palavra ou expressão desejada e as respostas aparecem imediatamente. A mesma coisa ocorre, de certa maneira, com as séries disponibilizadas pelas plataformas de streaming, que levam muitas pessoas a “maratonarem”, assistindo em sequência a vários capítulos, utilizando um tempo que, até algum tempo atrás, era dedicado à leitura.

Como afirmei anteriormente, não se trata de brigar com as inovações e os avanços proporcionados pela ciência e pela tecnologia. Com tantas ferramentas tecnológicas dinâmicas e divertidas torna-se cada vez mais difícil encontrar um jovem com um livro nas mãos. Mesmo sabendo que a concorrência chega a ser desleal, ouso sugerir que crianças e jovens sejam estimulados a dispor ao menos de parte do seu tempo para cultivar o salutar hábito da leitura, construindo, assim, um repertório que lhes permitirá desenvolver o potencial criativo e agregar valor à sua competência individual.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto 

Referências bibliográficas e webgráficas

CHRISTENSEN, Clayton M. Inovação na sala de aula: como a inovação disruptiva muda a forma de aprender. Tradução de Rodrigo Sardenberg. Porto Alegre: Bookman, 2012.

PAGÉS, Catalina; LAMAS, Maria Aparecida (Organizadoras). Círculos de leitura: a arte do encontro. São Paulo: Recriar Editorial, 2018.

PETIT, Michèle. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. Tradução de Celina Olga de Souza.São Paulo: Editora 34, 2009. 

TODOS pela Educação (org.). Anuário Brasileiro da Educação Básica. Brasília: Moderna, 2021. Disponível em https://todospelaeducacao.org.br/wordpress/wp-content/uploads/2021/07/Anuario_21final.pdf.

[1] O fato de participarem estudantes tanto de escolas públicas como de privadas resulta, provavelmente, num desempenho melhor do que se fossem apenas estudantes de escolas públicas.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado