s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Paradoxo?

Paradoxo?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                     “Paradoxo” é o nome de uma interessante figura de linguagem, utilizada para enfatizar uma frase com palavras aparentemente inconciliáveis. Um bom exemplo é o título do filme Eyes Wide Shut (Olhos Escancaradamente Fechados), porcamente traduzido no Brasil por De Olhos Bem Fechados. A tradução, ignorante, tirou todo o impacto do título.

Ocorre um outro tipo de paradoxo político-social, muito ruim, no País: Um silêncio ensurdecedor. Significa que o silêncio de alguns (ou mesmo de muitos) ante o absoluto descalabro do governo federal, que varia da incompetência geral à corrupção irrestrita, dá a entender uma série muito interessante de fatos. Aliás, não dá a entender; comprova.

Em tempos pré-lulistas, greves espocavam por qualquer (ou mesmo nenhum) motivo. Sindicatos saíam às ruas pedindo a cabeça de FHC por tudo e por nada. Sem-terra e outro 300 tipos de “sem”, idem. Qualquer motivo era motivo para fechar estradas, incendiar pedágios, invadir prédios públicos, queimar pneus, destruir patrimônio do povo – o mesmo povo que eles juravam e juram defender. De quebra, desejavam a morte lenta a qualquer um que classificassem como “neoliberal”; em linguagem lulista, um “inimigo do povo”. Nunca vou esquecer de uma tarde quente, no centro de Bauru/SP, em 1996, em meio a uma greve de bancários, na qual um sujeito que se dizia sindicalista distribuía bombons a qualquer criança que cuspisse ou agredisse um boneco representando FHC, malhado e vilipendiado sob os risos energúmenos desses “defensores do povo”. O “motivo” daquele espetáculo ridículo, de violência gratuita envolvendo crianças inocentes? O Plano Real, que salvou o Brasil – os lulistas o chamavam de “estelionato eleitoral”, sabotando-o de todas as maneiras possíveis. Sobrevivemos e derrotamos a inflação, apesar de Lula e seu apparatchik bolivariano-punguista. E como essa gente gritava, pelamor. Mesmo sem nenhuma razão.

                                     Hoje, vejam só, temos esse silêncio ensurdecedoramente paradoxal, porém fortemente didático. Por que os mesmos petroleiros que antes faziam marchas, bloqueios e passeatas em “defesa” da Petrobrás (sendo que nada a ameaçava) não estão nas ruas hoje, para protestar diante do descalabro reinante, desse que pode ser o maior escândalo de corrupção com dinheiro público da história mundial? Não se preocupam em ver a petrolífera desaparecendo, servindo de cordão umbilical para o monstro parido pelo lulismo?

                                     Onde estão os sindicalistas que tomavam as ruas e pediam a cabeça de FHC num prato, disparando ofensas e exigindo “justiça”, quando a corrupção era apenas uma fração da atual?

Onde está a OAB (de cuja diretoria faço parte, com muita honra), sempre tão pronta a lutar contra a incúria perpetrada nas verbas públicas, e que esteve à frente do pedido de impeachment de Collor?

                                     Onde a ABI (Associação Brasileira de Imprensa), que ombreava com a OAB na condução do mesmo pedido de impeachment em 1993, com base em um simples Fiat Elba de origem duvidosa, e hoje nada faz ante uma roubalheira que atinge declarados (pelo próprio governo) $ 90 bilhões de reais de dinheiro 100% público?

                                     Onde a UNE, os artistas e “intelectuais” chapa-branca, que fecham os olhos à bordelização do País para não perder a boquinha?

                                     E, principalmente, onde a omissa e acadelada oposição, que, embora mais necessária do que nunca, parece dormir enquanto o lulismo empurra o País para o esgoto e o dinheiro público para a Suíça? É letargia pura ou medo de algum respingo da enorme mancha de óleo podre?

                                     Será que tais ex-protagonistas acreditam que seu silêncio passa despercebido? Não adianta fingir-se de desentendidos. Nem chegar de surpresa, no final, chutando cachorro morto, quando os governantes (ir)responsáveis estiverem (espera-se) respondendo por seus crimes. É hora de tomar partido, literal e figurativamente. Porque o povo não esquecerá; o atual silêncio dos antigos gritadores está rompendo os tímpanos dos que esperam uma voz de amparo. E desse silêncio não há inocentes.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes