s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 936 – Os dois capitais
Café Brasil 936 – Os dois capitais
Em junho de 2015, durante uma cerimônia na Universidade ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação

Bruno Garschagen - Ciência Política -
Em seu livro Os Bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi (Companhia das Letras), o historiador José Murilo de Carvalho tentou explicar as ações e reações dos moradores da então capital do país em três dimensões: envolvimento comunitário, desinteresse pela política e uma relação utilitária e submissa em relação ao Estado. Era “uma visão antes de súdito do que de cidadão, de quem se coloca como objeto da ação do Estado e não de quem se julga no direito de influenciar” (p. 147).

Em momentos de normalidade, ou seja, quando não havia crise, quem reclamava pelos jornais era “quase só pessoas de algum modo relacionadas com a burocracia do Estado (…), seja os próprios funcionários e operários, seja as vítimas dos funcionários, especialmente da polícia e dos fiscais” (p. 146).

O que acontecia entre uma crise e outra era, portanto, a aceitação quase passiva das decisões políticas. A população só se dava conta das consequências quando a conta tinha que ser paga.

O que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19. Os protestos de hoje em frente à Assembleia Legislativa mostram exatamente isso. Quando o governo estadual sob o comando do hoje presidiário Sérgio Cabral Filho agia de forma irresponsável, gastando a rodo, os servidores só reclamavam circunstancialmente por reajuste e os fluminenses quando não eram atendidos pelo governo. A fábula da Cidade Maravilhosa foi incorporada à política pelos políticos e por parte da população. Se Paris já foi uma festa, o Rio virou uma farra.

Uma explicação sobre como o político e o burocrata gastam o dinheiro de quem paga imposto é necessária para que as coisas fiquem claras. Até para que você não continue a achar que o dinheiro que o governo gasta não tem dono.

No livro Livre para Escolher (Editora Record), o casal de economistas Milton e Rose Friedman classificou o gasto de dinheiro em quatro categorias. As categorias 3 e 4 aplicam-se também ao caso do Rio.

O que diz a categoria 3? Quando alguém (governador e deputado estadual do Rio, por exemplo) gasta o dinheiro de outra pessoa com algo para ele não está preocupado com os gastos nem com o dono do dinheiro (população do Rio, por exemplo), apenas com ele próprio.

A categoria 4 ocorre quando alguém (governador e deputado estadual) gasta o dinheiro que não é dele com algo que é para outra pessoa (população do Rio). Em ambos os casos, segundo Friedman, não haverá preocupação com o gasto do dinheiro. “Os legisladores votam para gastar o dinheiro de terceiros. Os eleitores que elegem os legisladores estão votando, em certo sentido, para gastar seu próprio dinheiro com eles mesmos” ( Livre para Escolher , p. 179).

O que acontece na prática é que “os eleitores, assim como os legisladores, têm a tendência a achar que outra pessoa está pagando pelos programas a favor dos quais o legislador vota diretamente e que o eleitor vota indiretamente”. Uma vez aprovado o gasto, qualquer que seja, “os burocratas” também gastarão “o dinheiro de terceiros”. Por isso, “não é de admirar que a quantia gasta seja explosiva” e que haja “desperdício e ineficácia dos gastos” ( Livre para Escolher , p. 179).

Quando tudo parecia bem no Rio, os políticos gastavam, funcionários públicos e a população aceitavam (com lamentos pontuais). Quando a conta do governo não fechou e os servidores passaram a enfrentar o drama de não receber pagamento, o caldo entornou e a violência ganhou as ruas. O protesto violento de hoje é sinistramente compatível com a violação da responsabilidade (inclusive fiscal) cometida pelos políticos.

O caos no Rio de Janeiro é o típico caso onde não há inocentes: dos sucessivos governadores e deputados estaduais aos servidores e parte da sociedade, há culpados para dar e vender.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen