s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Cafezinho 619 – Don´t make stupid people famous
Cafezinho 619 – Don´t make stupid people famous
As pessoas que realmente fazem diferença na sua vida ...

Ver mais

Café Brasil 921 – A Praça e a torre
Café Brasil 921 – A Praça e a torre
O livro "A Praça e a Torre: Redes, Hierarquias e a Luta ...

Ver mais

Café Brasil 920 – No Caravelas
Café Brasil 920 – No Caravelas
O Caravelas Podcast foi criado pelo advogado e ...

Ver mais

Café Brasil 919 – Muito Além do Jardim
Café Brasil 919 – Muito Além do Jardim
Neste episódio, a partir de um filme delicioso, uma ...

Ver mais

LíderCast Especial Ozires Silva – Parte 2
LíderCast Especial Ozires Silva – Parte 2
Segunda parte da entrevista realizada com o ex-ministro ...

Ver mais

LíderCast Especial Ozires Silva – Parte 1
LíderCast Especial Ozires Silva – Parte 1
Seguindo na missão de trazer de volta alguns dos ...

Ver mais

LíderCast 316 – Gustavo Succi
LíderCast 316 – Gustavo Succi
No episódio de hoje temos Gustavo Succi, que é o CEO da ...

Ver mais

LíderCast 315 – Marina Helena
LíderCast 315 – Marina Helena
Hoje temos como convidada Marina Helena, pré-candidata ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Daniel Kahneman, a economia e a psicologia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Daniel Kahneman, a economia e a psicologia   “O trabalho de Kahneman é realmente monumental na história do pensamento”. Steven Pinker (Entrevista em 2014 ao jornal The Guardian) ...

Ver mais

Oppenheimer e a Bomba
alexsoletto
Iscas Científicas
  Texto de Alex Soletto   “Agora me tornei a Morte, o destruidor dos mundos” (frase do livro hindu Bhagavad Gita)   A frase foi repetida por Oppenheimer após o teste da ...

Ver mais

G20
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo o que é o G20          Katherine Buso    Luiz A. Machado  Paulo Galvão Jr. 1. Considerações iniciais O presente artigo analisa os principais indicadores econômicos do Grupo dos Vinte ...

Ver mais

Talentos, tecnologia, tesouros e tolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Talentos, tecnologia, tesouros e tolerância “É a relação entre quem tem a força das ideias e quem tem o poder da força que permite progredir no tempo e no espaço na cidade, de forma ...

Ver mais

Cafezinho 618 – Uma descoberta no Polo Norte
Cafezinho 618 – Uma descoberta no Polo Norte
Em 2008 eu embarquei numa viagem até o Polo Norte, que ...

Ver mais

Cafezinho 917 – Mais pedras no lago
Cafezinho 917 – Mais pedras no lago
Já devíamos ter percebido que a colaboração e a união ...

Ver mais

Cafezinho 616 –  Bem-vindo, seu Caos
Cafezinho 616 –  Bem-vindo, seu Caos
Vivemos numa era de caos. Não se trata mais de planejar ...

Ver mais

Cafezinho 615 – Esquerda e direita
Cafezinho 615 – Esquerda e direita
Ser verdadeiramente racional significa estar aberto a ...

Ver mais

Não olhe para cima

Não olhe para cima

Luciano Pires -

No filme que acaba de estrear na Netflix, um cometa que vai se chocar com a terra dentro de seis meses e 14 dias é o ponto de partida. Durante mais de duas horas vamos acompanhar o astrônomo e sua assistente tentando provar ao mundo que a ameaça existe e que algo deve ser feito.
A partir daí, temos uma sucessão de estereótipos que montam uma grande piada sobre o ponto ao qual nossa sociedade chegou:

– Os cientistas sérios baseados em fatos, mas ingênuos

– Os cientistas arrogantes, que se rendem aos fatos

– Os políticos e seus puxa-sacos que só pensam em se manter no poder

– Os militares idiotizados

– Os jornalistas empenhados em sinalizar virtude

– O povo, massa de manobra

– O poderoso dono da Big Tech, um louco que é quem realmente detém o poder

O filme é uma vitrine sobre a manipulação, as mentiras, a histeria, a ignorância e a ganância que parecem ser os atributos que regem nossa sociedade.

