s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 936 – Os dois capitais
Café Brasil 936 – Os dois capitais
Em junho de 2015, durante uma cerimônia na Universidade ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Não temos golfinhos, mas temos toninhas

Não temos golfinhos, mas temos toninhas

Bruno Garschagen - Ciência Política -

No fim dos anos 1920, René Magritte apresentou um quadro que ficou famoso por negar aquilo que mostrava. A traição das imagens exibia o desenho de um cachimbo com a afirmação “isto não é um cachimbo”. Ao negar que o cachimbo fosse um cachimbo, o pintor mostrava que a representação da coisa não era a própria coisa.

A reação dos petistas e dos coronéis da esquerda à apresentação da denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na semana passada foi simbólica da ironia representada no quadro de Magritte. Diante da acusação de que Lula era o comandante do “esquema delituoso de desvio de recursos públicos”, a esquerdalha pinçou duas palavras (“convicção” e “provas”) de dois procuradores diferentes para forjar uma frase mentirosa que representasse uma coisa (a inocência de Lula por ausência de provas) para negar a própria coisa (a acusação dos crimes cometidos por Lula).

Você deve ter acompanhado a história: o procurador Deltan Dallagnol afirmou, em sua apresentação, que “provas são pedaços da realidade, que geram convicção sobre um determinado fato ou hipótese”. Em seguida, em resposta aos jornalistas, disse que “dentro das evidências que nós coletamos, a nossa convicção, com base em tudo que nos expusemos, é que Lula continuou tendo proeminência nesse esquema, continuou sendo líder nesse esquema mesmo depois dele ter saído do governo”.

Depois, ao apresentar sua parte, o procurador Roberson Pozzobon explicou que, “em se tratando da lavagem de dinheiro, ou seja, em se tratando de uma tentativa de manter as aparências de licitude, não teremos aqui provas cabais de que Lula é o efetivo proprietário no papel do apartamento, pois justamente o fato de ele não figurar como proprietário do tríplex, da cobertura em Guarujá, é uma forma de ocultação, dissimulação da verdadeira propriedade”.

Duas falas distintas, sobre crimes distintos, com o uso de palavras distintas foram convertidas no mantra “não temos provas, mas temos convicção”. Na falta de argumentos para rechaçar a denúncia, os petistas aplicaram a técnica do cachimbo: “isto não demonstra o crime”.

No dia da apresentação dos procuradores, o repórter do BuzzFeed Brasil Alexandre Aragão foi ligeiro ao descobrir a origem por trás da frase que ganhou as redes sociais: o site esquerdista Conexão Jornalismo, que usou aspas de forma malandra no título do texto “Não temos como provar. Mas temos convicção” para criar a impressão de que era uma frase dita por um dos procuradores. Em seguida, a frase e suas derivações viralizaram nas redes sociais.

Iniciou-se a partir daí a segunda Batalha das Toninhas. A denúncia passou a ser atacada não pelo seu conteúdo, mas pela suposta ausência de provas. Uma grave acusação jurídica foi convertida em instrumento de perseguição política.

O publicitário Alexandre Borges, articulista da Gazeta do Povo, não cansa de alertar para a necessidade de se investigar a verdade “toda vez que a imprensa e as redes sociais forem invadidas por um tsunami de hashtags e textões engajados”. Por qual razão? Porque “a mentira e a gritaria histérica viraram armas extremamente eficientes da luta política num mundo hiperativo, à beira de um ataque de nervos e sem tempo para pensar”. E assim muita gente se torna instrumento útil de uma causa infame.

Se no quadro de Magritte o objeto não é um cachimbo, na guerra ideológica no Brasil, a toninha não é um golfinho.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen