s
Artigos Café Brasil
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

Café Brasil 927 – Quando a água baixar
Café Brasil 927 – Quando a água baixar
A história de Frodo Bolseiro em "O Senhor dos Anéis" ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

LíderCast 321 – Rafael Cortez
LíderCast 321 – Rafael Cortez
Tá no ar o #LC321 O convidado de hoje é Rafael Cortez, ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 328 – Crimes de Honra
Cafezinho 328 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Cafezinho 625 – Fake news que matam
Cafezinho 625 – Fake news que matam
Há tempos eu digo que saímos da Sociedade da Informação ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…

Luciano Pires -

Resumo da história: Balram é um garoto miserável, vivendo num povoado miserável no interior da Índia, onde é explorado pela avó, a matriarca da família. Seu sonho é servir um patrão poderoso, que ele encontra em Ashok, filho caçula de um mafioso que explora a região. Ashok é casado com Pinky, que foi criada nos EUA desde criança e contesta a cultura machista e autoritária do pai do marido. Balram começa um processo para escapar da vida miserável, experimentando o choque entre as castas sociais e pagando um preço alto por isso.
Pronto. Esse é o pano de fundo para um dos mais instigantes filmes que assisti nos últimos tempos. Na verdade, não me lembro de ficar tão entusiasmado com um filme desde Tropa de Elite e Cidade de Deus. O filme é sensacional.
Primeiro porque nos joga dentro da realidade miserável do interior da Índia, esfregando em nossa cara a realidade de quem vive para sobreviver. Somente para sobreviver. A miséria, o lixo, a desesperança, os problemas sociais, a corrupção, a violência, estão ali estampados – na verdade, escarrados – na cara da gente.
Segundo, porque a narrativa é irresistivelmente bem-humorada, com uma direção inteligente, cinematografia de primeira e um ator principal que é arrasador. O jovem Adarsh Gourav, que iniciou a carreira em 2017, é como o Alexandre Rodrigues que interpretou o Buscapé de Cidade de Deus, o ator que incorpora o personagem que vive dentro de si. Fica evidente que Adarsh está representando uma realidade que conhece perfeitamente. Conhece tanto que consegue caricaturar a realidade. Ele narra a história, que caminha em flashs entre passado e presente, com uma graça que torna impossível não torcer por ele o tempo todo. Exatamente como fizemos com o Buscapé. A cena em que ele se vê forçado a assinar uma declaração, é simplesmente genial. Por meio de close-ups que chegam a deformar o riso sem graça de Balram, o diretor nos deixa absolutamente empáticos com o garoto. A sensação é que aquela situação surreal está acontecendo conosco! Sensacional.
O filme é um grande comentário sócio-político sobre a divisão em castas e entre os pobres e ricos na Índia. Talvez lá esteja o maior contraste entre classes no planeta. As tradições sociais da cultura indiana estão explícitas, exploradas com um humor e acidez que torna difícil acreditar que o diretor do filme não é indiano. E não é. Ramin Bahrani é um cineasta americano-iraniano, que consegue nos remeter para a realidade do terceiro mundo como só quem tem um pé naquela cultura conseguiria.
A grande ironia é que o filme se desenvolve a partir de uma série de e-mails que o protagonista endereça ao Premier da China que está para visitar Bangarole na Índia. Ele crê, e explicita, que o tempo do homem branco passou, o futuro é dos amarelos e marrons. E o tempo todo esfrega essa ideia em nossa cara. Balram termina bem-sucedido (não é spoiler, já que o filme começa com ele no presente, lembrando sua história), e sua história mostra como a ideia da meritocracia pode ser relativa, dependendo da sociedade na qual você vive.
Outro ponto fundamental é o foco no individualismo de Balram. Ele é um solitário, batalha contra tudo e todos, não aceita se juntar a grupos, nem engole ideias coletivistas. Ele só vê sucesso, e não acredita que para isso dependa de um programa de televisão que o deixe rico. Tem uma referência deliciosa aqui.
As cenas que envolvem Pink, a esposa rebelde de Ashok, mostram o tamanho do abismo cultural a ser ainda vencido pela sociedade indiana. Ela quer mudar as coisas, age a respeito, coloca-se em risco, mas percebe que não poderá fazer nada contra aquela cultura. E a exposição do sistema corrupto indiano, com direito a malas de propina, deixa claro que não somos muito diferentes, quando se coloca em perspectiva o poder. Onde há poder, há injustiça, corrupção, inveja e ganância. Aqui ou na Índia.
Não perca. Para mim esse é o maior lançamento do ano, e Adarsh Gourav merece, no mínimo, uma indicação ao Oscar.