O cometa está lá, dá pra ver, é só olhar pra cima, mas uma parte quer tirar proveito da catástrofe e, para isso, manipula a verdade. Qualquer semelhança com os grandes temas em discussão na nossa sociedade, não é coincidência.

Infelizmente, esses grandes temas não são tão evidentes quanto um cometa no céu, o que só complica ainda mais a situação. Mas as negociações por poder e dinheiro, essas são bastante reais.
Alguns dados são interessantes: a produção é Hollywoodiana, um dos redatores trabalhou escrevendo discursos para Bernie Sanders, o velho dinossauro da esquerda norte americana, então é possível ver onde as tintas pesam para a direita e para a esquerda, especialmente nas caricaturas dos políticos ou das forças capitalistas que pressionam (mandam) o sistema.

Mas o curioso é que, se você trocar o sinal, funciona igual.

O time de atores é ótimo. Demorei para reconhecer Cate Blanchet, como a jornalista dondoca e superficial interessada em sexo e que junto com o parceiro (Tyles Perry) de apresentação de um programa de variedades/notícias, é avessa à más notícias. Tudo para eles é motivo de piadinhas, de comentários fofos, evidentemente lidos no teleprompter. É o jornalismo transformado em entretenimento e de olho em parecer virtuoso.
Sou suspeito para falar de Leonardo DiCaprio, gosto de tudo que ele faz. Mas adoraria ver Brad Pitt no papel do cientista ingênuo que se submete às artes dos políticos.
Meryl Streep faz uma espécie de clone de Hillary Clinton com Donald Trump. Seu filho é Jonah Hill, que se supera na arte do menino mimado e escroto, provavelmente inspirado nos filhos de algum presidente. E tem a ótima Jennifer Lawrence, que se perdeu nuns filmes aí, mas que está ótima aqui, embora em alguns momentos a narrativa a jogue em situações estranhas. Mas gostei dela, sim. Ron Perlman foi pouco aproveitado como o herói bruto, politicamente incorreto, que seria provavelmente classificado como um fascista, supremacista branco e misógino de extrema direita.
E para coroar, Mark Rylance faz uma mistura de Elon Musk com Steve Jobs, Zuckerberg e Bill Gates que em alguns momentos é assustadora, porque pode ser verdade. Ele manda na presidente dos Estados Unidos, e seu algoritmo é capaz de prever o futuro. A perspectiva de que existam pessoas com o poder que ele tem, é que assusta.

A parte dos efeitos especiais é sensacional. Eu passaria o dia assistindo as decolagens dos foguetes que aparecem ao longo do filme.

O filme tem uma levada de comédia, embora não seja uma comédia escrachada. O mérito está na caricatura que faz de todos os elementos que vemos diariamente nas tevês e mídias sociais, e que conduzem o destino da sociedade. Há um quê de “Rede de Intrigas”, no momento em que Leonardo DiCaprio meio que incorpora Peter Finch na tentativa de acordar a sociedade de seu torpor.

O filme esfrega em nossa cara a hipocrisia da sociedade, a desinformação e a fragilidade de nossos tempos. Traz personagens e situações desconfortáveis, pois sabemos que é assim que acontece. E o filme é divertido porque trata da verdade. A gente ri de nervoso de algumas situações. E o
filme é doído porque trata da verdade. E esfrega na nossa cara o tanto que somos manipulados diariamente por interesses. O que move as pessoas no filme é a luta pelo poder, pela audiência, pelas interações nas mídias sociais (aliás, assista até o final dos créditos, há uma cena impagável que envolve redes sociais).

A pergunta que fica ao final do filme é: será que somos capazes de fazer alguma coisa para salvar a humanidade diante de uma catástrofe que coloque nossa espécie em ameaça? Bem, assim que o filme começou, fiz um exercício de trocar o cometa pelo coronavírus… e fiquei extremamente incomodado com a perspectiva de que temos os meios, a tecnologia, para isso. Mas não temos a grandeza moral para pensar primeiro nas pessoas, depois no poder e no dinheiro.

O filme interpõe a ciência e a verdade ao populismo e oportunismo da classe política. No fim, a ganância, a mesquinharia e a obsessão pelo poder é que definirão nosso futuro. E o filme não alivia sobre nosso destino.

Não olhe para cima é um filme para ser levado a sério. Ele joga na cara da gente uma perspectiva assustadora: a de que o que vemos na tela, é o máximo que conseguimos fazer.

Se for isso, é o fim do mundo.