s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 936 – Os dois capitais
Café Brasil 936 – Os dois capitais
Em junho de 2015, durante uma cerimônia na Universidade ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

O Brasil Tribal

O Brasil Tribal

Filipe Aprigliano - Iscas do Apriga -

Estamos passando por um momento de grande incompreensão. Temos ânimos exacerbados por todos os lados e por uma série de fatores. Infelizmente, muito do que nos motiva, não é especialmente nobre. Apenas para exemplificar: medo, frustração, ódio, tristeza, desesperança, entre outras coisas de mesma ordem.

Por outro lado, também penso que estamos em um momento de tomada de consciência, individual e coletiva, que ainda vai demorar um pouco para tomar forma. Precisamos de um tempo para criar os modelos mentais para representar e identificar esse momento histórico singular. Somente a partir daí, seremos capazes de comunicar nossas descobertas como um legado inteligível e certamente útil.

A polarizarão embora clara, não dá conta de diluir a complexidade da situação. Não se trata de uma polarização ideológica simples, trata-se de um impulso tribal. Trate-se do sentimento mais básico de autopreservação. Trata-se de sentir o cheiro de sangue e buscar alianças onde houver. Não se trata de empatia entre iguais, é apenas um medo generalizado de porvir em meio a uma gravíssima crise econômica, política e moral.

Eu assisto dois movimentos principais, ambos proclamando injustiça e cegueira coletivas do bloco ao qual se opõe. Infelizmente, a verdade é constrangedora para todos, inclusive para mim. Temos aquele sentimento do como foi possível nos permitir uma cumplicidade tão profunda com o cinismo, com a criminalidade e com a imoralidade. Independente do veio ideológico, acredito que esse aspecto nos une, e talvez seja a hora de realmente nos unirmos em torno desse sentimento, o do constrangimento.

Eu sei que a maioria avassaladora de nós trabalha duro, busca construir relações baseadas em parâmetros de honestidade e justiça, mas ao mesmo tempo toleramos tudo que não presta e aprendemos a fazer isso em doses homeopáticas. Ao criticarmos alguém, procuramos fazê-lo de forma a evitar conflitos diretos, e nesse contexto, a internet se tornou a válvula de escape perfeita.

Tolerar a diferença não significa abrir mão de valores, significa apenas abrir mão do preconceito. O que não presta, não deve ser tolerado, em nós mesmos e em todo mundo.

Não importa o quanto gritemos, nada vai tirar aquela sensação de que o Lula já deveria ter caído desde o mensalão, e que as instituições falharam, e que o povo falhou ao se manter dividido e não cobrar pela verdade, que já era clara desde aquela época.

Acho que muitos petistas vão concordar veladamente comigo nesse ponto, que a Dilma é uma das pragas do Egito, enviada por Deus para nos castigar pela nossa hipocrisia. Eles só defendem essa fadinha cocô por uma questão prática, similar à quando defendemos um membro da família em público, mesmo sabendo que ele fez cagada.

Todo o inferno que vivemos hoje é fruto de uma grande cadeia de mentiras, que todos sabiam ser mentira, mas preferiram evitar o conflito direto, só porque a situação econômica e política ainda era tolerável. Agora estamos todos pagando o preço, Petralhas e Coxinhas afundando juntos num oceano de fezes.

Escuto pessoas falando de democracia, de que todos os políticos roubam, de que nem todos os problemas do Brasil são culpa do PT, que as gravações são ilegais, que não deveriam ser divulgadas… E DAÍ??????? ISSO NÃO TORNA OS MALDITOS LÍDERES DO PT INOCENTES!!!

E ainda tem a melhor de todas, a máxima do “Isso não é Republicano!!!” QUE DESGRAÇA SIGNIFICA ISSO??? Como assim não é republicano??? Desde quando a república é sinônimo de legalidade ou de moralidade? Todas a repúblicas foram instituídas por golpes, e até hoje os países com os menores índices de corrupção são monarquias.

Para mim o nome disso é apologia ao crime, em alguns casos velada e em outros casos totalmente escancarada. E estamos convivendo com mentiras escancaradas do governo há tanto tempo, que tudo isso já parece normal. Aparentemente dizer a verdade, mesmo seguindo todos os ritos da lei, se tornou anti-republicano.

Enfim, estamos vivendo no caos ideológico. Temos pessoas visivelmente conservadoras com discurso progressista, pessoas visivelmente coletivistas com discurso liberal e todos os sabores de incoerência, tudo isso regado a desemprego, violência, epidemias das mais variadas e hospitais totalmente abandonados.

Acho que já basta de posts vazios na internet, temos que começar de algum lugar. Eu estou tentando fazer a minha parte: eu me filiei ao Partido Novo, que eu acredito ser uma alternativa para as próximas décadas. Eu tento conversar com as pessoas evitando a escalada do ódio quando elas discordam de mim. Eu reduzi minha margem de lucro ao mínimo possível para evitar demitir pessoas à espera de tempos melhores, e eu estou ajudando todo mundo que eu posso, porque eu sei que os tempos estão muito difíceis para todos.

Além disso, quando eu vejo um funcionário público defendendo o PT com argumentos frágeis, ou qualquer outra pessoa que tenha um passado de militância de esquerda, mas que seja um trabalhador – uma pessoa de bem -, eu simplesmente tolero. Inclusive tenho alguns amigos muito queridos nessa triste condição.

Para entender melhor essa patologia, eu tenho um amigo escritor, Caco Porto, que utilizou a seguinte figura para explicar essa situação. Imagine uma pessoa que construiu toda a sua visão de mundo, de entendimento das engrenagens sociais sobre o alicerce do socialismo e da lógica da luta de classes, e agora está vendo sua casa ruir em frangalhos. É mais do que natural que ela tenha dificuldade de se adaptar e reorganizar seus pensamentos, ela ainda precisa vencer a fase da negação pós-traumática.

Agora, temos um outro tipo de gente, que são os militantes profissionais da esquerda, o que engloba CUT, MST, artistas e jornalistas financiados e mais uma infinidade de ONGs. Esses sempre viveram de disseminar o sentimento de vitimização e de ódio a coisas abstratas como: imperialistas, grandes capitalistas, burgueses e coxinhas.

Essas gangues profissionais do ódio tem como grandes nortes do discurso os senhores Paulo Freire, Darcy Ribeiro, Leonardo Boff, Augusto Boal e Marilena Chaui. Esses militantes que se dizem defensores dos oprimidos, nunca tiveram acesso a tanto dinheiro como no governo do PT. Agora estão agonizando sem entender o que ocorre, e fazendo a única coisa que sabem fazer, classificando os culpados e destilando ainda mais ódio.

Não vamos nos comportar como esses infelizes, vamos assumir a responsabilidade pelas nossas mazelas e deixar que eles minguem sem a mesada do estado num futuro próximo. As falcatruas do PT, assim como qualquer outra que tenha havido antes deles, só ocorreu porque as pessoas de bem não tomaram partido. Vamos aproveitar o momento e fazer a nossa parte, o momento é de crise, e se você quer ter razão, seja solidário com quem precisa e intolerante com tudo que não presta, seja qual for a cor da camisa.

Obrigado pelo seu tempo. Quem sabe nos falamos novamente?

 

Ver Todos os artigos de Filipe Aprigliano