s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

OrgulhoDeSerCorrupto

OrgulhoDeSerCorrupto

Luciano Pires -

#OrgulhoDeSerCorrupto

O Trust Barometer é uma pesquisa realizada anualmente pela empresa Edelman, que tem como objetivo avaliar o índice de confiança da população nas instituições. A edição mais recente foi aplicada em 28 países, contou com 33 mil entrevistas e foi completada no final de 2016.

No texto de apresentação da pesquisa os organizadores dizem que 2016 foi um ano atípico, quando 5 dos 10 mandatários ou partidos das nações mais importantes foram depostos ou derrotados (Brasil,  Itália, Coréia do Sul, Inglaterra e Estados Unidos). Falam dos escândalos de corrupção no Brasil e concluem que 2/3 dos países pesquisados hoje são “distrusters” ou “desconfiados”, o que aponta para uma profunda crise de confiança em escala global.

Era de se esperar, não é?

E eles concluem dizendo que “conforme a confiança nas instituições decai, os conceitos básicos de justiça, valores compartilhados e igualdade de oportunidades que tradicionalmente são sustentados pelo ‘sistema”, não são mais garantidos. Observamos uma profunda desilusão da esquerda e da direita, que compartilham uma oposição à globalização, inovação, desregulação e instituições multinacionais. Há um desespero crescente em relação ao futuro, uma falta de confiança na possibilidade de uma vida melhor para nossas famílias.”

A pesquisa apontou que apenas 15% da população acredita que o presente sistema está funcionando, contra 53% que acreditam que não e 32% que não tem certeza.  E esse descrédito é o campo fértil para o surgimento de movimentos populistas que se alimentam do medo. Perto da metade do que a pesquisa classifica como “público informado”, adultos entre 25 e 64 anos de idade com educação superior, entre os 25% de melhor renda e que consomem as mídias, afirma ter perdido a fé no sistema.

A confiança na imprensa caiu em 82% dos países pesquisados, estando no ponto historicamente mais baixo em 17 deles.

Dois terços da população perdeu a fé na capacidade de seus líderes de resolver os problemas que se apresentam. E leia isto: “ Uma pessoa comum tem hoje tanta credibilidade quanto um acadêmico ou um técnico especialista, e mais credibilidade que um CEO ou representante do governo, o que implica numa mudança do eixo da comunicação, que agora é horizontal, de indivíduo para indivíduo, evidenciando a dispersão da autoridade em direção aos amigos e à família.”

Os números do Brasil são especialmente preocupantes na pesquisa, cujo resumo pode ser visto aqui: http://www.edelman.com/executive-summary/ .

Muito bem. Essa pesquisa da Edelman me voltou à memória ontem, quando vi em todos os canais de televisão a imagem de Emilio Odebrecht contando como sua empresa se envolveu no maior escândalo de corrupção da história da humanidade, ao comprar parlamentares, manter relações espúrias com o poder central e, em certa medida, definir nos porões dos palácios os rumos de nosso país nos últimos 30 anos.

Vimos ontem um dos maiores empresários do país, à frente de uma das maiores construtoras do mundo, apoiado pelo filho e por agentes do governo, enquanto encoberto pela imprensa, exibindo seus valores morais tortos, sua falta de compromisso com seu país, com seus conterrâneos, comigo, com você.

E ele fez isso sorrindo.

Foi como se eu tomasse uma bofetada.

O resumo dos depoimentos de Odebrecht é: “tudo bem se me convém”, a frase que, em 2009, sugeri que substituísse o “Ordem e Progresso” de nossa bandeira.

E eu estava certo.

Neste Brasil confuso, perdido, aviltado, onde a confiança morreu, eles ostentam o orgulho de serem corruptos.

E conseguem fazê-lo sorrindo.