s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Os icebergs

Os icebergs

Luciano Pires -

Meu candidato foi derrotado nas eleições para presidente. Foi um baque, foi triste, decepcionante, mas não, não estou de luto. O país continua em movimento, mais devagar e por caminhos mais tortuosos e acidentados, mas continua. Costumo dizer que o Brasil é como um transatlântico que um dia recebeu um impulso, a massa é tão grande que ele simplesmente se desloca, não tem como parar, a menos que surja um iceberg em sua frente o que, apesar dos esforços de uns aí, ainda não aconteceu.

Dilma foi eleita com 54.501.118 de votos e a soma dos que votaram em Aécio, mais votos nulos, brancos e abstenções é 83.100.453. Ou seja, quase 2/3 dos governados por Dilma não votaram nela. O país está, sim, dividido e vamos ter que lidar com essa realidade. Mas e agora? Você também não votou em Dilma e está frustrado com o resultado das eleições? É compreensível… Mas além do chororô, o que dá pra fazer?

Raciocine comigo: saímos deste processo eleitoral mais maduros, parece que aquele conformismo brasileiro ficou para trás. Muita, mas muita gente mesmo está discutindo política. Vi jovens que não davam a menor bola para o tema, fazendo perguntas e se interessando. Em meio a todo lixo, vi milhares de posts interessantes nas mídias sociais, com opiniões legais e questões pertinentes, gerando discussões necessárias.

Nos últimos meses vi surgirem várias pessoas escrevendo em jornais, revistas, em livros e na internet, com ideias muito diferentes do pensamento jurássico de esquerda que domina o país desde os anos 60. Essa leva de gente “opiniática” traz argumentos que estão ajudando a amadurecer a consciência política do país.

Também nos últimos meses consumi boa parte de meu tempo escrevendo sobre política, manifestando minha opinião, entrando em conflito com gente que pensa diferente de mim e preocupado com os rumos do país. Fiquei mais rígido com meus filtros, selecionando o que ouço, leio e assisto. Não achei meu tempo no lixo e estou o valorizando ao máximo.

E esta também foi a eleição em que as mídias sociais atingiram a maturidade como processo. Podemos discutir o conteúdo que está sendo divulgado por elas, mas isso tem mais a ver com quem deixamos frequentar nossos canais. Se tem algum idiota incomodando você, a culpa é sua. Aproveite este momento para uma grande faxina. Eu, por exemplo, comecei pelo Facebook, apagando comentários e bloqueando idiotas como nunca antes neste país. E, acredite, já deu para sentir a diferença, como se o ar ficasse mais puro.

Antes da crise econômica ou política, vivemos no Brasil uma profunda crise moral e, sinceramente, não vejo em Dilma Rousseff e Cia. condições de reverter esse quadro, especialmente depois da campanha suja que fizeram. Eles vêm aí, com mais sede de sangue, pode acreditar. É essa a natureza deles, e alguém precisa pará-los.

Continuo preocupado, sim, mas sigo uma velha máxima: não sofro por antecedência nem por subsequência. Sofro no momento, e deu! Perdeu? Perdeu. Como nada posso fazer para mudar o resultado da eleição, agora é trabalhar para mudar o futuro. Saí destas eleições mais maduro, mais experiente para lidar com as mentiras, mais ciente de quem são os manipuladores e oportunistas, mais consciente de meu papel na mudança da sociedade, com mais vontade ainda de fazer a diferença.

Então mãos à obra. Não há tempo para chororô, mimimi e nhém-nhém-nhém, temos que desviar dos icebergs.

Posso entrar?