s
Iscas Intelectuais
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

Café Brasil 927 – Quando a água baixar
Café Brasil 927 – Quando a água baixar
A história de Frodo Bolseiro em "O Senhor dos Anéis" ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

LíderCast 321 – Rafael Cortez
LíderCast 321 – Rafael Cortez
Tá no ar o #LC321 O convidado de hoje é Rafael Cortez, ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 328 – Crimes de Honra
Cafezinho 328 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Cafezinho 625 – Fake news que matam
Cafezinho 625 – Fake news que matam
Há tempos eu digo que saímos da Sociedade da Informação ...

Ver mais

Livraria Cultura

Livraria Cultura

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Livraria Cultura

 Ficam as boas lembranças

 

“Livraria Cultura foi a meca de uma geração que preferia livros a celulares.”

Matheus Lopes Quirino

 

Com enorme tristeza recebi a notícia de que algumas editoras começaram a recolher seus livros nos espaços a elas destinado na loja da Avenida Paulista da Livraria Cultura, em decorrência da  decretação de sua falência. Criada por Eva Hertz em 1947, a Livraria Cultura chegou a ter 14 lojas espalhadas pelo Brasil, porém a da Avenida Paulista era, sem dúvida, seu maior cartão de visita, parada obrigatória não apenas de turistas em passagem por São Paulo, mas de intelectuais e apreciadores de literatura e de música residentes na cidade.

 Livraria Cultura da Avenida Paulista

Desde muito cedo apaixonado pela leitura, fui sempre frequentador de livrarias, tanto no Brasil como em viagens pelo exterior. Sendo assim, a falência da Livraria Cultura me levou a recordar bons momentos de minha vida.

A primeira livraria que me veio à memória foi a Livro Sete, localizada no bairro da Boa Vista, em Recife. Estando na cidade para ministrar a parte econômica de um curso de formação política para estudantes nos primeiros anos da década de 1980, fui convidado por um professor local a conhecer a referida livraria. Fiquei encantado com a experiência, pois jamais havia estado num lugar como aquele. Inaugurada pelo livreiro Tarcísio Pereira em 1970 num pequeno prédio de 20 m², a livraria mudou-se, em 1974, para um casarão na Rua Sete de Setembro, onde atingiu o ápice, transformando-se por cerca de 30 anos num ponto de atração magnética da cultura do Recife. O modelo adotado pela Livro 7 era, já naquela época, o que prevaleceu muitos anos mais tarde nas livrarias: livre trânsito entre as prateleiras, com restaurante e poltronas para leituras.

À medida que fui me dedicando cada vez mais à atividade acadêmica, frequentar livrarias tornou-se uma imperiosa necessidade, razão pela qual visitei estabelecimentos dessa natureza para tomar conhecimento das novidades nas áreas de meu interesse, participar de lançamentos e, evidentemente, adquirir livros.

Algumas dessas experiências ocupam lugar especial na minha memória. Uma delas ocorreu nos primeiros meses de 1985, quando permaneci por dois meses na Inglaterra a serviço da FAAP. Entre as múltiplas atividades de que fui incumbido na ocasião estava a de adquirir livros das diversas áreas da economia lá existentes e ainda não lançados no Brasil. Para cumprir essa missão, habituei-me a ir semanalmente à bookstore da London School of Economics. Lá, fui excepcionalmente bem atendido por um de seus vendedores que, ao saber da minha demanda, providenciava regularmente a chegada de novos lançamentos e os deixava reservados para que eu pudesse adquiri-los na próxima visita.

Pouco tempo depois, numa viagem a Buenos Aires, fiz questão de levar minha esposa a um de meus locais prediletos da cidade, a Livraria El Ateneo Grand Splendid, eleita pelo jornal britânico The Guardian uma das mais belas livrarias do mundo. Como não poderia deixar de acontecer, ela ficou maravilhada com aquelas lindas dependências.

 Livraria El Ateneo Grand Splendid

Nessa mesma linha, vale registrar as visitas feitas à Livraria Lello, situada na Rua das Carmelitas, no Centro Histórico da cidade do Porto, que se transformou num ponto de visita obrigatório para todos os que passam por aquela bela localidade na região norte de Portugal.

 Livraria Lello

Encerrando o ciclo de referências a livrarias estrangeiras, jamais esquecerei de um acontecimento ocorrido na filial de Irvine, na Califórnia, da famosa Barnes & Noble, a maior livraria varejista dos Estados Unidos. Na oportunidade, presenciei uma cena hilariante: uma cliente, já de idade avançada, repreendendo severamente um funcionário da loja por ter vendido o último exemplar de um romance que ela estava lendo diariamente em suas idas à referida livraria.

Voltando a atenção aos estabelecimentos brasileiros, recordei-me dos inúmeros eventos de que tomei parte ou que pude acompanhar nas grandes livrarias surgidas há alguns anos, entre as quais FNAC, Cultura, Saraiva e Livraria da Vila[1]. Quantas vezes não estive nos cafés existentes nas dependências de algumas delas para um bate papo com amigos e colegas que, não raras vezes, comungavam dos mesmos interesses?

Por todas essas razões, não tem sido fácil testemunhar, inicialmente, a redução dos espaços destinados às filiais dessas livrarias nas ruas e nos principais shopping centers do País, seguida, tempos depois, pelo fechamento e encerramento das atividades.

Reconheço que os tempos mudaram, que novos hábitos surgiram, que a preferência pela leitura digital cresce a olhos vistos, que os custos fixos para a manutenção de amplas instalações físicas tornaram-se proibitivos e que a concorrência com as gigantes do e-commerce é extremante desigual. Esses, juntamente com as oscilações da economia e eventuais equívocos no modelo de negócios, são alguns dos motivos que estão por trás das dificuldades enfrentadas pelas icônicas livrarias, cuja presença torna-se mais rara a cada dia.

De uma coisa tenho certeza: o desaparecimento das instalações físicas dessas livrarias – pequenas ou médias como as de antigamente ou grandes como as mais recentes – jamais apagará de minha memória os momentos inesquecíveis nelas vividos.

 

[1] Meu primeiro livro individual, intitulado Como enfrentar os desafios da carreira profissional, publicado pela Editora Trevisan, foi lançado na filial da Livraria da Vila do Shopping JK.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado